Arquivo da categoria: Letras

Hey Jude, dos Beatles, completa 50 anos de sucesso

Música composta por Paul McCartney para o filho de John Lennon é uma das canções mais conhecidas da história do rock e ganhou uma linda homenagem do público durante o show do ex-beatle no Rio de Janeiro, em 2011

Hey Jude, don’t make it bad, take a sad song and make it better… Quem não conhece estes versos?

O épico de mais de 7 minutos, lançado pelos Beatles há exatamente 50 anos (neste domingo, 26 de agosto), é um dos grandes momentos da carreira de Paul McCartney.

A história

Em 1968, John Lennon já havia deixado a mulher, Cynthia, e o filho, Julian, e se envolvido com a futura esposa, Yoko Ono.

Paul, sempre muito ligado à família e às crianças, dirigia para fazer uma visita ao ex-clã de Lennon quando começou a cantarolar uma mensagem para Julian. Daí surgiram a melodia e os versos iniciais de Hey Jude (Hey Jules, don’t make it bad…).

Depois de alguns ajustes na letra e um certo desentendimento com George Harrison (que queria fazer um contraponto na guitarra após cada verso cantado por Paul) o que surgiu foi uma das mais belas melodias já criadas pelo homem.

O melhor público

Desde 1989 que Paul McCartney resgatou a canção em seus shows. Foram centenas de execuções, cada uma com o coro do público se sobressaindo com a regência de um sempre orgulhoso McCartney.

Porém, em 2011, no Engenhão, no Rio de Janeiro, Paul e sua banda foram surpreendidos por uma homenagem do público que jamais tinham visto antes.

De maneira totalmente espontânea, membros do público que estavam na pista vip fizeram cartazes com a palavra Na, que foram erguidas na parte final da canção.

As expressões de surpresa são indisfarçáveis (veja o vídeo abaixo) e a ideia foi, depois, copiada em várias partes do globo, mas sem o mesmo impacto e beleza da realizada pelos cariocas.

Delicie-se com a versão original e a sensacional participação do público no Rio.

Anúncios

A canção definitiva de Steve Winwood

Can’t Find My Way Home reúne tudo o que Steve Winwood faz de melhor. Composição, lançada no único LP do supergrupo Blind Faith, é obrigatória em todo show do músico

Todo grande artista tem a sua música definitiva. É assim com Elton John(Your Song), Paul McCartney (Yesterday) ou Paul Simon (Bridge Over Troubled Water), para citar alguns.

Não é diferente com o inglês Stephen Lawrence Winwood, que desde jovem já era responável por canções do calibre de Gimme Some Lovin’ e Dear Mr. Fantasy.

Porém, foi ao se unir a Eric Clapton, Ginger Baker e Ric Grech, formando o Blind Faith, em 1969, que Winwood criou sua mais clássica canção.

Clássico do rock

Can’t Find My Way Home é daquelas composições sem defeitos. Belíssima melodia, letra sensível, arranjo delicado – enriquecido pelo violão de Eric Clapton – e um vocal arrebatador.

Winwood é daqueles artistas capazes de criar e gravar clássicos sozinho, mas a breve companhia de Clapton, Baker e Grech, fez bem a ele. Eles até tentaram uma versão elétrica, mas fizeram bem em abandoná-la.

Não adianta ficar falando sobre a música. Melhor ouvir e ver por sí mesmo.

Come down off your throne and leave your body alone
Somebody must change
You are the reason I’ve been waiting all these years
Somebody holds the key
Well, I’m near the end and I just ain’t got the time
And I’m wasted and I can’t find my way home
I can’t find my way home
But I can’t find my way home
But I can’t find my way home
But I can’t find my way home
Still I can’t find my way home
And I’ve done nothing wrong
But I can’t find my way home

Música do Dia: I Know There’s An Answer

O álbum Pet Sounds, geralmente considerado o segundo disco mais importante da história, perdendo apenas para a produção que o teve como inspiração – Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles – tem várias pequenas obras primas. Dentre as faixas menos comentadas está I Know There’s An Answer (Brian Wilson/Mike Love/Terry Sachen).

Tão brilhante quanto a melodia e o arranjo, é a letra, que fala daquelas pessoas que acham que podem resolver tudo sozinhas e fingem estarem cercadas de amigos. Que se mostram calmos, quando na verdade estão sempre desconfortavelmente tensos e passam as noites com seus pensamentos vazios.

Quem não conhece Pet Sounds precisa ouvi-lo logo.

Lembre: sempre há uma resposta.

I know so many people who think they can do it alone
They isolate their head and stay in their safety zone
Now what can you tell them
And what can you say that won’t make them defensive

I know there’s an answer
I know now but I had to find it by myself

They come on like they’re peaceful
But inside they’re so uptight
They trip through their day
And waste all their thoughts at night
Now how can I come on
And tell them the way that they live could be better

I know there’s an answer
I know now but I had to find it by myself

Now how can I come on
And tell them the way that they live could be better

I know there’s an answer
I know now but I had to find it by myself

Sem resposta e sem desculpa

Algumas vezes uma música não ouvida por muito tempo nos traz lembranças de tempos e pessoas que merecem mesmo ficar no passado.

Viva o presente!

No Reply (Lennon/McCartney)

Egoísmo XIThis happened once before
When I came to your door, no reply
They said it wasn’t you
But I saw you peep through your window

I saw the light, I saw the light
I know that you saw me
‘Cause I looked up to see your face

I tried to telephone
They said that you were not home, that’s a lie
‘Cause I know where you’ve been
I saw you walk in your door

I nearly died, I nearly died
‘Cause you walked hand in hand
With another man in my place

Egoísmo XIIIf I were you I’d realize that I
Love you more than any other guy
And I’ll forgive the lies that I
Heard before when you gave me no reply

I’ve tried to telephone
They said you were not home, that’s a lie
‘Cause I know where you’ve been
I saw her walk in your door

I nearly died, I nearly died
‘Cause you walked hand in hand
With another man in my place
No reply, no reply

http://www.dailymotion.com/video/x2oym1n

Letras: Secondhand Love

Uma letra amarga e que traduz brilhantemente aquele sentimento doído que vez por outra esbarra conosco. Esse é (acho) o primeiro post no qual repito uma música já publicada. Mas ela merece!

unfaithful-man-and-womanDon’t bring me secondhand love
Don’t bring me secondhand love

Now, you went out tonight
Who you been hanging around this time?
I don’t care if he’s black or white
I just don’t like his kind

I don’t want your secondhand love
I don’t want your secondhand love
I don’t want your secondhand love
Don’t bring me secondhand love

He’s been leaving his scent on you
I can sense it from a mile
All my money is spent on you
But you’re still selling your smile

Don’t bring me secondhand love
Don’t bring me secondhand love
I don’t want your secondhand love
I don’t want your secondhand love

Give your love
And keep blood between brothers
Give your love
And keep blood between brothers

I don’t want your secondhand love
Don’t bring me secondhand love
Don’t bring me secondhand love

I can guess where you’ve been tonight, yeah
You’ve been hanging out on the street
Wearing your dress too tight
Showin’ out to anyone you meet

But I don’t want your secondhand love
I don’t want your secondhand love
Don’t bring me your secondhand love
Don’t bring me your secondhand love

I want the first call on your kiss
Answer me one question, can you promise me this
I want my defenses laying in your hands
I don’t want to rest in the palm of another man

I don’t want your secondhand love
Don’t want, don’t want your secondhand love
I don’t want, I don’t want your secondhand love
I don’t want, I don’t want your secondhand love

I don’t want, I don’t want your secondhand love