Arquivo da tag: Economia

Esporte Interativo acaba e demite jornalistas

Canais, donos dos direitos de transmissão dos jogos da Liga dos Campeões da Europa, deixam de existir e dispensam mais de 100 pessoas


Pelo jeito agosto não está mesmo sendo um bom mês para o jornalismo. Depois do fechamento da sucursal carioca da IstoÉ e do fim de 11 títulos da Editora Abril e de centenas de demissões, a bola da vez é o fim dos canais EI (Esporte Interativo), anunciado nesta quinta-feira (9 de agosto).

Telespectadores frustrados

Detentora dos direitos de transmissão dos jogos da Liga dos Campeões da Europa e alvo de uma comoção não tão distante entre os clientes de algumas operadoras de TV a cabo para a sua inclusão na grade de programação, o fim do Esporte Interativo frustra os telespectadores que acreditaram no projeto.

Jornalistas demitidos

Apesar da promessa da Turner – controladora dos canais – de manter a marca nas redes sociais, o resultado prático do encerramento das atividades dos canais do Esporte Interativo é a demissão de mais de 100 pessoas, muitas delas jornalistas, que vão se juntar aos já dispensados pela Abril e pela Editora Três.

Programas como Jogando em Casa, Mais 90, Melhor Futebol do Mundo e Dois Toques, deixaram de ser produzidos, fazendo com que a programação – que será exibida até setembro – seja um looping do programa No Ar.

Champions League e Brasileirão

Os jogos da Liga dos Campeões da Europa (pelos próximos três anos) e do Campeonato brasileiro (até 2024) serão distribuídos pela programação dos canais TNT e Space, que fazem parte do mesmo grupo.

Talvez o projeto tenha sido ambicioso demais, mas tenho certeza de que uma reengenharia menos radical poderia mudar o rumo da marca EI.

Voltar a transmitir os jogos em canais sem nenhuma identidade com Esporte não parece interessante ou inteligente.

Animados com o futuro?

A nota oficial enviada aos funcionários chega a ser surreal. Não fala em demissões e, em determinado trecho, se diz animados com o futuro. Mais um caso de jornalismo indo pela privada.

A nota oficial

Nós do Esporte Interativo/Turner, agora uma afiliada AT&T, anunciamos hoje que estamos migrando a nossa programação de TV com o futebol nacional e internacional para as marcas TNT e Space. A Turner continua comprometida com a Liga dos Campeões da UEFA pelas próximas três temporadas, iniciando as transmissões a partir deste mês. Além disso, a partir do ano que vem, começaremos a transmitir a série A do Campeonato Brasileiro até 2024.

Os canais do Esporte Interativo na TV serão desativados nos próximos 40 dias e deixaremos de transmitir competições que nos orgulhamos muito durante os últimos anos. Entretanto, as nossas atividades no mundo digital seguem firmes, e continuaremos levando a emoção que o Brasil merece pra vocês através do nosso Facebook, Instagram, Youtube, Twitter, EI Plus e qualquer outra plataforma digital em que os apaixonados por esporte estejam presentes.

Não dá pra negar que estamos tristes com o fim dos canais Esporte Interativo na TV, mas ao mesmo tempo estamos ansiosos e animados com o futuro, em que estaremos todos os dias na TNT e Space, com as mesmas narrações, comentários e brincadeiras que nos acostumamos a ouvir nos últimos 11 anos. E claro, seguiremos juntos, diariamente, com a nossa família de mais de 20 milhões de fãs nas redes sociais. Muito obrigado pelo apoio de sempre.

Contamos com vocês nessa nova caminhada. Tamo junto!

Anúncios

Abril fecha 11 títulos e demite centenas de jornalistas

“Reestruturação operacional” inclui o fechamento de revistas como Boa Forma, Casa Claudia e Veja Rio


Faz poucos dias falei do fechamento da sucursal carioca da revista IstoÉ e de mais uma mudança no comando do Grupo Abril. Ontem (6 de agosto de 2018) os mundos empresarial e jornalístico foram surpreendidos pelo anúncio do fechamento de 11 títulos e da demissão de centenas de colaboradores da Abril.

Veja Rio, Boa Forma, Casa Claudia, Casa Cor, Arquitetura & Construção, Bebê.com.br, Casa.com.br, Cosmopolitan, Elle, Minha Casa e Mundo Estranho são as publicações descontinuadas e, segundo informações não confirmadas pela empresa, um número entre 200 e 500 colaboradores foram demitidos, centenas deles jornalistas.

Falta de visão

Ainda vai demorar um tempo para digerir mais uma decisão que parece privilegiar o caminho mais fácil (cortar e demitir) do que o que me parece certo –  modernizar as práticas dos departamentos comerciais e investir em profissionais especializados em jornalismo online ou em profissionais experientes que tenham o perfil para se adaptar à nova realidade do mercado.

Justificar os cortes e demissões pela “realidade econômica do país e o atual mercado de comunicação” é de uma simplicidade de dar dó. Em nenhum momento se fala em modernização da área comercial ou em mudanças nas linhas editoriais.

Para piorar, há fortes rumores de que as redações restantes ainda vão sofrer parrudos cortes de pessoal.

Lamentável!

A nota oficial da Abril

 


Abril anuncia reformulação

O Grupo Abril comunica que, como parte do seu processo de reestruturação, está reformulando o portfólio de marcas da editora com o objetivo de garantir sua saúde operacional em um ambiente de profundas transformações tecnológicas, cujo impacto vem sendo sentido por todo o setor de mídia.

O processo tornou-se obrigatório dentro das circunstâncias impostas por uma economia e um mercado substancialmente menores do que os que trouxeram a Abril até aqui.

Com isso, a empresa passará a concentrar seus recursos humanos e técnicos em suas marcas líderes: VEJA, VEJA SÃO PAULO, EXAME, QUATRO RODAS, CLAUDIA, SAÚDE, SUPERINTERESSANTE, VIAGEM E TURISMO, VOCÊ S/A, VOCÊ RH, GUIA DO ESTUDANTE, CAPRICHO, MDEMULHER, VIP e PLACAR. Marcas que somam audiência qualificada de 125 milhões de visitantes únicos por mês e 5,2 milhões de circulação nas versões impressa e digital por mês, além de centenas de eventos.

Aos profissionais que atuaram nos títulos que estão sendo descontinuados, nosso agradecimento pela dedicação e pelo profissionalismo.

Em consonância com sua trajetória e relevância na imprensa brasileira, a Abril reafirma o seu compromisso de manter vivo o jornalismo de qualidade. Uma imprensa forte, livre e idônea em seus princípios é essencial para o desenvolvimento do Brasil e o único antídoto contra desinformação e fake news.

Mudanças no comando do Grupo Abril

Dona de alguns dos maiores títulos da imprensa nacional, a Abril também parece estar sofrendo com “os novos tempos”

Recentemente falei do fechamento da sucursal carioca da revista IstoÉ. Agora, falo sobre a troca de comando do Grupo Abril, dona de títulos como Veja, Quatro Rodas, Viagem e Turismo e Superinteressante, entre muitos outros.

Giancarlo Civita – filho de Roberto Civita, presidente do grupo por décadas – deixa o comando da empresa, passando o bastão para Marcos Haaland, sócio da consultoria Alvarez & Marsal.

Muitas mudanças

A mudança não seria nada de excepcional caso o novo chefe tivesses experiência em algum setor que não o agronegócio, alimentos e petróleo. Para piorar, essa é a terceira mudança no comando da empresa apenas este ano – antes de Haaland estiveram no comando Arnaldo Figueiredo Tibyriça, (especialista em assuntos jurídicos), Walter Longo (publicitário) e Giancarlo Civita.

Para arrematar, a Abril mudou de endereço e de assessoria de imprensa, como parte da nova etapa na reestruturação operacional.

Pelo jeito, há uma certa dificuldade em encontrar um rumo para um dos grupos editoriais mais importantes do país.

Ainda vale a pena comprar celular no exterior

Pesquisa compara os preços dos 21 celulares top de linha no Brasil e nos EUA

Muitos já ouviram histórias de pessoas que viajaram para o exterior para comprar enxovais e muambas para revender. Agora, com o dólar nas alturas e as passagens de avião custando mais e ainda tendo o limite de bagagens diminuído, o cenário mudou, certo? Errado!

Uma pesquisa divulgada recentemente mostra que a carga de impostos brasileira supera toda a instabilidade da nossa economia e a valorização do dólar. A Cuponation, do grupo alemão Global Savings Group, comparou os preços dos celulares de última geração das 6 principais marcas de tecnologia em 5 grandes e-commerces no Brasil, comparado com os preços do e-commerce mais popular dos EUA.

Os preços

Um bom exemplo da diferença de preços é o valor do (ainda) novo iPhone X com 256GB de memória. No Brasil ele custa, na média, R$ 6.453, enquanto nos Estados Unidos ele pode sair por volta de R$ 4.515 (no cartão) e menos ainda (R$ 4.261) se for pago em dinheiro e se livrar da tarifa do IOF. Já o Motorola Moto Z Play com 32GB é vendido por mais de R$ 2.900, lá fora ele custa entre R$ 1.238 e R$ 1.312. Para finalizar, o S9 Plus com 128GB, da Samsung, na terra do Tio Sam, custa entre R$ 3.050 e R$ 3.300, muito mais barato que os R$ 4.600 cobrados por aqui.

Vale a viagem

Com as diferenças apresentadas, se um casal decidir trocar os celulares eles vão poder viajar para os EUA, passar um fim de semana em Nova York, por exemplo, ficar hospedado em um hotel em Manhattan e ainda economizar. A passagem (ida e volta) para NY está custando por volta de R$ 1.795 e, para Miami, R$ 1.668. Um hotel, com café da manhã e happy hour e não muito distante da Times Square custa R$ 1.400 por três dias/duas noites. Dependendo dos modelos escolhidos (pelo menos dois) você paga a passagem e a estadia e ainda sobra um trocado para se alimentar (cachorros-quentes e pizzas).

Conclusão

Esse resultado é uma VERGONHA! Não há explicação para termos preços tão absurdos em produtos que são montados no exterior ou com a maioria das peças fabricadas na China. Se tivéssemos passagens por preços mais justos a situação seria ainda mais desfavorável ao comércio brasileiro. Imaginar que a economia pode ser aumentada se o destino escolhido for Miami ou se o hotel em NY estiver situado fora da ilha, só aumenta a vontade de comprar uma passagem e viajar o mais rápido possível, mesmo que não precise de um celular novo.

PS: Uma pesquisa própria, em lojas e hotéis das duas cidades citadas mostrou que o valor da viagem pode baixar bastante.

IstoÉ fecha sucursal no Rio

Publicação fica apenas com a sucursal do Distrito Federal e a sede, em São Paulo

A IstoÉ, que já foi uma das principais revistas semanais do Brasil, anunciou, este mês, o fechamento da sua sucursal no Rio de Janeiro. Apesar dos ótimos profissionais que já passaram pela reportagem da publicação no Rio, faz décadas que ela vinha sofrendo com a linha editorial e a edição das matérias produzidas na Cidade Maravilhosa. A decisão de acabar com a redação carioca é também mais um alerta da decadência do Rio como cidade e estado.

Crise financeira, a vilã de sempre

Como era de se esperar, a justificativa dada pela Editora Três para a decisão é a crise. A empresa vem sofrendo com o cenário econômico e, nos últimos anos, já extinguiu títulos e promoveu uma série de demissões. Claro que a linha editorial jamais é questionada. Afinal, a queda na reputação da IstoÉ só pode ser um complô e não pode estar relacionada com as escolhas feitas pela direção e pela qualidade da edição dos textos publicados.

Não publicar mais títulos como IstoÉ Gente e Status, que sempre tiveram ótima reputação entre os leitores mostra um descompasso entre o comercial, o editorial e a realidade do mercado. O Comunique-se chegou a informar que a mansão da família Alzugaray, dona da Editora Três, poderia ir a leilão para pagar algumas dívidas.

A IstoÉ mantém (em São Paulo) uma redação com 19 jornalistas. Isso não é pouca gente e reforça a queda na importância do Rio na produção de notícias que não sejam policiais.

Uma pena.

Mais de 61 milhões de brasileiros estão com o nome negativado

Isso somente até fevereiro, mostra estimativa do SPC Brasil e CNDL

Segundo dados do indicador do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) há 61,7 milhões de brasileiros com alguma conta em atraso e com o CPF restrito para contratar crédito ou fazer compras parceladas. Pensando que esse número representa 40,5% da população com idade entre 18 e 95 anos, a preocupação com o futuro das famílias brasileiras é grande, principalmente se levarmos em conta que a região sudeste – a mais rica do país – concentra a maior parte desse contingente.

Faixa etária com maior proporção de negativados é entre 30 e 39 anos

Piorando o cenário, vem a informação de que a maioria das pessoas com problemas está na faixa entre os 30 e os 39, quando, na teoria, a população está no auge da sua força de trabalho. Em fevereiro, pouco mais da metade dos brasileiros nesta faixa etária (51%) tinha o nome registrado em cadastros de devedores. Mas, não há nada que não possa piorar, certo? Então, fique sabendo que 49% das pessoas entre os 40 e os 49 anos também estão nessa situação.

Sudeste e Nordeste na rabeira econômica

Contrastantes em quase tudo no que se refere aos índices econômicos, as regiões Sudeste e Nordeste se encontram tristemente nesse índice de endividados. A região Sudeste concentra a maior quantidade de consumidores com contas em atraso, em termos absolutos: 26,70 milhões – número que responde por 40% do total de consumidores que residem no estado. A segunda região com maior número absoluto de devedores é o Nordeste, que conta com 16,49 milhões de negativados, ou 41% da população.

Já em termos proporcionais, o Norte lidera o ranking, com 46% de sua população adulta incluída nas listas de negativados, seguida do Centro-Oeste, com 42% da população. Na boa, uma situação nada agradável.

Para quem devem?

Os brasileiros devem e, como não poderia deixar de ser, os bancos são os maiores credores, com pouco mais da metade das dívidas, seguidos pelo Comércio (18%), o setor de Comunicação (14%), e de Água e Luz (8%).

Para saber tudo sobre a pesquisa e acompanhar a série histórica, siga o link.

 

Dicas da Copa: Rússia 2018 é o mundial dos apps

Mais que em qualquer outro Mundial, a Copa do Mundo da Rússia vai ser o evento dos apps. Estudos indicam que 4 bilhões de pessoas estarão ligadas na Copa. Anunciantes e marcas (grandes e pequenas) se preparam para batalhas tão intensas quanto as que serão travadas nos gramados. Hoje, há mais de um milhão de smartphones em todo o mundo em comparação com a Copa do Mundo de 2014.

Mais smartphones que PCs

Outra diferença em relação à Copa de 2014 é que 72% do conteúdo relacionado à Copa do Brasil em 2014 foi acessado a partir de computadores. Na Rússia, mais de metade do conteúdo será visto a partir de telefones móveis.

Além dos aplicativos oficiais da Fifa, os apps de notícias esportivas, informações dos jogos em tempo real, mídia social, entrega de comida, transporte, apostas, streaming ao vivo e pagamentos vão ser utilizados pela maioria dos fãs, na Rússia ou não. A lista é gigantesca e fazer qualquer lista de aplicativos é uma ideia que não parece fazer sentido.

Coca-Cola e Itaú são as marcas mais lembradas

Enquanto os apps servem para facilitar a vida dos torcedores e solidificar a presença de algumas marcas, a propaganda tradicional continua sendo uma força imbatível. Em relação à Copa, 78% dos brasileiros lembram de alguma marca, com Coca-Cola e Itaú na liderança, seguidos por Vivo, McDonald´s e Guaraná Antarctica.

O que isso significa? Que o mundo está conectado, que a tecnologia é importante, mas que o tradicional ainda é o foco principal das grandes marcas.

Dica para a Copa: pedir cerveja pelo Facebook

Brahma cria bot para torcedor pedir cerveja em casa durante Copa do Mundo pelo Facebook

A tecnologia é boa quando facilita a nossa vida e a Ambev parece ter feito um gol de placa. Tá, a expressão é batida, mas irresistível. A empresa pegou a Brahma, um de seus rótulos mais valiosos, e bolou uma maneira de não deixar ninguém sem cerveja. Em parceria com o Zé Delivery, vai ser possível comprar e receber a bebida com a ajuda de um bot.

A coisa funciona da seguinte forma: o consumidor vai até o perfil da Brahma no Facebook e fala com o bot colocando o símbolo da mãozinha com o Nº1. Nesse momento o bot leva o consumidor para o site do Zé Delivery, onde vai escolher o pack que quiser receber.

A ferramenta estará disponível até o final da Copa do Mundo, para as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Os preços? Bem, os packs são promocionais e, portanto, tem preços que não podem ser comparados com os vendidos nos supermercados, mas não são absurdamente caros.

Na véspera da Copa, venda de camisas ainda não esquentou no Rio

Saara ainda “calma” na véspera da Copa

Brasil, futebol, carnaval. Tudo parece combinar, mas a crise econômica e o trauma do 7×1 parecem estar freando o ânimo do carioca. Na véspera da abertura da Copa, um passeio pelo Saara (Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega), o maior shopping a céu aberto do Rio de Janeiro, mostrava uma estranha calmaria.

– O movimento ainda não esquentou, mas acho que se o Brasil for bem no primeiro jogo as pessoas vão se animar. Temos mercadoria para todos os bolsos e gostos – diz o gerente de uma das várias lojas com produtos sobre a Copa, que afirmou estar otimista com as vendas, mas preferiu não se identificar.

E, realmente, o que não faltam são opções para quem quer se vestir para a Copa. São muitos modelos, estampas, tamanhos e opções de personalização. Há até camisas comunitárias, para aqueles amigos seis que querem ficar juntos na mesma vestimenta, cada um com uma letra da palavra Brasil. Os preços também são democráticos. Há camisas entre R$ 6 até acima dos R$ 120.

– Vim comprar roupas para toda a família. Quero aproveitar que ainda não há muito tumulto e dá para escolher com calma – disse a aposentada Maria Aparecida, que saiu do Méier para fazer suas compras no centro da cidade.

O Brasil faz a sua partida de estreia no domingo (17), contra a Suíça, e vamos conferir se o Espírito da Copa vai se traduzir em vendas. O Rio de Janeiro, o Brasil e a autoestima do carioca precisam muito de um up.

Bolões da Copa: como você pode ganhar um dinheiro extra

Recebi o texto abaixo e achei muito interessante. Vale conferir o site dos bolões.

A Copa do Mundo está chegando e certamente você já deve ter sido convidado para participar de algum bolão no seu trabalho, grupo de amigos ou em sua própria família. É sempre assim a cada quatro anos: tão tradicional quanto à competição de futebol.

Ele consegue fazer com que uma das maiores paixões do brasileiro – o futebol – fique ainda mais animada com a reunião e as apostas entre amigos. Todos os 64 jogos do Mundial passam a ser interessantes e valem algo – até mesmo dinheiro em alguns casos.

A brincadeira mais praticada é justamente a que envolve a disputa de um valor financeiro entre os participantes. Cada um deles dá um valor combinado previamente e, no fim da competição, quem tiver mais pontos fica com o prêmio.

Entretanto, há grupos que jogam apenas pela diversão, como para determinar quem sabe mais sobre futebol em um determinado grupo. Tudo, é claro, com regras claras que precisam ser determinadas e aceitas por todos antes dos jogos.

Se você ainda não foi convidado para participar de um bolão, não perca tempo e organize você mesmo com seus amigos. É uma forma lúdica e empolgante para acompanhar a Copa do Mundo de futebol. Confira um pouco mais sobre o tema:

Da Polla ao Bolão

Não há uma data precisa para determinar a criação e o surgimento dos bolões. Estima-se que seu aparecimento tenha sido ainda na Antiguidade, ao lado das primeiros jogos que as pessoas faziam umas com as outras.

Porém, a prática ganhou corpo e se desenvolveu na Espanha e nos países de língua hispânica graças à Polla. Esse nome é derivado da palavra inglesa poll, que pode ser traduzida como apuração ou pesquisa de votos.

Aliás, essa é a principal característica que a diferencia de outras modalidades de apostas. Ao invés de escolher números aleatórios, no bolão precisamos fazer prognósticos e definir placares, classificação final e outras variáveis mais complexas e imprevisíveis.

Diversão na casa e no trabalho

O que faz dele ser uma atividade preferida em famílias e empresas é a capacidade de envolver muitas pessoas em um mesmo objetivo. Você pode apostar sozinho na Mega-Sena, mas não pode competir individualmente em um bolão.

Não basta escolher apenas alguns números ou votar em determinados times. Participar dessa brincadeira exige um compromisso grande entre as pessoas, normalmente com reuniões e conversas antes, durante e até depois do evento.

Por conta disso, é uma estratégia estimulada e desenvolvida por muitas organizações para melhorar o clima organizacional entre os funcionários. Ou por famílias que procuram formas de se aproximarem ainda mais.

Quais as regras?

Não há um modelo fixo para as regras. Cada grupo define o melhor regulamento de acordo com o conhecimento, número de participantes, período da competição e as variáveis que desejam prever e acertar.

Um sistema clássico consiste na previsão simples dos placares dos jogos. Os participantes definem o resultado final das partidas que irão acontecer no torneio e ganham um ponto a cada acerto – ou até mais, dependendo do que foi acordado antes do início.

Contudo, é possível criar regras bem mais difíceis, dependendo do interesse das pessoas envolvidas. Elas podem ter que acertar, por exemplo, a pontuação das seleções na primeira fase, os classificados à segunda fase e até estatísticas individuais, como artilharia.

Dinheiro – e experiência – a mais

Além da brincadeira em grupo, a possibilidade de ganhar um dinheiro inesperado também é um atrativo aos participantes. Se for um grupo numeroso, é possível ganhar algumas centenas ou até milhares de reais.

Mas o lado financeiro não é um fator preponderante para as pessoas participarem dos bolões. O que pesa é justamente a possibilidade de incrementar a experiência que elas terão ao acompanharem as partidas de futebol, reunindo amigos e familiares.

Assistir à partida de Copa do Mundo sozinho é uma coisa; acompanhar do lado de quem você gosta é outra bem diferente. Ainda mais se, independente das seleções envolvidas, tiver um lado ou objetivo para torcer.

Não conte apenas com a sorte

A imprevisibilidade também faz parte da rotina do bolão. Não dá para saber realmente quem irá ganhar e quem irá perder na Copa do Mundo. As competições esportivas contam com resultados inesperados – e isso afeta as apostas.

Quem já participou de outras brincadeiras deste tipo certamente presenciou ou soube de casos como o do tio que não gosta de futebol, mas ganhou uma boa grana. Ou da criança que desbancou os adultos e fez mais pontos. Mas não se engane: não dá para contar com a sorte.

Como envolve prognósticos, quem tiver mais conhecimento sai na frente nesta disputa. No caso da Copa do Mundo, é recomendável conhecer futebol, saber os atletas convocados e quais seleções são favoritas em cada grupo.

Quanto mais informação você tiver em mãos, mais fácil fica identificar possíveis surpresas, jogos com placares mais elásticos e os principais favoritos ao título. A imprevisibilidade ainda estará lá, mas você certamente entrará mais preparado.

Há várias formas de participar

Quer participar ou organizar um e não sabe como? Não se preocupe. Há várias formas de criar e mobilizar um grupo. O mais comum, claro, é fazer tudo manual, com cada um preenchendo diferentes tabelas e, depois, realizar a checagem dos resultados.

Mas o avanço da tecnologia permitiu que até essa simples atividade fosse automatizada. Hoje há sites que realizam bônus sem depósito e podem ajudar você a criar seu grupo de bolão para a Copa do Mundo de futebol em 2018.

Fonte: Seo Marketing

 

Os músicos mais ricos do Reino Unido

Adele e Paul McCartney estão na lista dos mais ricos. O velho Sir Macca é o primeiro colocado

Antiguidade é posto. A frase é antiga e batida, mas se encaixa perfeitamente no contexto dos músicos mais ricos do Reino Unido. Berço do melhor do rock (e outros ritmos) desde os anos 60, Inglaterra e adjacências também produziram alguns dos mais bem-sucedidos artistas do planeta. E, embora os mais jovens desdenhem do som que marcou e até hoje influencia o mundo, a maioria dos nomes é da velha guarda, com alguns que nem são tão levados a sério como talentos, mas que estão lá, marcados na história. Assim, membros dos Beatles, Stones, Pink Floyd e Queen, por exemplo, estão lá no topo da lista.

O ranking, produzido pelo jornal Sunday Times, é feita levando-se em conta vários fatores como terras, propriedades, bens móveis e ações em empresas públicas. Os valores guardados nos bancos não entram nessa conta. As cifras estão na moeda da Terra da Rainha (libras esterlinas), claro.

Chupa, garotada!

PS: O valor da libra está quase R$ 5

Os nomes e as cifras:

Eric Clapton, com £ 175 milhões, está na posição 12

1. Paul McCartney e Nancy Shevell – £ 820 milhões
2. Lord Lloyd Webber – £ 740 milhões
3. U2 – £ 569 milhões
4. Elton John – £ 300 milhões
5. Mick Jagger – £ 260 milhões
6. Keith Richards – £ 245 milhões
7. Olivia e Dhani Harrison – £ 230 milhões
8. Ringo Starr – £ 220 milhões
9. Michael Flatley – £ 202 milhões
10. Sting – £ 190 milhões
11. Rod Stewart – £ 180 milhões
12. Roger Waters – £ 175 milhões
12. Eric Clapton – £ 175 milhões
14. Robbie Williams – £ 165 milhões
15. Tom Jones – £ 163 mihões
16. Tim Rice – £ 152 milhões
17. Ozzy Ousbourne e Sharon Ousbourne – £ 145 milhões
18. Adele – £ 140 milhões
18. Calvin Harris – £ 140 milhões
18. Charlie Watts – £ 140 milhões
21. Brian May – £ 135 milhões
22. Roger Taylor – £ 130 milhões
23. Jimmy Page – £ 125 milhões
24. Phil Collins – £ 120 milhões
25. David Gilmour – £ 115 milhões
26. Robert Plant – £ 105 milhões
26. John Deacon – £ 105 milhões
28. Enya – £ 104 milhões
29. Chris Martin – £ 94 milhões
30. Nick Mason – £ 92 milhões
31. Pete Townshend – £ 82 milhões
31. Will Champion – £ 82 milhões
31. Jonny Buckland – £ 82 milhões
31. Guy Berryman – £ 82 milhões
35. Ed Sheeran – £ 80 milhões
35. Gary Barlow – £ 80 milhões

 

Uma versão deste texto foi publicada na Revista Ambrosia

As cervejas preferidas dos torcedores brasileiros

Que o brasileiro gosta de cerveja todo mundo sabe. Que muita gente reclama que a Ambev pasteurizou o sabor de várias marcas tradicionais, também é verdade. Porém, saber quais marcas são as preferidas dos brasileiros na hora de ver uma partida de futebol pode ser fundamental na hora de reunir os amigos para assistir a um jogo da Copa.

Um levantamento do aplicativo Snapcart, em parceria com a agência de marketing esportivo Sport Track, mostrou que as campeãs de venda – Brahma, Skol e Itaipava – continuam sendo as preferidas dos beberrões.

Rio x São Paulo

O estudo pesquisou torcedores das 14 maiores torcidas do Brasil para saber qual marca é a preferida dos fãs de cada time. Por uma pequena margem (0,2%) a Brahma ficou na liderança com 20,2%, seguida pela Skol (20%) e deixando a Itaipava em terceiro, com 14,4% da preferência. Não sei como a Antarctica não está nesse pódio.

Em São Paulo, a preferida é mesmo a Brahma, enquanto no Rio a Skol ganha, com a Antarctica ficando como uma opção para duas das quatro maiores torcidas do estado. Foram ouvidas 10.800 pessoas com idades entre 18 e 64 anos.

Agora, vamos iniciar os trabalhos.

Fonte: Meio & Mensagem

A Copa do Mundo vai impulsionar vendas do comércio e serviços?

Falta menos de um mês para a Copa e, segundo pesquisa do SPC Brasil e CNDL, um terço dos empresários acham que o evento vai melhorar as vendas do comércio. O estudo destaca os números projetados por essa minoria dos empresários. Não estou vendo grande movimentação nas ruas por conta da Copa e não creio que teremos muitas vendas em todos os setores, apesar da nossa boa Seleção.

Estou certo ou errado?

Quem quiser saber mãos sobre a pesquisa é só ir no link https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas

Greve dos caminhoneiros muda datas do festival de jazz e blues de Rio das Ostras

O Rio das Ostras Jazz & Blues Festival vai acontecer entre os dias 15 a 17 de junho. As novas datas dos shows serão divulgadas na próxima semana.

O bloqueio das estradas e o desabastecimento de combustíveis causaram uma série de transtornos ao povo brasileiro e afetaram até mesmo o Rio das Ostras Jazz & Blues Festival, que aconteceria de hoje (31) até o dia 3 de junho (no feriadão de Corpus Christi), teve que alterar as suas datas, passando para o período de 15 a 17 de junho. No último dia do festival o público poderá assistir a estreia do Brasil em um telão que será instalado na Lagoa de Iriry.

– Temos mais de 70% das atrações confirmadas para as novas datas. Stanley Jordan e Armandinho, Banda Black Rio, Marlon Sette, Rosa Marya Colin e Jefferson Gonçalves, Azymuth e DJ Nuts, Igor Prado & Just Groove, Fred Sun Walk & The Dog Brothers, Amaro Freitas e Big Gilson – conta Stenio Mattos, diretor do Festival.

A nova programação será divulgada na próxima semana, no site do festival.

Abaixo a nota oficial da produção da Prefeitura de Rio das Ostras:

É com bastante tristeza que viemos anunciar em nota oficial que o Rio das Ostras Jazz & Blues será realizado em nova data: 15 a 17 de junho.

A mudança se deu em função da gravidade do desabastecimento de combustíveis e seus reflexos no município. Em nota oficial, a Prefeitura de Rio das Ostras informa que a decisão foi tomada em conjunto com a produção do evento, representantes de hotéis, pousadas e restaurantes da cidade, durante uma reunião na tarde desta segunda-feira (28).

Ainda segundo a Prefeitura, o festival é de grande importância cultural e econômica para o município.

Para a produção do Festival, o adiamento torna-se necessário para garantir a qualidade do festival. Nós da produção não nos sentiríamos a vontade em manter o festival sem as condições ideais de infraestrutura, diz Stenio Mattos, diretor do Festival. Pedimos desculpas pelo transtorno, contamos com a compreensão de todos e esperamos vocês no dia 15 para comemorarmos finalmente os nossos 15 anos!

 

Versão brasileira da revista Rolling Stone sai de cena

Depois de 12 anos a versão impressa brasileira deixa as bancas em agosto

Mais uma má notícia para quem gosta de ler e, principalmente, para quem gosta de ler sobre música: a revista Rolling Stone vai deixar de existir na sua versão impressa, embora o Grupo Spring de Comunicação, responsável pelo título, diga que ela vai seguir com a sua versão online.

Enquanto a versão americana segue firme e forte (parece) desde 1967, a revista brasileira, lançada em 2006, chega ao fim de maneira melancólica, mantendo apenas quatro edições especiais por ano, como já acontece atualmente. Estranhamente – segundo dados da própria editora – a versão brasileira é/era a de maior circulação, depois da edição norte-americana.

Ainda não há informações sobre o que vai acontecer com os profissionais que formavam a redação da publicação. Já os assinantes serão contatados para receberem os valores pagos.

Mais uma triste notícia para a combalida imprensa musical do país.

Esse texto também foi publicado na Revista Ambrosia.

Esses Ingleses Maravilhosos e suas Pesquisas Voadoras XXIV – As cidades mais caras do mundo para se viver

Há pouco tempo publiquei uma pesquisa que mostrava quais as cidades estrangeiras preferidas pelos brasileiros. Com o atual cenário do dólar e das principais moedas (euro e libra) a escolha de um destino passa obrigatoriamente pela questão econômica. Se uma cidade é considerada cara para se viver pelos próprios locais, imagine os custos para nós,

Uma pesquisa da revista britânica The Economist revela o ranking das cidades mais caras e as mais baratas para se viver no mundo. Fiquei surpreso com a colocação das cidades brasileiras (que considero muito caras). São Paulo aparece na 77ª posição e o Rio de Janeiro em um estranho 82º. Os lugares mais caros são dominados pela Ásia e Europa, enquanto os mais baratos estão melhor divididos.

Os quesitos

Para chegar a esse ranking a publicação analisou 150 itens como custo com comida, bebida, moradia, transporte, cuidados pessoais, entretenimento, educação, transporte, compras de supermercado e até o preço dos cigarros. A pesquisa é extensa e esmiuçar todos os seus aspectos demandaria um tempo demasiado longo. Então….

Cingapura é a mais cara

Se houve variação no ranking, ela passou longe do 1º lugar. Pela quinta vez consecutiva Cingapura foi classificada como a cidade mais cara do mundo. A cidade foi a mais cara no transporte e nas compras de supermercado. Nova York e Los Angeles foram as mais caras dos Estados Unidos (13º e 14º lugares, respectivamente), ficando muito adiante de Londres (30º), por exemplo.

Portanto, na hora de escolher um destino de viagem, de intercâmbio ou mesmo um local para viver longe do Brasil, vale a pena dar uma conferida nesse ranking.

As mais baratas

Gostaria de falar mais sobre as mais baratas, mas não acredito que Damasco (na Síria) ou Caracas (Venezuela) sejam capazes de atrair a atenção de muita gente no momento, principalmente por conta do péssimo momento social/econômico pelos quais os países onde estão localizados passam.

O ranking

Pepsi “resgata” antigos “garotos-propaganda”

Enquanto, em terras tupiniquins, a líder do mercado de refrigerantes fez uma promoção para que os consumidores escolhessem os artistas que gravariam o novo sucesso da música brasileira, nos Estados Unidos a sua concorrente resgata ícones da música nas suas latas. Tudo bem que colocar a Britney Spears na mesma série onde estão Michael Jackson e Ray Charles pode ser um pouco forçação de barra, mas não deixa de ser uma boa iniciativa.

Divulgação

As latas fazem parte de uma edição limitada que segue o conceito lançado na propaganda no Super Bowl deste ano. A propaganda iniciou o conceito Pepsi Generations, onde a marca relembra alguns artistas que foram parceiros da marca e garrafas, rótulos e latas antigas.

Jovens ou velhos?

Os marqueteiros da Pepsi pensaram em atingir o público jovem, mas eu acho que essa campanha parece ser muito mais atraente aos mais velhos – o que você acha?

A ideia é parar a sangria nas vendas nos Estados Unidos – a Pepsi perdeu 4,5% e a Coca-Cola. Essa queda segue uma tendência dos últimos 13 anos, uma consequência da onda saudável que assola o mundo.

Tomara que continuem com a campanha.

Com informação do Meio & Mensagem

Um quinto do Brasil tem Bolsa Família

Os defensores dos programas sociais como forma de inclusão da população mais pobre precisam refletir sobre o efeito deles na sociedade brasileira. Não há dúvidas de que a criação de mecanismos como o Bolsa Família beneficiou milhões de brasileiros, mas também criou novos e cruéis currais eleitorais que servem para perpetuar a pobreza e eternizar a eleição de políticos que fazem do quanto pior, melhor a sua plataforma eleitoral.

Um levantamento feito pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) mostra que os beneficiários do Bolsa Família representam mais de um terço da população de 11 Estados brasileiros das regiões Norte e Nordeste. Se levarmos em conta que para fazer parte do programa é necessário ter a renda mensal por pessoa da família de até R$ 185, a situação é de calamidade. Os valores repassados aos inscritos varia entre R$ 39 e R$ 372 (pouco, diga-se), mas representam mais de 6% do PIB local para 579 municípios (muito).

O que se vê é uma manutenção (se não crescimento) do número de pessoas pobres e de pessoas inscritas nesse programa, quando o ideal era que o número de beneficiários diminuísse muito e rápido. O problema é complexo, já que engloba vários aspectos da nossa sociedade (educação, segurança, emprego, etc), mas exige que nós (eleitores) tomemos consciência de que (gostemos ou não) será através da política e dos políticos que poderemos mudar essa situação.

Não adianta eleger extremistas de direita, com pensamentos que podem trazer de volta alguns dos piores pensamentos já existentes no País, nem retrógrados de esquerda que acham que o assistencialismo é a solução para tudo. Sinto náuseas sempre que ouço expressões como “os prédios precisam cumprir a sua função social”. Não posso acreditar que pessoas inteligentes sigam por esse caminho.

Voltando ao Bolsa Família, sua importância é comprovada quando sabemos que 48% da população do Maranhão recebe algum valor vindo dele, seguido por Piauí e Acre, estados entre os mais pobres do Brasil.

Entre 2000 e 2010, a taxa média de crescimento no IDH municipal das cidades brasileiras foi de 26%. Nas cidades onde os beneficiários representam menos de metade da população local, o número foi de 22%. Nos municípios em que os beneficiários são mais da metade, a taxa é de 43%. Dentre as cidades onde mais de dois terços vivem do programa, a taxa atinge 58%.

Os números do parágrafo acima são de deixar qualquer um de boca aberta e mostram (mais uma vez) a falência do nosso sistema republicano atual – não que seja preciso mudar o sistema político brasileiro, mas sim, mudar os políticos brasileiros.

É triste saber que há famílias que só conseguem comprar pão por causa do dinheiro do Bolsa Família, mas realmente espero que possa ver o país se livrar dessa necessidade antes de morrer. Sei que a tarefa é difícil, mas espero que as eleições deste ano possam iniciar esse processo.

Fonte: Blog Televendas & Cobrança

B.B. King Club NY fecha as portas

A última visita (julho/2017)

Toda vez que uma boa casa de espetáculos fecha sinto uma enorme dor no coração, principalmente quando conheço e gosto do lugar. A notícia de que o B.B. King Blues Club & Grill, no coração de Nova York (no 237 da rua 42) encerrou as atividades choca tanto quanto os do Olympia, em São Paulo (em 2006) e do Canecão (em 2010).

Conheci a casa – que funcionava desde 2000 – em 2002 e sempre tive ótimas experiências tanto em relação aos shows, quanto ao cardápio e o atendimento – cheguei a ganhar convites grátis para um show porque era um dos únicos brancos em um show de soul music. Por lá, passaram nomes como o do próprio B.B., Aretha Franklin, James Brown, Etta James, Prentiss Mcneil, Alicia Keys, The Allman Brothers, ZZ Top, Jay-Z, Bon Jovi, Big Gilson, Mary J. Blige, Denny Laine, Jerry Lee Lewis, Little Richard, Chuck Berry, Al Green, Bruce “Big Daddy” Wayne, Wilson Pickett, Bo Diddley e Buddy Guy (que fez o show de encerramento). Lá também era a casa de um ótimo brunch com coro gospel (The Harlem Gospel Choir) aos domingos e com um cover dos Beatles, aos sábados.

Buddy Guy fez o último show, em 29 de abril.

A razão do fechamento – dada em nota oficial – foi o preço do aluguel, que ficou alto demais, apesar da quase totalidade dos shows ser sold out. Tsion Bensusan, responsável pelo local, também reclamou da prefeitura de Nova York, que fez um grande esforço para revitalizar a área duas décadas atrás, mas que agora não está se preocupando com o futuro da área.

Os shows que estavam programados foram realocados para outras casas, mas a maioria será realizada no Sony Hall, que ainda não conheço, mas que fica pertinho (na 46, entre 7ª e 8ª. Infelizmente alguns foram para bem longe do Times Square, mas nada que uma pequena viagem de metrô não resolva.

O (bom) vinho dos Rolling Stones

Uma pena que um dos marcos de Nova York, onde podíamos assistir bons shows por um preço justo e até experimentar o vinho (surpreendentemente bom) dos Rolling Stones, agora, seja apenas uma lembrança.

Ainda não há informações sobre o que vai funcionar no local, mas espero que não seja uma igreja ou uma farmácia, como acontece por aqui,

Deve ser horrível morar em uma cidade que não cuida da sua memória cultural!

Lembrando do caso Canecão

Desde maio de 2010 que o Canecão está fechado por conta de uma ordem judicial que determinou sua reintegração a UFRJ. Na época (e até hoje), muita gente inteligente saudou a decisão, como se a universidade tivesse alguma competência para operar o que era a principal casa de espetáculos do Rio. Sempre há o argumento de que o contrato era danoso (!?) para a instituição. Quem defende isso parece esquecer que o fim do Canecão foi danoso para a cidade, o estado e o país, já que perdemos uma grande parte da nossa história musical.

Abaixo um trecho do meu post de 8 de janeiro de 2012.

A UFRJ continua sendo uma instituição incompetente para gerir o espaço, diferente do que pode acontecer na gestão do seu ensino. Saber que membros da chamada academia se recusam a sequer admitir passar parte da gestão para alguma empresa ou grupo de pessoas fora da instituição é prova de que vivem dissociados da realidade. Querer criar algo como um Centro Cultural é ridículo! Centro Cultural, na visão dos nobres membros do Conselho Universitário, o fórum de 50 integrantes (afora os suplentes) pelo qual passa toda decisão importante tomada na UFRJ, é sinônimo de atrações que não interessam ao público do Rio e nem mesmo aos estudantes, que poderiam ser obrigados a prestigiar o espaço.

Viva a (burra) autonomia universitária e a facilidade em destruir o que beneficia o público. Não é só o Rio e o Canecão que foram vítimas de decisões estúpidas. Várias outras instituições de ensino – verdadeiros buracos negros de verbas e que se preocupam mais com pesquisas do que com ensino, o desenvolvimento cultural ou o bem-estar da população, vivem retomando e fechando teatros, cinemas e casas de espetáculo Brasil afora.

A academia deve estar feliz em ver Roberto Carlos e Chico Buarque falando publicamente que sentem não tocar no Canecão. Também devem estar felizes em saber que um espaço voltado para a comunidade acadêmica não deverá ser utilizado por plebeus da música mundana ou por qualquer evento relativo aos Jogos Olímpicos ou a Copa do Mundo. Afinal, quem precisa disso? Precisamos é de salas de cultura, onde possamos ver curtas-metragens ou exposições de fotos ou mesmo de obras de arte feitas de barro, sei lá.

Johnny Winter, um dos últimos grandes shows que vi no Canecão

O Brasil é um país sem rumo. Políticos corruptos/incompetentes/retrógrados, tribunais superiores infestados de ratos, instituições de ensino que não usam suas verbas para o que deveria ser sua finalidade (o ensino e não a pesquisa), uma total falta de respeito pela vida, além de visões tortas sobre o conceito de social.

Não sei se ainda verei alguma mudança significativa na situação geral do país, mas tenho certeza de que nunca mais verei um Canecão que possa trazer algo de realmente bom para a Cultura.

 

Fotos: Divulgação, Jo Nunes e Fernando de Oliveira

Vídeo: Jo Nunes

Cuidados nas compras online no Dia das mães

Todo ano aparecem as notícias sobre o aumento no número de fraudes em compras online. O que pouca gente faz questão de frisar é que o número das vendas online aumenta todos os anos e, com isso, também sobrem as ocorrências de pessoas lesadas por sites criminosos. Faz pouco tempo que publiquei dados de outra pesquisa que mostrava que 91% do público sênior realiza compras pela internet.  Ou seja, há cada ve mais gente de mais classes e faixas etárias aderindo ao comércio eletrônico.

Reproduzo abaixo o texto com dicas de Fernando Azevedo, sócio da Silicon Minds e autor dos livros Segredos de Reputação Online e O negócio sujo das Fake News. Espero que seja útil.

De acordo com o Portal E-commerce Brasil, um terço das compras para os dias das mães será online, o que representaria um faturamento de aproximadamente 5.6 bilhões de Reais. Cabe notar ainda que muitos também usam a internet como fonte de pesquisa de produtos e comparação de preços.

Fernando Azevedo é hacker ético, sócio da empresa de reputação online Silicon Minds e autor dos livros “Segredos de Reputação Online” e “O negócio sujo das Fake News”. Ele separou algumas dicas para quem quer comprar online.

A primeira dica é ver se a loja contém o cadeado verde do lado do seu endereço virtual dentro da barra de endereço.

1) O cadeado verde significa que os seus dados como cartão de crédito estão criptografamos e indica que você está em uma loja com o mínimo de proteção.

2) Pesquise resenhas de outros compradores na mesma loja. Use seu mecanismos de busca favorito para saber se há clientes reclamando da loja e procure sites de reclamações como o Reclame aqui.

3) Desconfie de preços muito abaixo da concorrência pois podem ser produtos usados ou lojas interessadas em seus dados de cartão de crédito.

4) Cheque o prazo de entrega para ter certeza que seu presente chegará a tempo.

5) Ao criar uma conta de usuário na loja, escolha uma senha difícil, longa com números, letras e caracteres especiais. Não use palavras existentes. E não use a mesma senha do seu email nem do seu banco

6) Se possível, ligue o fator de dupla autenticação para receber um SMS com código toda vez que sua conta fizer login em um computador desconhecido.

7) Mantenha seu celular e computador atualizados pois os mesmos podem conter falhas de segurança onde hackers podem copiar suas informações. Computadores de terceiros nem pensar.

8) Evite wifi público para entrar em contas de banco, se você precisar entrar checar seu dinheiro no banco.

9) Não salve as informações do seu cartão de crédito

10) Cheque sua fatura com frequência.

11) Bonus: Use os mecanismos de busca para achar o preço mais baixo (em lojas de boa reputação).

Fonte: Silicon Minds

Nestlé compra divisão de grãos da Starbucks

A Nestlé, dona das marcas Nespresso e Nescafé comprou a divisão de grãos e cápsulas de café da Starbucks. O negócio – uma pechincha de US$ 7,2 bilhões – é mais um passo da Starbucks na direção de diminuir o seu escopo de negócios. Em novembro, a rede de cafés já havia vendido a marca de chás Tazo para a Unilever por US$ 384 milhões. Esses movimentos não significam que a Starbucks esteja mal das pernas. A empresa vai manter toda a sua rede de lojas e focar naquilo que sabe fazer melhor, dá mais lucro e na qual é líder no mercado norte-americano (servir café e derivados).

Para a Nestlé, o negócio reforça ainda mais as marcas Nespresso e Nescafé e deve aumentar a sua participação nos supermercados dos EUA, já que as suas marcas já perderam a liderança para marcas como Keurig Green Mountain e Peet´s, ambas de propriedade da JAB Holding. Para evitar a sangria, a Nestlé já tinha comprado as marcas Blue Bottle Coffee e Chameleon Cold-Brew, sem muito sucesso.

O mercado é tão complexo que lembro que a Nestlé já tinha vendido a sua divisão de chocolates para a italiana Ferrero por US$ 2,8 bilhões, deixando de ser a dona de marcas fortes como a Crunch, e a Starbucks vendeu, em março, a sua operação no Brasil para a paulista SouthRock Capital, que controla a Brazil Airport Restaurants.

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

Com informações do Meio & Mensagem

Antarctica cria escola gratuita para capacitar garçons no Rio de Janeiro

Academia da BOA fica na Lapa, no coração da boemia carioca

De tempos em tempos algumas empresas criam projetos que merecem aplausos demorados. A Ambev é uma dessas empresas e a iniciativa de criar uma escola para os garçons cariocas é louvável, já que os garçons são a alma dos botequins e restaurantes e nem sempre estão preparados para atender bem o consumidor.

O projeto deve formar 500 pessoas para o mercado de trabalho ainda este ano, sendo: 300 novos garçons e 200 profissionais reciclados.

Os interessados em informações sobre o projeto ou inscrição para turmas podem se informar em http://www.antarctica.com.br/academiadaboa ou pelo e-mail projetoacademiadaboa@rj.senac.br

Fotos: Felipe Panfili/Divulgação

 

 

Azul e Emirates são escolhidas as melhores companhias aéreas

O site Melhores Destinos – um dos que indico para pesquisa de preços de passagens aéreas – divulgou recentemente o resultado do seu prêmio sobre as melhores empresas no ramo de (suspense) viagens! Este ano foram mais de 68 mil participantes que votaram em 14 categorias.

Na categoria melhor empresa aérea (nacional e internacional) as vencedoras foram a Azul e a Emirates. As duas já haviam sido as vencedoras em 2017 e repetiram a dobradinha esse ano. Minhas experiências com a Azul foram mais que satisfatórias – embora conheça gente que acha a companhia muito ruim – e sobre a Emirates eu não posso comentar (ainda). O que me decepcionou foi o 14º lugar da British Airways (atrás até da Delta), já que considero a empresa uma das melhores em termos de serviço e conforto, e da Alitalia, que ficou nas últimas posições e da qual tenho boas lembranças.

Os itens avaliados foram preço, serviço de bordo, entretenimento, atendimento e avião, com os internautas dando notas de 1 a 10 para cada um desses quesitos.

Nacionais

A letra A parece estar em alta no Brasil. Azul e Avianca ficaram nas primeiras posições, bem à frente das grandes Latam e Gol, o que não é de se admirar, já que o preço e principalmente o serviço das duas líderes da pesquisa dão um banho nas que ficaram nas piores posições. Destaque também para os aviões da Azul, que foram muito bem avaliados em termos de limpeza, idade, etc.

Internacionais

O grande destaque – além da vencedora Emirates – foi novamente a Azul, que terminou numa ótima 3ª posição. Os resultados foram mais apertados, com a Qatar ficando na segunda posição por muito pouco (veja quadro abaixo e clique para ampliar).

No fim, fica a conclusão de que as empresas mais tradicionais estão oferecendo uma experiência que deixa muito a desejar para os seus clientes. O prêmio serve também para acabar com alguns preconceitos sobre determinadas companhias.

Boa viagem!

Fonte: Melhores Destinos

Amazon contratará estagiários no Brasil

Uma oportunidade para quem quer e pode ir para São Paulo.

 Programa

Em seu Programa de Estágio a Amazon vai contratar interns para sua unidade em São Paulo. Os estudantes passam por um processo de formação e desenvolvimento enquanto trabalham na Companhia, sendo expostos a desafios reais e projetos nas diferentes áreas.

Os cursos

São aceitos estudantes dos cursos de: tecnologia, como ciência da computação, análise de sistemas e sistemas de informação; administração; marketing; contabilidade; economia; engenharia; matemática; estatística; comunicação; jornalismo; publicidade e psicologia.

Os benefícios

Os estudantes terão possibilidade de atuar na gigante do varejo on-line, que foi considerada a varejista do ano no World Retail Congress 2017, e está entre as companhias mais inovadoras. Neste ambiente, serão expostos a desafios e aprendizados e ainda receberão bolsa-auxílio no valor de R$ 1.900,00 reais + benefícios como vale transporte, vale refeição, assistência médica.

Diversidade

A Amazon é uma empresa de oportunidades iguais e contrata indivíduos qualificados independente de gênero, raça, orientação sexual, religião, nacionalidade, idade ou deficiência. Como um empregador de oportunidades iguais, a Amazon é aberta a estudantes de qualquer faculdade ou universidade cursando graduação no Brasil e com disponibilidade para estagiar em nossos escritórios. Não é necessário que o/a candidato/a tenha experiência profissional para se aplicar para o programa de estágio na Amazon Brasil.

Inscrições

A consultoria responsável pelo processo de seleção é a Companhia de Estágios.

Inscrições devem ser feitas através do site: www.ciadeestagios.com.br/amazon

Fonte: Companhia de Estágios | PPM Human Resources

Pesquisa aponta que 91% do público sênior realiza compras pela internet

Até hoje conheço gente que não gosta de fazer compras pela internet. Não sei como essas pessoas acham que passar os dados do cartão de crédito pelo telefone pode ser mais seguro que uma compra online feita em uma loja reconhecidamente de boa reputação. Agora, um estudo mostra que 91% das pessoas com mais de 60 anos faz compras pela internet, mostrando que esse público, teoricamente mais resistente às mudanças de hábitos, já superou muitas barreiras que poderiam travar muito o crescimento do e-commerce.

O público sênior compõe uma das faixas da pirâmide etária que mais cresce no Brasil. Atualmente são 25 milhões de pessoas e devem chegar a 37 milhões até 2026. Em estudo conduzido pela Officina Sophia Retail, em parceria com o Centro de Inteligência Padrão (CIP), constatou-se também um grande número de consumidores com mais de 60 anos com hábitos de compra e uso digitais.

De acordo com a pesquisa, 91% dos entrevistados afirmaram já realizarem compras pela internet, com 74% pretendendo realizar compras pelo e-commerce nos próximos meses, e 7 em cada 10 consumidores dessa faixa etária fazendo o uso da web para pesquisar preços de produtos.

Setores favoritos

Para o público masculino, os segmentos de compra mais buscados na internet são o de Eletroeletrônicos / Eletrodomésticos, Viagens, e Artigos Esportivos. E para as mulheres, Roupas / Sapatos / Bolsas, Livros/DVDs /CDs, e Farmácia / Medicamentos.

Mulheres mais ativas

Mais atuantes nas redes sociais do que os homens, as mulheres também pesquisam mais produtos nos sites das lojas (72%), do que o público masculino (69%), sendo também as que mais fazem uso de aparelhos móveis para acessar a internet.

Metodologia

A Officina Sophia Retail elaborou o estudo em abril, com 300 entrevistas online, em parceria com o painel eCGlobal, abrangendo homens e mulheres, acima dos 60 anos, pertencentes às classes A, B e C (Critério Brasil).

Fonte: Blog Televendas e Cobrança