Arquivo da tag: Política

Eleições 2018: Por que está tão difícil escolher um vice e por que ele é importante — Blog QAP Osvaldo Matos

Michel Temer substituiu Dilma, alvo de impeachment, e José Sarney assumiu após a morte do presidente eleito Tancredo Neves O Brasil guarda, em sua história, um capítulo especial para vice-presidentes. Num período de 57 anos, o país foi comandado por quatro vices. João Goulart, José Sarney, […]

via Eleições 2018: Por que está tão difícil escolher um vice e por que ele é importante — Blog QAP Osvaldo Matos

Anúncios

Saneamento avança menos de 1% nas cidades mais populosas do Brasil

Assim como a distribuição de renda é um problemão no país, o saneamento básico – basicamente obras que não aparecem e, segundo os políticos, não dão votos – é sempre negligenciado.  Aumentar o saneamento em 1% em três anos é ridículo, mesmo para países pobres.

Abaixo dados do Ranking do Saneamento 2017, divulgado pelo Instituto Trata Brasil.

As melhorias e avanços nas políticas, em obras e infraestrutura no setor de saneamento básico das 100 cidades mais populosas do país foram tímidas nos últimos três anos.

De acordo com o Ranking do Saneamento 2017, divulgado pelo Instituto Trata Brasil, a coleta de esgoto nas cidades mais populosas avançou menos de 1% entre os anos de 2014 e 2015. Isso significa que a universalização do sistema ainda está longe no país.

O problema é que a garantia do fornecimento do serviço está diretamente ligada aos investimentos do governo que, segundo o senador Armando Monteiro, do PTB, de Pernambuco, não são suficientes para financiar o setor. O senador é a favor das parcerias público-privadas como alternativa viável para alavancar os investimentos em saneamento básico.“O Brasil precisa investir mais nessa área. Agora, como investir mais com o Estado brasileiro enredado nessa crise fiscal profunda? É fundamental criar um marco adequado para estimular as parcerias público-privadas nessa área, sem a qual nós não vamos poder dar a resposta rápida a esse desafio”.

O ranking

As cidades que mais necessitam de investimentos em saneamento estão na região Norte do país. No ranking divulgado pelo Instituto Trata Brasil, entre as 100 cidades mais populosas, Ananindeua e Santarém, no Pará, Porto Velho, em Rondônia e Macapá, no Amapá, estão na faixa de oferta do serviço à população de zero a 20%.

A especialista em Políticas Industriais, Ilana Dalva Ferreira, explica que a proposta de criar parcerias público-privadas para fomentar o saneamento é boa. “Só com o dinheiro público não será possível. Assim como ocorreu em outros setores da infraestrutura, a participação, a parceria com o setor privado é imprescindível”, explica a especialista. Para Ilana, as parcerias não significam privatização. “Para o setor ser desenvolvido, ele precisa de modelos híbridos. Se um local que tem uma população apta a pagar por esse serviço, e esse serviço é rentável, coloque a participação privada. Para não acontecer de o governo Federal disponibilizar recursos para áreas que, às vezes, o setor privado poderia estar atuando muito bem’.

As cidades mais populosas com os maiores índices de cobertura em saneamento estão nos estados do Paraná, São Paulo e Minas Gerais. O Plano Nacional de Saneamento Básico prevê a universalização da coleta e tratamento de esgoto para o ano 2033 no país. Para isso ocorrer, o governo Federal vai precisar investir mais de 300 bilhões de reais no setor.

Fonte: Agência do Rádio Mais

Um quinto do Brasil tem Bolsa Família

Os defensores dos programas sociais como forma de inclusão da população mais pobre precisam refletir sobre o efeito deles na sociedade brasileira. Não há dúvidas de que a criação de mecanismos como o Bolsa Família beneficiou milhões de brasileiros, mas também criou novos e cruéis currais eleitorais que servem para perpetuar a pobreza e eternizar a eleição de políticos que fazem do quanto pior, melhor a sua plataforma eleitoral.

Um levantamento feito pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) mostra que os beneficiários do Bolsa Família representam mais de um terço da população de 11 Estados brasileiros das regiões Norte e Nordeste. Se levarmos em conta que para fazer parte do programa é necessário ter a renda mensal por pessoa da família de até R$ 185, a situação é de calamidade. Os valores repassados aos inscritos varia entre R$ 39 e R$ 372 (pouco, diga-se), mas representam mais de 6% do PIB local para 579 municípios (muito).

O que se vê é uma manutenção (se não crescimento) do número de pessoas pobres e de pessoas inscritas nesse programa, quando o ideal era que o número de beneficiários diminuísse muito e rápido. O problema é complexo, já que engloba vários aspectos da nossa sociedade (educação, segurança, emprego, etc), mas exige que nós (eleitores) tomemos consciência de que (gostemos ou não) será através da política e dos políticos que poderemos mudar essa situação.

Não adianta eleger extremistas de direita, com pensamentos que podem trazer de volta alguns dos piores pensamentos já existentes no País, nem retrógrados de esquerda que acham que o assistencialismo é a solução para tudo. Sinto náuseas sempre que ouço expressões como “os prédios precisam cumprir a sua função social”. Não posso acreditar que pessoas inteligentes sigam por esse caminho.

Voltando ao Bolsa Família, sua importância é comprovada quando sabemos que 48% da população do Maranhão recebe algum valor vindo dele, seguido por Piauí e Acre, estados entre os mais pobres do Brasil.

Entre 2000 e 2010, a taxa média de crescimento no IDH municipal das cidades brasileiras foi de 26%. Nas cidades onde os beneficiários representam menos de metade da população local, o número foi de 22%. Nos municípios em que os beneficiários são mais da metade, a taxa é de 43%. Dentre as cidades onde mais de dois terços vivem do programa, a taxa atinge 58%.

Os números do parágrafo acima são de deixar qualquer um de boca aberta e mostram (mais uma vez) a falência do nosso sistema republicano atual – não que seja preciso mudar o sistema político brasileiro, mas sim, mudar os políticos brasileiros.

É triste saber que há famílias que só conseguem comprar pão por causa do dinheiro do Bolsa Família, mas realmente espero que possa ver o país se livrar dessa necessidade antes de morrer. Sei que a tarefa é difícil, mas espero que as eleições deste ano possam iniciar esse processo.

Fonte: Blog Televendas & Cobrança

Governo do Estado do Rio de Janeiro insiste em app para servidores

Tecnologia é, na maioria das vezes, algo bom. Quando bem utilizada, ela pode facilitar a vida, economizar tempo e evitar aborrecimentos. Porém, a tecnologia não se sobrepõe às obrigações básicas quando se trata das relações de trabalho. Dito isso, ainda consigo ficar surpreso com a insistência com a qual o Governo do Estado do Rio de Janeiro – que vive atrasando meses de salários e ainda deve para grande parte dos servidores o 13º de 2017 – em promover o Servidor.RJ, um app que permite aos funcionários ter acesso à folha de pagamento, contracheque e, segundo ele, outros benefícios.

Ora, mais importante que ter acesso aos 12 últimos contracheques (se é que foram pagos) ou saber das novidades do portal do governo, é ter seus vencimentos honrados pelo empregador.

Mesmo assim, publico o que é preciso para acessar o Servidor.RJ, que não testei e não sei se funciona mesmo.

Boa sorte, servidores.

Como acessar

Para utilizar o serviço, é necessário fazer o login, utilizando o ID funcional ou CPF. O App solicitará a senha que já está cadastrada no Portal do Servidor. No primeiro acesso, é necessária a ativação do aplicativo por meio de um código que será enviado para o e-mail cadastrado no Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos.

O Servidor.RJ já está disponível para download na Google Play Store, para smartphones com sistema operacional Android e na Apple Store para o sistema iOS (iPhone).

O engodo das Operações da Lei Seca no Rio de Janeiro

Passei o dia vendo reportagens e pessoas exaltando o aniversário de nove anos do início das chamadas blitz da Operação Lei Seca. Vamos deixar claro que sou totalmente favorável a Lei, que existe faz muito tempo, bem antes da modificação que a tornou um veículo para que governos mal-intencionados a usassem como desculpa para extorquir mais verbas dos já oprimidos contribuintes, principalmente no Estado do Rio de Janeiro, e que sei que devo ser uma voz quase solitária. As tais blitzen nunca tiveram por objetivo salvar vidas. Sempre foram realizadas com o dinheiro como alvo. O percentual de motoristas flagrados com excesso de álcool no sangue sempre foi pífio (muitas vezes menos de 2% dos motoristas autuados), o que significa que a grande maioria sempre foi multada ou rebocada por conta de multas ou IPVA atrasados, razões que não necessariamente causam acidentes. Portanto, se levarmos em consideração esses fatores, o número de vidas salvas é bem menor que o alardeado ou cada pseudo acidente teria um número de vítimas fatais que somente caberiam apenas em um micro-ônibus.

Foto: Paulo Vitor

Dizer que a redução no número de motoristas flagrados é uma consequência somente das blitzen é de uma ingenuidade sem descrição. Só a quantidade de pessoas que se utilizam de aplicativos e grupos de WhatsApp para se livrar do arrocho das autoridades – vale lembrar que o Rio é um dos poucos lugares do mundo onde é obrigatório fazer uma vistoria anual do seu veículo, pagando uma taxa, claro – é substancial o suficiente para ser considerado nessa equação.

O que mais me incomoda é a parafernália montada e o efetivo policial usados para extorquir dinheiro de motoristas que dirigem assustados e com medo em um estado onde a segurança é uma piada.

O governo do Rio de Janeiro divulgou um release sobre o aniversário. É surreal e infelizmente foi comprado por grande parte da mídia e da população.

Querem fazer blitz e rebocar carros com IPVA atrasado? Mudem o nome e deixem a Lei Seca em paz.

Quando começou a Operação, em 19 de março de 2009, o percentual de motoristas abordados embriagados nas blitzen era de 7,9%, e esta média caiu para 4,3% em 2017. A comparação entre o número de motoristas abordados e os flagrados com sinais de embriaguez reduziu 45% em nove anos.

Balanço atualizado

Desde a criação da Operação Lei Seca até o último dia 14/3, 2.801.642 motoristas foram abordados em 20.295 ações de fiscalização em todo o Estado do Rio de Janeiro. E, ainda, 521.316 veículos foram multados, 100.974 veículos foram rebocados, 174.509 motoristas tiveram a CNH recolhida e foi identificada embriaguez em 183.219 motoristas.