Super-heróis mudando de casa

Heróis MarvelStan Lee e os super-heróis da Marvel fazem parte de nossas vidas desde os anos 60. Nos últimos anos Homem de Ferro e Cia chegaram aos cinemas com força e qualidade inimagináveis se lembrarmos das primeiras experiências (Demolidor e Hulk, por exemplo). Agora, que vivemos a expectativa do Homem de Ferro 2, Capitão América, Thor e Vingadores, a notícia: A Disney vai comprar a Marvel.

Ainda não sei se essa é uma boa notícia.

Para quem perdeu, mais uma chance para reler alguns textos antigos sobre os heróis no cinema, enquanto o Mistura não volta.

Anúncios

Cantinho wi-fi do Rio

Bar Urca por do solO Rio de Janeiro é uma cidade maravilhosa. Belíssima! Quem mora na cidade e não tem medo de explorar, sabe que da Zona Norte até a Zona Sul, passando até mesmo pela região chamada Barra da Tijuca, há vários cantinhos que merecem nossa reverência.

Quem já parou para reparar na beleza das calçadas musicais de Vila Isabel, na atmosfera de pequena vila européia de Santa Teresa ou na vista incomparável do Cristo Redentor, sabe que é muito difícil resistir aos encantos dessa cidade.

Bar Urca muro ICada carioca tem seus cantinhos preferidos. Alguns dos meus são a Pista Cláudio Coutinho e o Bar Urca e a sua mureta. Um dos melhores restaurante do Rio, um dos mais belos pôr-do-sol do mundo e algumas das cervejas mais geladas do país juntos no mesmo lugar. Só o balé dos garçons atravessando a rua com bandejas, garrafas e petiscos (servidos na mureta da..praia) já vale a ida.

Segundo um release recebido recentemente: quem desejar, entre uma cerveja gelada e um petisco, navegar pela rede mundial de computadores enquanto aproveita a brisa e a vista à margem da Baía de Guanabara. Basta pedir uma senha de acesso, gratuita, no balcão do bar e ligar seu notebook.

Não sei se a pedida é boa ou não. Acho que continuarei apenas na cervejinha.

O novo dá medo

Somos um bando de covardes. Uns mais, outros menos, uns do bem, outros kanalhas, mas somos. Uns tomam decisões corajosas, vão para novos-velhos mundos, mas acabam voltando, sucumbindo a covardia inerente ao ser humano. Covardia que muitas vezes não permite que admitamos nossa própria incompetência. Afinal, quem gosta de confirmar o que todos sabem (que o subordinado é melhor que o chefe)?

Nunca tenha medo de tentar algo novo. Lembre-se de que um amador solitário construiu a Arca. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic.

Luís Fernando Veríssimo

Um grande grupo de profissionais que pensa está sempre no limite de bater no iceberg da soberba. Principalmente quando se acham. Aliás, qualquer profissional que se ache muito vai pelo mesmo caminho. Na verdade, os que têm consciência da sua mediocridade e usam vaselina para se manterem, também estão na mesma situação. É complicado.

Normalmente as mudanças acontecem por conta da vida. Muitas vezes causadas por gente que teve medo de mudar e, então, dá meia volta e muda a sua (nossa) vida. Dividir é algo que amedronta. Experimentar o novo pode ter várias faces. Nem sempre mudar nomes, sobrenomes e formatos de rosto e corpo significa mudar. Na maioria das vezes esses nomes diferentes são a melhor maneira de não mudar. De manter as coisas como são, dando aquela impressão de modernidade, de pessoa sem medo, independente.

Nada melhor que adquirir algo palpável para sacramentar as mudanças. Pode ser uma TV, um carro ou, quem sabe, um cão. Dá tudo no mesmo. A covardia está lá para quem se dispor a enxergar.

PS: Também sou covarde, mas não tenho medo de dizer isso.

*Esse texto é uma compilação de escritos criados entre 1999 e 2007.

The Who ainda longe do Brasil

Daltrey Tour finalSão mais de 40 anos de estrada e milhares de shows em dezenas de países e nada de Brasil. O The Who (hoje representados por apenas dois de seus quatro membros originais, Pete Townshend e Roger Daltrey) continua na ativa – com pequenos intervalos -, levando rock de raiz para ouvidos e mentes de humanos normais.

Já foram vários os rumores da vinda do grupo ao Brasil mas parece que as boas lembranças de amigos como Eric Clapton e Paul McCartney não foram suficientes para sensibilizar Townshend.

Pé na estrada e nova ópera rock

Enquanto o grupo experimenta mais um recesso, Roger Daltrey vocalista e ator bissexto prepara uma turnê pelos EUA onde, além de cantar os sucessos do The Who vai apresentar alguns dos seus sucessos solo e ainda promete entoar músicas de artistas como Paul McCartney, Bruce Sprinsteen e Queen.

Para quem não sabe, Daltrey coleciona algumas canções que fizram bonito nas paradas. Without Your Love, Giving It All Away e After the Fire, que devem The Who Hamilton outubro 08fazer parte do repertório, são alguns exemplos. Nos concertos Roger será acompanhado por Frank Simes (guitarras), Loren Gold (teclados), Jon Button (baixo) e Scott Devours (bateria), além do companheiro de Who, Simon Townshend (guitarrista, backing vocal e irmão do outro Towshend já citado aqui).

Enquanto isso, irmão Pete anuncia que está escrevendo uma nova ópera rock para o The Who. Floss não terá uma história muito original (pelo menos para os padrões de Townshend) mas pode render um belo disco, planejado para 2010.

Abaixo o anúncio oficial de Townshend:

I am writing a new musical.

FLOSS is an ambitious new project for me, in the style of TOMMY and QUADROPHENIA. In this case the songs are interspersed with surround-sound ‘soundscapes’ featuring complex sound-effects and musical montages. FLOSS will be a son-et-lumiére musical piece, intended for outdoor performance, or arenas. Several of the more conventional songs from FLOSS will be featured on a forthcoming Who recording for release in 2010. FLOSS will be heard in concert for the first time in 2011, at a venue and date yet to be established. I am already having talks with producers in New York.

Townshend 2008 The collected music and sound for FLOSS convey the story of a married couple whose relationship gets into difficulty. Walter, a straight-cut pub rock musician, is able to retire when one of his songs becomes the TV anthem of a big car company. He becomes a house-husband while his wife Floss devotes herself to a riding stables and stud. When he tries to return to music after a fifteen year hiatus, he finds that what he hears and what he composes evoke the ecologically rooted, apocalyptic mindset of his generation. Shaken by this and torn by personal difficulties, he and Floss become estranged. A series of dramatic events in a hospital emergency ward bring them both to their senses.

While Roger Daltrey exercises his ageing vocal chords by embarking on a two month USE OR LOSE IT solo tour, my focus is on FLOSS, which touches on the current issues faced by the Boomer generation. It also addresses their uneasy relationship with their parents, children and grandchildren. As a 19 year old – with My Generation – I wrote the most explicitly ageist song in rock. At 64, I now want to take on ageing and mortality, using the powerfully angry context of rock ‘n’ roll.

Se a idéia de Daltrey é manter sua voz em forma (embora ela já sinta os efeitos da idade), é bom saber que a força criativa de Townshend ainda existe.

Pelo jeito precisarei vê-los longe da Terra Brasilis.

Atire a Primeira Pedra

Atire a primeira pedra
Marisa Monte

Atire a primeira pedra
Quem não sofreu, quem não morreu por amor
Todo corpo que tem um deserto
Tem um olho de água por perto

Para ouvir basta abrir os poros
Para aceitar basta oferecer

Para quê adiar um desejo
De alguém que lhe quer tanto beijo

Quem de vocês
Resiste a uma tentação
Quem pretende revogar a lei do coração

Quem ousaria
Dessas vozes duvidar
Deixa a sua natureza se manifestar

Para ouvir basta abrir os poros
Para aceitar basta oferecer

Para quê adiar um desejo
De alguém que lhe quer tanto beijo

Quem de vocês
Resiste a uma tentação
Quem pretende revogar a lei do coração

Quem ousaria
Dessas vozes duvidar
Deixa a sua natureza se manifestar

As pessoas não sabem o que querem até você mostrar a elas

Foram anos apostando no fim da Apple – a dos computadores e não a dos Beatles. Era um tempo quando apenas diagramadores e afins usavam seus computadores (caros e com pouco apelo, apesar de mais confiáveis). Mas, tudo mudou e hoje não é possível pensar no mundo sem ela.

A empresa mudou seus rumos após uma série de bons lançamentos, que culminaram no iPod e sua entrada no mundo da música (que rendeu mais uns bons dólares para a Apple original, a dos Beatles). A virada é mais uma prova de que seu mentor, o ex-sócio de Bill ‘Microsoft’ Gates, Steve Jobs é, no mínimo, um homem de muita visão.

Este texto era para falar da ótima frase do título desde post, mas depois de ver um documentário sobre a Pixar (produtora de filmes como Toy Sory e Monstros & Cia) fica difícil falar sobre uma frase de alguém tão genial quanto Jobs sem falar do próprio. O cara é um dos poucos que admito que chamem de guru ou visionário.

As pessoas não sabem o que querem até você mostrar a elas é uma daquelas frases que podem mudar vidas. Na verdade, mudou a vida de milhões de pessoas no planeta. Para mudar basta estar aberto e ter humildade para aceitar idéias de gente mais competente que você.

Em tempo: não uso Macs, não tenho iPhone ou iPod e nem tenho o que mostrar para ninguém. Isso faz muito mal para a minha conta bancária.

Lembranças de um anjo imperfeito

carey1Nunca entendi o fascínio musical por Mariah Carey. Nunca descobri se ela gostaria de ser negra ou loira, musa vadia ou pudica. Todos aqueles malabarismos musicais e vibratos sempre me incomodaram. Mas, como George Harrison disse certa vez sobre as Spicy Girls, esse tipo de artista permite que fiquemos com o volume do televisor desligado.

A música pode ser irrelevante, mas o visual não é. By the way, Mariah está lançando um novo disco, chamado Memoris of an Imperfect Angel.

Coca-Cola e o seu refrigerante de leite

vio grandeA notícia nem é tão nova, já apareceu no Informativo Malagueta e no Bla-bla-blog (da amiga Debinha), além de alguns outros sites menos relevantes, mas esperei até encontrar alguém que tivesse provado para postar algo sobre o assunto: o refrigerante de leite da Coca-Cola.

Não sei o que passa na cabeça dos executivos da Coca-Cola, mas um refrigerante que contém leite desnatado, água gaseificada, aromatizantes e açúcar, não parece uma boa idéia. Nem politicamente correta é. Misturar esses ingredientes é a receita certa para o fracasso.Serão quatro sabores e uma empresa americana provou o sabor cítrico e detestou. Por sorte, uma amiga da Carolina do Norte (Lori) foi escolhida para participar dos testes do Vio e disse: “É muito estranho. O de frutas vermelhas (Very Berry), que foi o que provei, não parece refrigerante nem parece iogurte. Deixa você com uma sensação pesada e um gosto de leite que realmente demora para ir embora”.

Segundo Lori, só mesmo pagando para poder beber o tal Vio, que até tem uma bela garrafa, e só. “Espero que eles mudem muita coisa ou abortem o projeto. Vai ser um fiasco maior que a New Coke (lembram?).

Por sorte a Coca-Cola do Brasil não tem nenhuma informação sobre a possibilidade dessa bebida chegar por aqui.

Temos Isso?

Paulo Alvadia 15Algumas pessoas se destacam pela competência, sem a necessidade de aditivos. O coleguinha Marcelo Bastos, jovem repórter de polícia de O Dia é um exemplo. Além de sério, amistoso e competente, ainda é capaz de nos brindar com ótimos textos no seu blog Temos Isso?

Temos Isso? É uma expressão repetida diariamente nas redações de todos os jornais do Brasil e do mundo. É a pergunta que normalmente fazem quando querem saber se estamos com as mesmas informações de algum concorrente ou se temos todos os detalhes de uma história.

No blog, podemos encontrar algumas histórias de bastidores, opiniões e detalhes que não foram publicados. Um dos muitos textos interessantes do blog (que fica com link permanente no menu ao lado) é o que mostra como fazer uma suíte mesmo sem ter nenhuma informação nova. Suíte, para quem não sabe, não é um quarto e um banheiro, mas a continuação de uma história publicada anteriormente.

O manual para uma suíte é perfeito e deixa aquela pontinha de arrependimento por não ter escrito antes dele :p Mas não poderia superar dicas como:

Sempre tem o circuito de câmeras, mesmo que nada tenham filmado. Essa é a mais recente e sempre rende umas linhas a mais para a sua nota.

Marcelo, parabéns pelo belo trabalho e pela escolha da ótima foto que ilustra o blog (da autoria de Paulo Alvadia).

Esses ingleses maravilhosos e suas pesquisas voadoras VII

Estudo relaciona tamanho de dedo a sucesso financeiro

dedo longoO estudo – da Universidade de Cambridge – diz respeito apenas aos operadores financeiros e conclui que algumas características genéticas podem ser importantes para o sucesso. Mas não pensem em nenhuma característica relevante para os olhos dos menos favorecidos cientificamente.

Testosterona seria a causa e a conseqüência mais visível seria o dedo grande:

A medida mais comum para analisar o nível de testosterona a que um feto foi exposto é o tamanho do dedo anular da mão direita: o dedo anular relativamente mais longo indica altos níveis de exposição do feto à testosterona.

dedo e dinheiroGente, pelo jeito nossos intrépidos pesquisadores andaram fazendo algum estágio no Sul do nosso país. Já imaginaram se decidirem que esses rapazes bem dotados seriam bons proctologistas?

Ui!

E logo ao terminar este texto encontro a seguinte pergunta: Por quê não existem mulheres proctologistas realizando o toque retal?

Depois de uma procura que durou meses, continuo sem resposta.

Saiba mais sobre o estudo seguindo o link.

Vasco mais vivo do que nunca

vasco IIILíder e com o mesmo número de pontos que o badaladíssimo Corinthians na mesma Série B de 2008, o Vasco da Gama ainda levou a maior quantidade de torcedores para um jogo da Segundona em toda a história (batendo o próprio Curingão) e batendo o recorde de todas as divisões do Brasileiro de 2009. E depois tem gente que vai ao estádio fritar “Que torcida é Essa?‘ para outras pessoas. 😦 Foram 76.211 pagantes e mais de 79 mil presentes ao Maracanã.

O Ipatinga (que eu vi levar 6 do Cruzeiro no Mineiro do ano passado) era o adversário perfeito para a ocasião. Final: 4 a 0.

Para melhorar mais ainda tudo, São Januário teve sua capacidade aumentada. Assim, poderemos jogar contra os pequenos do Rio na próxima temporada.

Contra a Gripe Suína, cama!

noite de sono IEm tempos de gripe suína (gripe A é o kct) e um friozinho insistente, nada melhor que seguirmos ordens médicas para evitar a contaminação. A Universidade Carnegie Melon, em Pittsburgh (USA) descobriu que Dormir menos de oito horas por dia torna o organismo vítima fácil do vírus da gripe.


Isso significa que as oito horas regulamentares de sono, além de descansarem ajudam o sistema imunológico. O mais legal é que para chegar a essa conclusão eles tiveram que infectar os voluntários que participaram do estudo. Isso deve dar dinheiro e vou procurar saber se as universidades brasileiras também pagam.

Bem, vou aproveitar a deixa e ir dormir. Inté.

Mais sobre a pesquisa, aqui.

O mundo está louco e o Naked Cowboy quer ser prefeito de Nova York

naked cowboyQuem já passeou pelo Times Square já esbarrou com ele. Pode ser um dia lindo de sol ou um miserable day (expressão usada para dizer que está um frio da porra) que ele não falha. Uma figura de pele branca, usando apenas um chapéu e um violão, botas e sunga. O louco Naked Cowboy, que já virou atração turística da cidade e que sempre anima os que aguardam na fila do TKTS.

O estranho é que esse dublê de cantor, palhaço e animador, também é pastor e, seguindo a tradição, ficou ambicioso e agora quer ser prefeito da cidade mais importante do mundo. Ok, Clint Eastwood também já foi prefeito, mas da cidadezinha de Carmel-by-the-Sea, na Califórnia. Digamos que o orçamento das duas cidades é um pouco diferente.

Bem, não moro lá, mas fico imaginando como dever ser ter um pastor-cowboy peladão comandando os rumos da cidade. Será?

Mães, avós e respeito

Avó Margarida IDesde fevereiro que venho enrolando para publicar este post. Passou o Dia das Mães e também não me animei. Só mesmo após rever o belo clipe de Veronica (Elvis Costello) que me animei em dar os toques finais no texto. Espero que gostem.

Mãe é tudo igual, só muda de endereço. Essa frase, batida e bem gasta, nunca vai sair de moda. Mães e avós (que são mães em dobro em todos os quesitos melosos) são tesouros que devemos saber preservar. De nada adianta trabalho e ganhos se não tivermos tempo para agradar, curtir e conviver com elas.

Ter uma avó viva é uma dádiva e saber que, apesar de todo o trabalho que um idoso pode representar, tirá-la do seu habitat pode significar sua morte em questão de poucos meses. Mandar a pessoa para um retiro e tirá-la do convívio de parentes e amigos não parece uma decisão de alguém que realmente se importe. Essa lição me foi passada pela irmã Eny Miranda e sinto pelos que não têm alguém para dizer a mesma coisa e que acabam se arrependendo.

Rezar não adianta, caso nossas atitudes não ajudem.

Avó Margarida IINo início do ano mais uma prova de que carinho e amor precisam mesmo serem demonstrados e não apenas verbalizados. É preciso atitude e sacrifício para comprovar o amor. É preciso respeito pelo ser humano para mantê-lo entre nós. É preciso respeito pelo próximo para poder entender e merecer algum reward. É preciso respeito!

Cuidar de mães e avós é daquelas tarefas que dizem ao mundo muito do que somos. Algumas vezes olho para os lados e para trás e fico impressionado como algumas pessoas podem ser burras em determinados momentos  de suas vidas. Cabelos brancos deveriam inspirar.

Não pretendo viver até ficar muito velho, mas espero que minha mãe e minha avó (que está quase lá) passem fácil dos 100.

Beijos para elas e para toda a família Oliveira.

F(r)ases da Vida: Um ano e mais de 50 mil visitas

Dia 17 de agosto de 2008 criei o F(r)ases da Vida para colocar uma série de textos antigos e reflexões que tinha (e ainda tenho) acumulados. As Ilações inúteis, reflexões sobre o nada e coisas mais sérias, seriam um contraponto ao que era publicado no Mistura Interativa, blog que mantinha no site do jornal O Dia e que terá seus textos republicados em breve.

A idéia era resgatar os textos antigos, publicar escritos de amigos que admiro, fazer algumas reflexões e nunca me preocupar com o politicamente correto, podendo postar bizarrices e dar opiniões menos jornalísticas.

Nestes 12 meses me atualizei em alguns conceitos de SEO (otimização de sites) e fiz o máximo para NÃO utilizá-las no blog. Isso, para mim, é para ser usado por profissionais responsáveis pela administração de sites com algum objetivo econômico. Conseguir grandes audiências nunca foi o objetivo do F(r)ases (pelo menos não com essas técnicas artificiais). Por isso, foi muito bom ver a evolução do blog alcançando mais de 50 mil visitantes únicos, com uma média de mais de 7,5 mil pessoas por mês, sem estar atrelado a um portal e usando apenas o poder das palavras (no caso, das frases).

Os assuntos são variados, sendo que receitas e Beatles não poderiam faltar e o ranking dos 15 posts mais lidos eu coloco abaixo (com link).

Algumas mudanças prometidas ainda estão sendo preparadas (a nova playlist, por exemplo), mas a imagem do site foi mudada e pela primeira vez não é da fantástica Eny Miranda. A atual é de autoria de Nilo Lima.

Obrigado a todos que passam por aqui para dar uma olhada nos meus humildes escritos.

Até 2010.

Os posts mais pop:

Amigos: esses bichos estranhos
O mau-humor dos críticos musicais
Agenda de shows internacionais 2009
As 10 melhores frases ‘insultantes’ de House
Atum com crosta de gergelim e molho teriyaki
Músicas de novelas dos anos 70
Perigo: Querem estatizar a caipirinha!
Omelete de Forno
Austrália, a grande furada
Benito di Paula: Gravação de DVD – 17/7/09
Bolinho de Arroz com Cheiro-verde
Setorista de Paula Toller, não!
Esses ingleses maravilhosos e suas pesquisas voadoras V
Kiss: Dia de máscaras na Apoteose
Os olhos podem enganar, o sorriso mentir, mas a verdade vem sempre com os sapatos

Dia do Canhoto (13/8)

anything letf handedCom o habitual atraso venho comemorar o Dia do Canhoto, esses 6% da população que fazem a diferença. Infelizmente os canhotos recebem algumas definições injustas. Nos dicionários, encontramos canhoto com o sinônimo informal de diabo. A palavra sinistro refere-se também a canhoto, sendo sinistrismo o uso predominante da mão esquerda. 😦

Para piorar, apesar do destaque dos canhotos em todos os campos – artes principalmente – sofremos para realizar muitas tarefas cotidianas e simples para a maioria dos mortais. Abrir uma lata, tirar um rolha, apertar o botão da máquina fotográfica…um custo.

Alguns (muitos) anos atrás os canhotos cariocas podiam se bandear e comprar apetrechos numa ótima loja em Copacabana chamada Só Canhotos. Fechou, deixando muitos órfãos.

relógio para canhotosNão foi surpresa que ao ir para a Inglaterra  muita gente me pediu para ir na Anything Left-Handed, uma pequena mas simpática loja no Centro de Londres, onde há tudo para quem usa a mão esquerda como default.

Abridores de lata foram os principais pedidos, mas foi interessante ver réguas, aontadores e ate relógios para canhotos. Sinal de respeito de um povo civilzado. :p

Preciso ir lá de novo…..

Atualização de 2012: A loja física fechou e agora só se pode comprar pela internet.

Ai, ai, ai, ai, ai

Uma amiga disse adorar as composições de Ivan Lins, mas considera algumas de suas letras meio…estranhas. Discordo!

Uma das razões é a canção abaixo.

Ai, ai, ai, ai, ai
Composição: Ivan Lins / Vitor Martins

Nosso amor é uma verêda
Onde a lua se derrama
Somos lenha e labarêda
Uma paixão em plena chama…

Sei que a vida tá brabeira
Tanto amor na corda bamba
Que alegria é passageira
Frágil como porcelana…

É às vezes tudo é lindo
Às vezes tudo engana
Maaaaaaaaaass!
Basta um beijo teu e eu
Ai, ai, ai, ai, ai, ai…(2x)

Pudera!
Você é o grande amor
Da minha vida…(2x)

Baile, festa ou domingueira
Saca a banda, vem me chama
Pr’essa salsa brasileira
Meio Rio, meio Havana…

Dança roda e serpenteia
Ou me leva então prá cama
Ao som de Guantanamera
Noches de Copacabana…

É às vezes tudo é lindo
Às vezes tudo engana
Maaaaaaaaaass!
Basta um beijo teu e eu
Ai, ai, ai, ai, ai, ai…(2x)

Pudera!
Você é o grande amor
Da minha vida
Ai era! Você é o grande
Amor da minha vida…(2x)

É às vezes tudo é lindo
Às vezes tudo engana
Maaaaaaaaaass!
Basta um beijo teu e eu
Ai, ai, ai, ai, ai, ai…(2x)

Pudera!
Você é o grande amor
Da minha vida
Ai era! Você é o grande
Amor da minha vida…

Ivan Lins e Claudio Lins: 1+1 (13/8/09)

Atualizado em 24/8/09

Ivan e Claudio Lins 2 - SHOW - Foto Giselle CostaMomentos antes de sair para a estréia do espetáculo 1+1, de Ivan e Claudio Lins no Teatro Rival, um amigo escreveu que devíamos fugir deles. Pura maldade musical de um roqueiro.

Ian Lins é um dos músicos e compositores mais talentosos do Brasil e dono de uma obra reverenciada por artistas que vão do jazz ao pop, passando pelo clássico, em todas as partes do mundo. Suas canções tem uma assinatura única, que mistura harmonias complexas com letras e quebras rítmicas extremamente singulares. Já Claudio Lins segue, no seu segundo e bom CD, Cara, mostra um poder vocal maior que o do pai e composições que, apesar de pessoais, não negam o DNA da familia.

O espetáculo, que segue um roteiro muito mais normal em shows estrangeiros, onde a direção dita os diálogos e torna tudo menos natural (o que pode ser mudado ao longo da temporada de seis apresentações) parece um aprimoramento do que Ivan havia feito no mesmo Teatro Rival, em 15 de junho, acompanhado pela mesma banda – Téo Lima (bateria), Nema Antunes (baixo), Leonardo Amuedo (guitarra), Marco Brito (teclados) e Marcelo Martins (sax e flauta) – e apresentando um repertório baseado no CD Ivan Lins & The Metropole Orchestra (Biscoito Fino).

A reunião de pai e filho (pela primeira vez) é extremamente prazerosa. As canções de Ivan ganham novos arranjos que dão frescor a sucessos bastante conhecidos,  enquanto Claudio mostra talento e domínio de palco nos momentos solo e dá um tom mais carinhoso quando canta em pé ao lado do pai.

Mesmo com a bela história de como Vitoriosa foi composta (com a ajuda de Claudio) sendo uma repetição quase fiel do texto contado em junho e alguns momentos onde pede a participação do público parecerem inoportunos, é mesmo Ivan quem emociona mais o público com Lembra de mim, A Gente Merece Ser Feliz, Madalena e Ai, ai, ai, ai, ai, ai – uma das melhores do espetáculo.

A maldição da mudança de mesa

Neste momento uma pausa na crítica do show para uma história não muito feliz. Depois de três anos de freqüência quase semanal no Rival, quase sempre na mesma mesa (que quase já tem meu nome escrito nela, fiquei surpreso ao ver que estava na mesa ao lado da tradicional. Logo ao pegar meu convite também fui surpreendido com uma mulher falando alto e carregando um violão, algo pouco recomendado para um lugar onde as mesas são tão próximas, o espaço não muito grande e não há guarda volumes. Claro que ela e seu acompanhante ficaram na mesma mesa que eu, mas isso era só o começo. O seu companheiro, que logo questionou se a mesa não seria apenas para eles (detalhe: entraram depois de mim) se mostrou logo uma mala-sem-alça e um poço de falta de educação e simancol.

Começa o espetáculo e logo na primeira canção começa uma conversa em voz alta que iria atrapalhar todos os momentos onde os arranjos mais jazzísticos ficariam prejudicados pelo bate papo do casal mala. Só não entendo o porquê do silencio nos intervalos entre as canções. O homem parecia querer despejar um suposto conhecimento musical que só podia ser no intuito de impressionar sua acompanhante, que cismava em cantar todos os refrões, para mostrar seus dotes vocais. Alias, era deprimente a cara de desespero dele em não ter com quem falar durante todas as três vezes que ela levantou para ir ao banheiro (inconveniente tem que aproveitar todas as oportunidades, né?).

Gente, vão procurar um quarto ou alugar um DVD onde podem falar alto, comentar, vomitar conhecimento sem atrapalhar ninguém. Que inveja da educação da mesa onde estava Mauro Ferreira.

O show vai continuar

Ivan e Claudio continuam suas apresentações nos dias 20, 21 e 22 (quinta, sexta e sábado) e De Daquilo que eu sei, que inicia o espetáculo ate Madalena (numero de encerramento) a dupla consegue alegrar corações e elevar espíritos com sua boa musica. Com pequenos ajustes e um maior entrosamento nos momentos dirigidos, 1+1 tem tudo para se tornar um dos grandes momentos do ano.

Eu vou precisar ir novamente ao Rival para ouvir com calma as nuances dos arranjos.

Segunda chance

Estava certo. A segunda ida ao Rival foi bem mais prazerosa. O show estava mais acertado, o silência ajudou e até uma pequena mudança na lista de canções foram decisivos para pode dizer: Quando puder, não perca a chance de ver Ivan e Claudio.

Alguns diálogos foram cortados, deixando apenas uns poucos momentos instrumentais como gordura a ser cortada.

Sai de alma lavada.

A fé move montanhas?

Nunca fui tão otimista para acreditar que a fé pode tudo, da mesma forma que nunca fui tão discrente para duvidar disso. Só sei que rezar apenas não melhora ninguém.

Abaixo uma pequena prece.

Running On Faith
Jerry Lynn Williams

Lately I’ve been running on faith
What else can a poor boy do?
But my world will be right
When love comes over you

Lately I’ve been talking in my sleep
I can’t imagine what I’d have to say
Except my world will be right
When love comes back your way

I’ve always been
One to take each and every day
Seems like by now
I’d find a love who cares just for me

Then we’d go running on faith
All of our dreams would come true
And our world will be right
When love comes over me and you

Then we’d go running on faith
All of our dreams would come true
And our world will be right
When love comes over me and you
When love comes over you


Chutado da cabeça aos pés

pe na bunda1Algumas canções são tão bonitas que não merecem ficar escondidas no Lado B de um compacto ou como faixa extra de um CD single. Alguns gênios parecem precisar que vasculhemos suas obras para encontrar o que queremos dizer.

O mestre dos mestres das canções de amor ocasionalmente também fala das desilusões que temos pelo caminho.

Vida longa, Paul McCartney.

Kicked Around No More
Paul McCartney

Take my blessings with you when you go,
I don’t wanna know no more.
Head to toe, from top to bottom
I’ve been kicked around,
Don’t wanna be kicked around no more

I’ll be thinking of you when you go,
Take a walk along the shore.
Why should I pretend that nothing is the matter now?
Don’t wanna be kicked around no more

My life could be so sweet,
I can’t remember when I started running.
The water underneath the bridge can’t keep a secret,
She’s still running home.

Take my blessing with you when you go,
To the next one you adore, ooh.
Head to toe, from top to bottom
I’ve been kicked around,
Ain’t gonna be kicked around no more

Don’t wanna be kicked around,
Ain’t gonna be kicked around,
Don’t wanna be kicked around no more.

My life could be so sweet,
I can’t remember when I started running.
The water underneath the bridge can’t keep a secret,
I’m not running now.

Take my blessing with you when you go,
I don’t wanna know no more.
Head to toe, from top to bottom
I’ve been kicked around,
Don’t wanna be kicked around no more

Les Paul: Morre o Pai da guitarra elétrica

les paul IIEm março deste ano escrevi um texto em homenagem ao Pai da Guitarra Elétrica, Les Paul. Hoje, 13/8/2009, vem a notícia da sua morte. Eu, o rock e a música estão de luto. Espero que os órgãos de imprensa e musicos (no Brasil e no mundo) sejam do tamanho do talento e inventividade desse visionário criador de heróis.

Mais sobre a morte de Les Paul, aqui e aqui.

Baile do Simonal: Uma homenagem merecida

SimoninhaA Simonalmania parece que não vai mesmo ter fim. E olha que isso está longe de ser ruim. Depois de anos sendo considerado maldito, de ter suas músicas praticamente banidas das rádios e shows – fazendo com que muitas delas fossem parcialmente esquecidas, a obra do artista volta com força total.

O movimento de resgate de Simonal, que começou após o lançamento do documentário (ainda em cartaz) Simonal – Ninguém sabe o duro que dei, dirigido por Claudio Manoel, Calvito Leal e Micael Langer, culminou com a festa que aconteceu ontem (11/8) no Vivo Rio: O Baile do Simonal.

Caetano Veloso 08A noite, que poderia ter sido mais bem escolhida para não concorrer com a gravação do DVD de Dona Ivone Lara (Canecão) e com a transmissão de um jogo do Vasco (O Sentimento Não Pode Parar), foi de muita alegria e diversão. O elenco de artistas era ótimo e a seleção de canções foi extremamente feliz. Produzido Max de Castro e Simoninha, filhos do cantor, O Baile do Simonal era a gravação de um CD e DVD que será lançado em outubro pela gravadora EMI.

martinalia 02A gravadora, também responsável pela produção do DVD de Benito di Paula (gravado no mesmo Vivo Rio) parece não ter apostado tanto no projeto. Pelo menos aparentemente, foram menos câmeras do que as usadas no show de Benito, além da ausência da grua.

Um show que valeu por 2,5

Os muitos pontos altos constrastaram com algumas escolhas equivocadas, que causaram estranheza. A má performance de Ed Motta foi totalmente compensada pela alegria de Mart´nália, a leveza de Caetano Veloso e a energia dos Paralamas do Sucesso. Entretanto, foram Fernanda Abreu, Frejat e Seu Jorge – vestido como crooner de algum antigo grupo vocal da Motown – quem proporcionaram os melhores momentos da noite.

Como toda gravação de DVD, a coisa se estendeu. Cada artista repetiu seu numero pelo menos uma vez (Mart’nália foi a única que cantou três vezes) fazendo com que o final do espetáculo acontecesse bem depois de 1 da matina.

Foram muitas emoções e foi bonito ver e ouvir que a música de Simonal (boa, sem qualquer tipo de polêmica) pode novamente viver entre nós.

Além de Max de Castro e Simoninha, confira quem participou do Baile:

Paralamas do sucesso 02Diogo Nogueira (Tá Chegando a Hora), Ed Motta (Lobo bobo), Samuel Rosa (Carango), Maria Rita (Que maravilha), Mart´nália (Mamãe passou açúcar em mim), Marcelo D2 (Nem vem que não tem), Caetano Veloso (Remelexo), Rogério Flausino (Meia volta Ana Cristina), Fernanda Abreu (A tonga da mironga do kabuletê), Roberto Frejat (Vesti azul), Os Paralamas do Sucesso (Mustang cor de sangue), Orquestra Imperial (Terezinha), Sandra de Sá (Balanço Zona Sul), Exaltasamba (Na ganha do cajueiro), Alexandre Pires (Sá Marina) e Seu Jorge (País Tropical).

Fotos: Ag.News

Novo blog no mundo: O Jantar Está Servido

o jantar esta na mesaFinalmente minha amiga Cláudia Holanda resolveu escrever e mostrar seus textos e dividir suas experiências com o mundo.  Linda, inteligentíssima, cantora das melhores, Claudiaum é daquelas pessoas que arrebatam paixões por onde quer que passem.

O Jantar Está Servido é uma agenda das explorações gastronômicas dessa jornalista. Espero que gostem.

Rolling Stones remasterizados – Parte II

Some Girls, Emotional Rescue, Tatoo You e Undercorver

some girlsOs últimos anos da década de 70 foram ‘estranhos’ no mundo da música. Punk e Disco se misturavam e os grandes grupos – neste momento já entrando na categoria dinossauros – se desfazendo. Os Rolling Stones, no meio disso tudo, se mantinham como a maior banda de rock do planeta. Foi assim tambpem no início dos anos 80.

Is there nothing I can say
Nothing I can do
To change your mind
Im so in love with you

Lembrando cada disco

Depois da primeira leva de remasterizações – Sticky Fingers, Goats Head Soup, It’s Only Rock’n’Roll e Black and Blue – a Universal descarrega nas lojas mais quatro dos 14 relançamentos previstos do catálogo do grupo – Some Girls, Emotional Rescue, Tatoo You e Undercorver. Os quatro são discos que moldaram o que os Stones são hoje – com várias músicas ainda fazendo parte do setlist de qualquer dos seus shows.

The preacher said, “You know you always have the
Lord by your side”
And I was so pleased to be informed of this that I ran
Twenty red lights in his honor
Thank you Jesus, thank you lord

Some Girls (1978) é o pega o início da fase disco de Jagger e Richards, com músicas como Miss Yoo. O disco tem também o country Far Away Eyes (com direito a vídeo clipe), a excelente cover de Just My Imagination (muito melhor ao vivo) e o sucesso (nos EUA) Beast of Burden (mais tarde regravado por Betty Middler com participação de Mick Jagger no clipe promocional). Some Girls sempre me pareceu um disco de transição, apesar da entrada de Ron Wood e das mais de 6 milhões de cópias vendidas. Desde o fim dos vinis sinto que a obra perdeu muito do seu charme. Só quem viu a capa em vinil entenderá o que quero dizer.

So if you’re down on your luck and you can’t harmonize, Find a girl with far away eyes, And if you’re downright disgusted and life ain’t worth a dime, Get a girl with far away eyes

Nota: 8,5

emotional rescueEmotional Rescue (1980) nunca foi dos meus preferidos, apesar de conter duas canções essenciais: A faixa-título e o rockão, curto e grosso, She´s So Cold. Apesar de ter uma identidade dance, o disco fez muito sucesso, fazendo com que o grupo prepara-se o que seria a sua maior turnê até então, que aconteceria em 1981. Sempre que ouço acho um desperdício que a melhor cozinha do rock tenha sido usada para segurar riffs dance. Durante as sessões de gravação várias sobras foram deixadas de lado e usadas no álbum seguinte.

Assim como Some Girls, Emotional Rescue foi gravado praticamente com a participação de apenas os membros do grupo, com a adição de Nicky Hopkins, Ian Stewart, Bobby Keys (sax) e Sugar Blue (harmonica).

Nota: 7,5

Lord, I’ll find out anyway
Sure as Hell I’m going to find that girl someday
Till then I’m worried
Lord, I just can’t seem to find my way

tatoo youO último grande trabalho

E, para ter material ‘novo’ para a turnê (1981), o grupo decidiu lançar um novo trabalho. Como não tinham muito tempo, os Stones decidiram reciclar as sobras de vários trabalhos e das 11 músicas, apenas 2 podem ser consideradas inéditas. Inacreditavelmente, Tatoo You é considerado – e é mesmo – um dos melhores e mais coesos discos da banda. Talvez a sua última grande obra.

A decisão de colocar rocks no lado A e baladas no lado B (meninos, pensem em vinil e lembrem que antigamente os discos eram pensados para serem ouvidos em uma seqüência determinada). Start Me Up, Hang Fire, Neighbours e Little T&A, todas outtakes dos discos Emotional Rescue, Goats Head Soup, entre outros, são obras primas da confusão musical que caracterizava o som da banda. Difícil dizer se as baladas estão no lado B por serem consideradas menos interessantes que os rock (o que não é verdade) ou por algum tortuoso raciocínio artístico. Afinal, como explicar que músicas como Start me Up ou Waiting On a Friend e Tops – as duas últimas gravadas em 1972 – ficassem nos arquivos por anos?

Waiting On a Friend, por exemplo, teve parte dos seus direitos passados para Mick Taylor, responsável pelas guitarras dessa e de outras canções. O clipe da música tem a participação especial de Peter Tosh e uma locação que deve ser conhecida dos fãs do Led Zeppelin.


O disco também foi recheado de participações especiais como as de Pete Townshend, Billy Preston e, principalmente, do saxofonista de jazz Sonny Rollins, que abrilhanta Slave, Neighbours e Waiting On a Friend.

Nota: 10

Don’t need a whore
I don’t need no booze
Don’t need a virgin priest
But I need someone I can cry to
I need someone to protect
Making love and breaking hearts
It is a game for youth

Descendo a ladeira

undercoverLançado em 1983, depois de dois excelentes discos e uma super bem-sucedida turnê, Undercover foi uma decepção, apesar do sucesso comercial. Talvez pelo início de um momento conturbado na relação entre Mick Jagger e Keith Richards ou pelo surgimento da MTV e o uso de um produtor externo (Chris Kimsey), a verdade é que a safra de canções não seguiu o nível dos lançamentos anteriores.

Com canções que iam do rock ao reggae passando pela new wave e dance, Undercover parece sofrer exatamente pela variedade. Falta coesão. Pontos altos: Undercover Of The Night e She Was Hot.

Nota: 6,5

Sometime I wonder why you do these things to me
Sometime I worry girl that you ain’t in love with me

Quem já comprou algum relançamento dos Stones pode achar que mais uma remasterização será preciosismo. Não é, acredite. A próxima leva terá: Steel Wheels, Voodoo Lounge, Bridges To Babylon e A Bigger Bang.

Até lá!

Balela: Amantes e grandes amigos

It really can help if your lover is also your best friend. Well, not your only best friend, but certainly one of the closest friends you have.

lovers and friendsColocações como essa são importantes para entender o American Way of Life e muito da sua cultura, impregnada no cinema, música e TV, aos quais somos expostos todos os dias.

É importante entender esse conceito para compreender que nós não somos assim. Que esse tipo de pensamento não é algo imprescindível em terra brasilis.

No Brasil não é raro ouvir: “Não, não posso sair com ele(a) porque ele(a)  é meu amigo(a)”. Relacionamentos não se baseiam em amizade (ainda bem), só transas ocasionais, para momentos de solidão.

Mas, quem admite que há solidão?