Arquivo da categoria: Beatles

Parabéns, Paul McCartney, por mais um nº 1

Paul McCartney chega ao topo da Billboard novamente, depois de 36 anos 3 meses e 10 dias

Egypt Station, lançado no dia 7 de setembro (leia a crítica aqui) pode não ser uma obra prima, mas deu ao ex-beatle Paul McCartney o seu 8º álbum no topo da parada americana (sem contar com os Beatles*, claro).

A pesada agenda promocional deu resultado e foram vendidas 153 mil cópias do disco, apenas na primeira semana nas lojas.

Tug of War

O último disco de Paul a alcançar o lugar máximo nas paradas havia sido o maravilhoso Tug of War (1982).

Qualidade a parte, é uma grande façanha a de Egypt Station e de seu autor, no auge dos 76 anos.

Leia mais sobre o 1º lugar de Egypt Station (em inglês) e saiba tudo sobre o disco e o esforço promocional de Paul.

*Foram mais 19 álbuns no topo da Billboard.

 

Anúncios

Spotify lança show de McCartney em Abbey Road

McCartney lança show gravado no estúdio 2 de Abbey Road, teaser da apresentação no Cavern Club e clipe de canção do novo disco

Nas manchetes

Paul McCartney e seu time estão mesmo empenhados em fazer de Egypt Station, lançado no dia 7 de setembro, um sucesso.

Poucas vezes nas últimas décadas Macca esteve tantas vezes nas manchetes. São entrevistas para revistas, jornais, Q&A no Twitter e muitas outras ações. O esforço para levar Paul novamente ao topo das paradas contrasta com a atuação da sua gravadora no Brasil, onde nem se sabe quando haverá o lançamento físico do disco.

Depois de várias ações promocionais bem-sucedidas — o emocionante Carpool Karaoke (que teve milhões de visualizações e ganhou uma versão estendida); a entrevista no seu antigo colégio, em Liverpool; o show secreto na Grand Central Station, em NY.

Agora, Paul e o Spotify lançam Under the Staircase, a apresentação para 150 convidados no estúdio 2 de Abbey Road.

Novo Fuh You

Poucos dias antes do lançamento de Under the Staircase, Paul divulgou o vídeo oficial da canção Fuh You, um dos singles de Egypt Station.

O roteiro pode ser capenga, mas as imagens são fofas.

Cavern Club

Paul esteve em Liverpool e proporcionou para alguns felizardos um concerto surpresa no Cavern Club, onde os Beatles começaram a sua lenda.

Ainda não há data para o lançamento do vídeo, mas é certo que não vai demorar muito para acontecer.

Sob as escadas

Gravado em 23 de julho, mesmo dia no qual voltou a atravessar a faixa de pedestres e ganhar espaço nos noticiários de todo o mundo, o show foi gravado pelo Spotify, em uma parceria inédita.

Gravado sob a supervisão de Giles Martin, filho do 5º beatle Sir George Martin, Under the Staircase é uma experiência única para quem nunca teve a oportunidade de entrar no estúdio ou ouvir as histórias de Sir Paul McCartney.

Se você não é daqueles  que já assistiram dezenas de shows do ex-beatle (no Brasil e, principalmente, no exterior), não se preocupe. Ele sempre guarda alguma novidade para contar.

As canções

São 17 canções e 34 clipes de vídeo (números musicais e histórias). Entre as canções estão:

•    A Hard Day’s Night
•    Love Me Do
•    Drive My Car
•    Got To Get You Into My Life
•    We Can Work It Out
•    I’ve Just Seen A Face
•    Lady Madonna
•    Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band/Helter Skelter
•    Nineteen Hundred And Eighty Five
•    My Valentine
•    Fuh You
•    Come On To Me
•    I’ve Got a Feeling
•    One After 909
•    Ob-La-Di, Ob-La-Da
•    Back In The U.S.S.R.
•    Birthday

Para assistir ao concerto é só ir no Spotify e procurar pela playlist criada para o evento (link aqui).

Aproveitem!

Uma versão deste texto foi publicada na Revista Ambrosia.

Egypt Station: a crítica do novo disco de Paul McCartney

Em Egypt Station, que foi lançado neste sexta (7), ex-beatle lança disco de inéditas, faz homenagem ao Brasil e leva fãs para uma variada jornada musical

É sempre delicado falar de um novo disco de Paul McCartney. Aos 76 anos, o eterno beatle é, de longe, o maior e mais genial músico vivo.

Ele poderia estar vivendo tranquilamente curtindo as glórias conquistadas, mas o homem não para e continua produzindo muito.

Ainda relevante

Apesar de não ser mais o hitmaker de décadas atrás, McCartney ainda é capaz de oferecer faíscas generosas do talento que nos deu clássicos como Hey Jude, Yesterday, Band on the Run e Mull of Kintyre, entre muitos outros.

Mesmo assim, falar sobre o álbum de um artista que pode ter uma coletânea de quatro CD (Pure McCartney) e ainda deixar coisas boas de fora, é uma senhora responsabilidade.

Ainda mais, quando ele chega depois do bom New, disco pelo qual tenho um carinho especial.

Então, vamos lá!

Viagem conceitual

Egypt Station — o 17° disco solo de Paul (sem contar os álbuns lançados com o Wings e outros projetos) e primeiro disco de inéditas desde New (2013) — teve o título inspirado no nome de pintura de Paul e foi concebido como uma viagem de trem por várias estações e estilos escolhidos pelo maquinista McCartney.

Sendo assim, ouvi-lo na ordem determinada por Paul parece a melhor maneira de entender o novo disco.

Faixa a faixa

1. Opening Station — Uma vinheta de 42s com sons de estações de trem reais e um coral de vozes. Deveria servir como uma espécie de boas-vindas ou bilhete para a viagem musical. Não funciona, mas também não incomoda.

2. I Don’t Know – Uma das duas primeiras canções divulgadas por Paul, é uma balada que fala das inseguranças de uma pessoa comum, o que nem sempre é relacionado a uma personalidade mundial como McCartney.

O piano e o clima lembram um pouco This Never Happened to me Before (do álbum Chaos and Creation in the Backyard). Uma das melhores paradas do novo disco.

— Escrevi essa música depois de um período difícil, que todo mundo passa. Sou eu externando um problema e colocando tudo em uma canção —revelou Macca.

3. Come On to Me — O outro lado do primeiro single de Egypt Station, é um pop/rock com melodia quase chiclete e uma das letras safadinhas que Paul incluiu nesse novo trabalho. Não é brilhante, mas é bem agradável e rendeu a Paul seu primeiro top 10 na Billboard em 20 anos.

4. Happy with You — É Paul sendo bastante pessoal. A canção fala de como ele está feliz (com a atual esposa, Nancy) e como deixou para trás os dias de excessos de drogas e álcool. A melodia é bem característica de McCartney, com um riff de violão que remete vagamente a Blackbird, mas com uma produção que lembra canções do álbum New (2013). Outra boa parada na viagem.

I sat round all day
I used to get stoned
I liked to get wasted
But these days I don‘t
‘Cause I’m happy with you
I got lots of good things to do, ooh yeah

5. Who Cares — Outro pop/rock bastante agradável. Parece uma daquelas músicas que Paul faz com um pé nas costas. Serve para mostrar que ele ainda pode fazer bons vocais com a sua voz de rock.

6. Fuh You — A música mais indecente do disco. Indecente pelo conteúdo da letra, deixo claro. A única composição em parceria (com Ryan Tedder, do OneRepublic) é a mais moderninha do disco. Não é a primeira investida de McCartney no tema (lembram de Hi Hi Hi?), mas é curioso vê-lo querendo apenas sexo, aos 76. Essa é daquelas que vai conquistar fãs e haters na mesma proporção. Velhinho safado!

7. Confidante — Violão e climão folk na primeira parada menos inspirada de Paul. A letra é outra daquelas nas quais Paul abre o coração, dessa vez para falar sobre alguém (amigo ou amor) do passado. Vai ter gente gostando da canção, mas não me tocou.

8. People Want Peace — Vira e mexe Paul saca uma canção pacifista. Normalmente não funciona muito e dessa vez não é diferente. Dispensável.

9. Hand in Hand — Outra balada ao piano. Apesar de menos inspirada que I Don’t Know, não chega a comprometer. É o Egypt Station voltando aos trilhos.

10. Dominoes — Talvez a canção de Egypt Station que mais vai receber opiniões diferentes. Para uns será uma das melhores canções do disco, enquanto outros a considerarão pobre. Fico entre os primeiros. Dominoes é daquelas que me imagino ouvindo daqui a muitos anos.

— Uma das coisas interessantes sobre canções é que muitas vezes elas vêm depois de uma discussão com alguém e ela aparece como uma reação a isso. Essa é a história de Dominoes. É uma canção sobre como as coisas estão bem, mesmo quando não parecem estar — explicou Paul.

11. Back in Brazil — Chegamos ao momento que deve(ria) nos encher de orgulho. Infelizmente a canção — a terceira com conexão com o Brasil (as outras são How Many People, dedicada a Chico Mendes, e Kreen-Akrore, inspirada em um documentário sobre uma tribo indígena brasileira — é um dos momentos mais fracos do disco.

A historinha de uma brasileira que se apaixona por um gringo tem uma levada de piano elétrico que lembra Sérgio Mendes ou a canção Keep Coming Back to Love (lançada por Macca em 1993), mas não chega a lugar nenhum.

Não é bossa nova, samba e nem tem clima de Olodum.

A canção ganhou clipe com imagens gravadas na Bahia, vai ser tocada nos próximos shows no Brasil, mas vai ser rapidamente esquecida.

Uma pena.

12. Do It Now — Outro momento que poderia ser evitado. A música não é terrível, mas fica a impressão de que Paul tem coisa melhor no seu arquivo de composições não lançadas. Não emociona.

13. Caesar Rock — Paul roqueiro de novo. Anima e dá novo fôlego para continuar a viagem. Não chega a ser um clássico, mas agrada. Bom vocal.

14. Despite Repeated Warnings — Tem cara de épico. Com seus quase sete minutos, a canção meio que repete uma estrutura já usada em outros momentos (Band on the Run e Uncle Albert/Admiral Halsey, para citar dois ótimos exemplos).

Suas várias mudanças de clima e ritmos — num estilo ópera-rock — e a sua crítica (velada) ao atual presidente dos Estados Unidos, fazem da canção uma forte candidata a ser lembrada por muitos como um dos momentos memoráveis de Paul McCartney.

Não chego a ser tão otimista, mas reconheço o valor da faixa.

15. Station II — A vinheta que deveria encerrar a viagem é, assim como Opening Station, uma colagem de sons de uma estação de trem. No fim, um riff de guitarra nos leva para…

16. Hunt You Down / Naked / C-Link — Outro medley onde Paul usa o seu talento para juntar diferentes melodias. O poderoso riff de guitarra nos leva para o melhor momento roqueiro de Paul.

Uma ótima maneira de terminar a viagem regular de Egypt Station (há duas outras canções que só estão na versão deluxe do disco).

Ouça as canções extras de Egypt Station neste link.

Nem tão moderno

No fim das contas, a produção de Greg Kurstin — responsável pelo sucesso Hello, de Adele, entre muitos outros — nem deixa o som de Paul McCartney tão moderno (ainda bem). Na verdade, o tom mais moderno parece estar em Fuh You, única faixa onde ele não estava no controle.

Decadência das gravadoras

Enquanto Paul e seu time se esforçam para promover da melhor maneira possível novo trabalho, com aparições em programas de TV, rádio e shows secretos, é triste ver a decadência das grandes gravadoras, que obrigam jornalistas a procurar o material necessário para escrever uma resenha decente em locais alternativos.

A diferença no trabalho de divulgação entre 2013 e 2018 é assombrosa.

Quais versões serão lançadas no Brasil? Sei lá.

Uma viagem que precisa de algumas audições

No fim das contas, Egypt Station é um disco razoável para os padrões de McCartney e bom para o atual cenário musical. Não chega ao nível de Ram (1971), Band on the Run (1973) ou Flaming Pie (1997), mas é bem melhor do que Wild Life (1972), Driving Rain (2001) ou McCartney II (1980). Fica ali, perto de Back to the Egg (1979) e Memory Almost Full (2007).

Aviso: não pare apenas na primeira audição. Egypt Station é daqueles álbuns que parecem pouco interessantes no primeiro momento, mas que vão crescendo mais a cada vez que ouvimos.

Essenciais: I Don’t KnowDominoes, Come on to Me e Despite Repeated Warnings.

Para pular: Back in Brazil, Do it Now, Opening Station e Station II.

Cotação: *** ½

Paul e o Brasil

Paul McCartney e o Brasil têm uma forte ligação desde 1990, data da primeira visita de Paul ao país.

Naquele ano, McCartney e banda fizeram duas apresentações no Maracanã e conseguiram quebrar o que até hoje, segundo o livro Guinness, é o recorde de  publico para a apresentação de um único artista (184 mil pessoas, no dia 21 de abril).

Depois disso, Paul voltou ao Brasil em 1993, 2010, 2011, 2012, 2013, 2014 e 2017.

Durante essas apresentações, Paul experimentou músicas que jamais havia tocado ao vivo, resgatou antigos sucessos e até foi atacado por gafanhotos.

É ou não é uma relação especial? Portanto, nada mais justo que fazer mais uma música inspirada no país.

Uma versão desse texto foi publicada na Revista Ambrosia

Imagine, de John Lennon, ganha versão com seis discos

Clássico, lançado em 1971, será (re)lançado novamente em edição de luxo. The Ultimate Collection traz 135 faixas e um livro contando a história do álbum. São 4 CDs e 2 blu-ray áudio

O fim de 2018 promete ser recheado de novidades para os fãs de rock e dos Beatles, em particular.

Além do lançamento do novo disco de Paul McCartneyEgypt Station, em 7 de setembro — e da edição comemorativa do Álbum Branco — com detalhes e data ainda não divulgados — foi anunciado hoje (23) o lançamento de mais uma edição do disco Imagine, de John Lennon, no dia 5 de outubro.

A história

Imagine foi o segundo disco solo de Lennon. Gravado ainda na Inglaterra, mas com overdubs e a mixagem feitos em Nova York, o álbum é a obra mais conhecida do ex-beatle, muito provavelmente por conta da sua canção-título.

Suas econômicas dez canções foram produzidas por Phil Spector, o mesmo responsável pelo disco anterior — John Lennon/Plastic Ono Band —, alguns singles do músico, o triplo All Things Must Pass (George Harrison) e pelo malfadado último LP dos Beatles, Let it Be.

Embora alguns prefiram o estilo mais cru e menos produzido do Plastic Ono Band —na época um fracasso comercial — foi com Imagine que Lennon conseguiu fazer dinheiro e conquistar sucesso em várias partes do mundo.

Apesar de mais suave, o disco não é composto apenas pela faixa-título e canções de amor — Oh My Love, Jealous Guy e Oh Yoko! —, mas também tem seu lado malvado, com How Do You Sleep?, um dos ataques mais ferozes já feitos na história do rock.

A pobre vítima, Paul McCartney, deve ter ficado bastante chateado, apesar de Lennon sempre dizer que ele não ficou.

— Se eu não puder brigar com meu melhor amigo, com quem eu vou poder? — disse John em uma entrevista, em 1971.

A lista de músicos que participaram das gravações é de respeito. George Harrison, Jim Gordon, Nicky Hopkins, Klaus Voormann, Bobby Keys, além de Joey Molland e Tom Evans, do Badfinger, entre outros.

O álbum chegou ao 1° lugar em quase todo o mundo e, em 2012, foi escolhido pela revista Rolling Stone como o 80° melhor disco de todos os tempos. Nada mal.

 

Versão definitiva?

A chamada Ultimate Deep Listening Experience pretende (imagina-se) ser a versão definitiva de um dos discos mais esmiuçados e relançados da história. Imagine já foi relançado (pelo menos) em 1987, 2000, 2010, 2011 e 2014, além de ter faixas e outtakes espalhados por várias caixas contendo a obra do artista.

Também não podemos esquecer o filme produzido por Lennon sobre o disco e os vários documentários subsequentes lançados ao longo dos anos — dois deles serão relançados pela Eagle Rock.

A nova edição trará outtakes, demos e um disco com versões evolutivas das canções, mostrando o caminho que percorreram, das demos até a versão comercial. Há mixagens 5.1 e até mesmo uma velha Quad Mix.

O material será, na sua maioria, já conhecido dos fãs mais hardcore, mas sempre há algo guardado para surpreender a todos. As versões evolutivas, principalmente — talvez ao ledo da mixagem 5.1 — são o que mais atiçam a curiosidade dos colecionadores. Ouvir como uma canção é transformada é sempre uma experiência reveladora.

Não foram esquecidos os singles e seus respectivos lados B. Power To The People, Do The Oz e Happy Xmas (War Is Over), por exemplo, estão lá, devidamente remixados e com som atualizado.

Desde 2016

O trabalho na Ultimate Collection não começou agora. Desde 2016, Yoko vem preparando o projeto ao lado do engenheiro Paul Hicks, em Abbey Road. Portanto, é de se acreditar que a coisa esteja prá lá de caprichada.

Livro

O livro Imagine é outro projeto que vem sendo trabalhado há alguns anos. São 320 páginas contando a história da produção do disco e prometendo ter 80% de fotos inéditas em seu conteúdo.

Ele também vai ser vendido separadamente e terá três versões: a normal, uma especial (com 176 páginas extras) e uma edição para colecionadores, autografada por Yoko Ono.

Sinceramente, deve ser lindo de morrer, mas duvido que conte algo que já não saibamos sobre o mais famoso dos discos solo de Lennon.

Os filmes

Junto com os áudios, o feliz comprador encontrará uma versão restaurada do filme Imagine, produzido por John & Yoko, em 1971. O segundo filme — Gimme Some Truth — será (re)lançado separadamente, também em outubro. Todos com som remasterizado.

As versões

Se você chegou até aqui, deve estar preocupado em ter que gastar uma fortuna pelo novo Imagine. A boa notícia é que serão vários sabores para escolher. Há um CD simples, um duplo, a caixa com 4 CDs e 2 blu-ray e a obrigatória versão em vinil (duplo).

Os preços variam entre US$ 18 e US$ 103. Em tempos de dólar acima dos R$ 4, o jeito é rezar para o câmbio baixar até outubro.

Por que mais um Imagine?

Essa é a pergunta de 1 milhão de dólares. Apesar da pequena produção (em termos quantitativos) de Lennon, ainda há muita coisa para ser lançada, tanto em áudio, quanto em vídeo. O problema, é que Yoko sempre dá preferência aos projetos nos quais ela participou.

Portanto, os álbuns produzidos no Lost Weekend, quando John se separou de Yoko e namorou a secretária May Pang, parecem que não vão ter muita chance de receber um tratamento parecido com o de Imagine ou Double Fantasy.

Resta aos fãs continuarem a cavar as novidades no underground e torcer para que, um dia, toda a obra de Lennon seja tratada da forma que merece.

Ficha técnica

135 canções
61 faixas em estéreo
45 faixas em 5.1 Surround Sound
10 faixas em Quadrasonic
17 faixas em mono
2 Easter Eggs (?)
Mixagens originais produzidas por John & Yoko e Phil Spector
2016-2018 Remixes produzidos by Yoko Ono
Mixado por Paul Hicks at Abbey Road Studios & Sear Sound

As faixas

Imagine – The Ultimate Edition: 6-disc Super Deluxe Edition

Disc: 1

Remixed Stereo Album

1. Imagine
2. Crippled Inside
3. Jealous Guy
4. It’s So Hard
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6. Gimme Some Truth
7. Oh My Love
8. How Do You Sleep?
9. How?
10. Oh Yoko!

Remixed Singles and Extras

11. Power To The People
12. Well… (Baby Please Don’t Go)
13. God Save Us
14. Do The Oz
15. God Save Oz
16. Happy Xmas (War Is Over)

Disc: 2

Elements Mixes

1. Imagine (strings only)
2. Jealous Guy (piano, bass & drums)
3. Oh My Love (vocals only)
4. How? (strings only)

Album Outtakes

5. Imagine (demo)
6. Imagine (take 1)
7. Crippled Inside (take 3)
8. Crippled Inside (take 6 – alt guitar solo)
9. Jealous Guy (take 9)
10. It’s So Hard (take 6)
11. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die (take 11)
12. Gimme Some Truth (take 4)
13. Oh My Love (take 6)
14. How Do You Sleep? (takes 1 & 2)
15. How? (take 31)
16. Oh Yoko! (Bahamas 1969)

Singles Outtakes

17. Power To The People (take 7)
18. God Save Us (demo)
19. Do The Oz (take 3)
20. Happy Xmas (War Is Over) (alt mix)

Disc: 3

Extended Album Tracks and Raw

1. Imagine (take 10)
2. Crippled Inside (take 6)
3. Jealous Guy (take 29)
4. It’s So Hard (take 11)
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6. Gimme Some Truth (take 4 – extended)
7. Oh My Love (take 20)
8. How Do You Sleep? (take 11 – extended)
9. How? (take 40)
10. Oh Yoko! (take 1 extended)

Outtakes Live

11. Imagine (take 1)
12. Jealous Guy (take 11)
13. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die (take 21)
14. How Do You Sleep? (take 1)
15. How Do You Sleep? (takes 5 & 6)

Disc: 4

Evolution (from demo to final mix)

1. Imagine
2. Crippled Inside
3. Jealous Guy
4. It’s So Hard
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6. Gimme Some Truth
7. Oh My Love
8. How Do You Sleep?
9. How?
10. Oh Yoko!

Disc 5 – Blu-ray audio #1:

Remixed Stereo Album, Singles, Extras, 5.1., Quadrasonic & Outtakes

1. Imagine
2. Crippled Inside
3. Jealous Guy
4. It’s So Hard
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6. Gimme Some Truth
7. Oh My Love
8. How Do You Sleep?
9. How?
10. Oh Yoko!
11. Power To The People
12. Well… (Baby Please Don’t Go)
13. God Save Us
14. Do The Oz
15. God Save Oz
16. Happy Xmas (War Is Over)
17. Imagine (Quadrasonic Mix)
18. Crippled Inside (Quadrasonic Mix)
19. Jealous Guy (Quadrasonic Mix)
20. It’s So Hard (Quadrasonic Mix)
21. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die (Quadrasonic Mix)
22. Gimme Some Truth (Quadrasonic Mix)
23. Oh My Love (Quadrasonic Mix)
24. How Do You Sleep? (Quadrasonic Mix)
25. How? (Quadrasonic Mix)
26. Oh Yoko! (Quadrasonic Mix)
27. Imagine (demo)
28. Imagine (take 1)
29. Crippled Inside (take 3)
30. Crippled Inside (take 6 alt guitar solo)
31. Jealous Guy (take 9)
32. It’s So Hard (take 6)
33. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die (take 11)
34. Gimme Some Truth (take 4)
35. Oh My Love (take 6)
36. How Do You Sleep? (takes 1 & 2)
37. How? (take 31)
38. Oh Yoko! (Bahamas 1969)
39. Power To The People (take 7)
40. God Save Us (demo)
41. Do The Oz (take 3)
42. Happy Xmas (War Is Over) (alt mix)

Blu-ray Disc 1 – Imagine – The Ultimate Mixes
Remixed Stereo Album, Singles, Extras & Outtakes

Imagine – The Album
Remix in 5.1 & Stereo 24-96
1. Imagine
2. Crippled Inside
3. Jealous Guy
4. It’s So Hard
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6. Gimme Some Truth
7. Oh My Love
8. How Do You Sleep?
9. How?
10. Oh Yoko!

Singles & Extras
Remix in 5.1 & Stereo 24-96
1. Power To The People
2. Well… (Baby Please Don’t Go)
3. God Save Us (Bill Elliot vocal)
4. Do The Oz
5. God Save Oz (John Lennon vocal)
6. Happy Xmas (War Is Over)

The Out-takes
New Mix in 5.1 & Stereo 24-96

1. Imagine (demo)
2. Imagine (take 1)
3. Crippled Inside (take 3)
4. Crippled Inside (take 6 alt guitar solo)
5. Jealous Guy (take 9)
6. It’s So Hard (take 6)
7. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die (take 11)
8. Gimme Some Truth (take 4)
9. Oh My Love (take 6)
10. How Do You Sleep? (takes 1 & 2)
11. How? (take 31)
12. Oh Yoko! (Bahamas 1969)
13. Power To The People (take 7)
14. God Save Us (demo)
15. Do The Oz (take 3)
16. Happy Xmas (War Is Over) (alt mix)

The Quadrasonic Mixes
Remastered in Quad 4.0 24-96
Original 1971 Quadsonic Album Remastered

1. Imagine
2. Crippled Inside
3. Jealous Guy
4. It’s So Hard
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6. Gimme Some Truth
7. Oh My Love
8. How Do You Sleep?
9. How?
10. Oh Yoko!

Blu-ray Disc 2 – In The Studio and Deeper Listening

The Raw Studio Mixes – Extended Album Versions – Live
New Mix in 5.1 & Stereo 24-96
Experience, in immersive Surround Sound, the moment John and The Plastic Ono Band record each song live, from a sonic soundstage at the center of Ascot Sound Studios at John & Yoko’s home in Tittenhurst

1. Imagine (take 10)
2. Crippled Inside (take 6)
3. Jealous Guy (take 29)
4. It’s So Hard (take 11)
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die (take 4 – extended)
6. Gimme Some Truth (take 4 – extended)
7. Oh My Love (take 20)
8. How Do You Sleep? (take 11 – extended)
9. How? (take 40)
10. Oh Yoko! (take 1 – extended)

The Raw Studio Mixes – Out-takes – Live
New Mix in 5.1 & Stereo 24-96
1. Imagine (take 1)
2. Crippled Inside (take 2)
3. Crippled Inside (take 6 alt guitar solo)
4. Jealous Guy (take 11)
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die (take 21)
6. How Do You Sleep? (take 1)
7. How Do You Sleep? (takes 5 & 6)
8. How? (takes 7-10)
9. How? (take 40 alt vocal)
10. Oh Yoko! (take 1 tracking vocal)

The Elements Mixes
From the Master Multitracks
New Mix in 5.1 & Stereo 24-96
Mixes from elements of the original multitracks that demonstrate some of the instrumentations from ‘behind the scenes’

1. Imagine (strings)
2. Crippled Inside (upright bass & drums)
3. Jealous Guy (piano, bass & drums)
4. It’s So Hard (strings)
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die (guitar, bass & drums)
6. Gimme Some Truth (electric piano & guitar)
7. Oh My Love (vocals)
8. How Do You Sleep? (strings)
9. How? (strings)
10. Oh Yoko! (acoustic)

The Evolution Documentary
New Mix in Mono 24-96
The story of the songs from demo to master in rehearsals, studio chat and mixed multitrack elements

1. Imagine
2. Crippled Inside
3. Jealous Guy
4. It’s So Hard
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6. Gimme Some Truth
7. Oh My Love
8. How Do You Sleep?
9. How?
10. Oh Yoko!
11. Power To The People
12. Well… (Baby Please Don’t Go)
13. God Save Us/God Save Oz
14. Do The Oz
15. Happy Xmas (War Is Over)
16. Tittenhurst Park

Imagine John & Yoko – The Elliot Mintz Interviews
New Mix in Mono 24-96
Tribute by DJ and family friend Elliot Mintz featuring revealing, philosophical, honest and humorous interviews with John & Yoko.

Imagine – 2LP vinyl

LP 1 – Imagine 2018 remix

1 Imagine
2 Crippled Inside
3 Jealous Guy
4 It’s So Hard
5 I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6 Gimme Some Truth
7 Oh My Love
8 How Do You Sleep?
9 How?
10 Oh Yoko!

LP 2 – Outtakes

1 Imagine (Original demo recorded at Ascot)
2 Imagine (Take 1)
3 Crippled Inside (Take 3)
4 Crippled Inside (Take 6 alternate guitar solo)
5 Jealous Guy (Take 9)
6 It’s So Hard (Take 6)
7 I Don’t Wanna Be A Soldier (Take 25)
8 Gimme Some Truth (Take 4)
9 Oh My Love (Take 6)
10 How Do You Sleep? (Takes 1 & 2)
11 How? (Take 31)
12 Oh Yoko! (from Bed Peace footage – Sheraton Hotel, Bahamas 1969)

Imagine – The Ultimate Edition: 2CD Deluxe Edition

Disc: 1

Remixed Stereo Album

1. Imagine
2. Crippled Inside
3. Jealous Guy
4. It’s So Hard
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6. Gimme Some Truth
7. Oh My Love
8. How Do You Sleep?
9. How?
10. Oh Yoko!

Remixed Singles and Extras

11. Power To The People
12. Well… (Baby Please Don’t Go)
13. God Save Us
14. Do The Oz
15. God Save Oz
16. Happy Xmas (War Is Over)

Disc: 2

Elements Mixes

1. Imagine (strings only)
2. Jealous Guy (piano, bass & drums)
3. Oh My Love (vocals only)
4. How? (strings only)

Album Outtakes

5. Imagine (demo)
6. Imagine (take 1)
7. Crippled Inside (take 3)
8. Crippled Inside (take 6 – alt guitar solo)
9. Jealous Guy (take 9)
10. It’s So Hard (take 6)
11. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die (take 11)
12. Gimme Some Truth (take 4)
13. Oh My Love (take 6)
14. How Do You Sleep? (takes 1 & 2)
15. How? (take 31)
16. Oh Yoko! (Bahamas 1969)

Singles Outtakes

17. Power To The People (take 7)
18. God Save Us (demo)
19. Do The Oz (take 3)
20. Happy Xmas (War Is Over) (alt mix)

Imagine – The Ultimate Edition: single CD

Remixed Stereo Album

1. Imagine
2. Crippled Inside
3. Jealous Guy
4. It’s So Hard
5. I Don’t Wanna Be A Soldier Mama I Don’t Wanna Die
6. Gimme Some Truth
7. Oh My Love
8. How Do You Sleep?
9. How?
10. Oh Yoko!

Uma versão deste texto foi publicada na Revista Ambrosia

Leia também: Eric Clapton vai lançar disco de Natal com toques de blues

Paul McCartney atravessa Abbey Road

Foi na segunda-feira (23 de julho) que, da mesma forma que há 49 anos, Paul McCartney saiu da sua casa e, calçando sandálias, foi andando até os estúdios da EMI, em Abbey Road (Londres). Lá, encontrou seus três companheiros de banda e fez uma das fotos mais famosas do mundo. Dessa vez ele repetiu o caminho para realizar um evento promocional do seu próximo disco “Egypt Station” – que será lançado dia 7 de setembro e terá uma canção sobre o Brasil.

Detalhe: ele não foi incomodado no caminho e não foi reconhecido por duas senhoras que atravessaram a faixa de pedestres junto com ele.

Vamos ver quais eventos teremos anos que vem, quando a foto completa 50 anos.

BEATLES DIA A DIA – 23 de junho de 1973

BEATLES AND PAUL McCARTNEY ARE LOVE

23 de junho de 1973

A Billboard registra o álbum “Living in the Material World” de George em 1º lugar. Na lista de singles, “My Love” de Paul segue no topo há quatro semanas.

George 77George 98 - George Harrison was 1 in the US OTD 1971 with 'All Things Must Pass'.George 165George 166Paul 1972Paul 225 - 1972Paul 371Paul 363_35895492_paul150

Fonte: The Beatles Diary.

Por Marina Sanches – @sancmarina.

Ver o post original

Paul McCartney e Donovan: Heather

Em 1968, Paul McCartney era recém casado e tinha uma enteada (Heather), uma menininha que pode ser vista em algumas cenas do filme Let it Be. Donovan era/é um músico inglês, uma espécie de trovador, no estilo de Bob Dylan. Durante as sessões de gravação do disco Postcards, de Mary Hopkin, os dois se encontraram e tocaram algumas canções. Entre elas estava Heather, que se mantém inédita até hoje. Eu gosto dessas canções de violão no estilo Blackbird.


 

R.I.P. George Martin

George Martin IIIMorreu, na madrugada desta quinta-feira (9/3), aos 90 anos, o maestro, produtor e arranjador dos Beatles, Sir George Martin. Martin, considerado por muitos o Quinto Beatle, foi o responsável por assinar o primeiro contrato de gravação da banda, além de produzir e arranjar praticamente todas as canções do grupo.

Tive o prazer de conhecê-lo e estar com ele em duas oportunidades – uma entrevista e durante o ensaio para o concerto do Projeto Aquarius que ele regeu, em 1993. Ele era um gentleman até mesmo quando reclamava, com razão, de algo (como a falta de vontade da OSB durante o ensaio). Não há como expressar o pesar pela sua morte. Como amante da musica, fico triste em pensar que um dos maiores responsáveis pela melhor música produzida no Século XX (e talvez em todos os séculos) não está mais entre nós. O mundo, e não só a música, fica muito mais pobre.

De 1962 até 1969, Martin foi o responsável por traduzir as ideias do Quarteto de Liverpool em sons. São dele as orquestrações de clássicos como Yesterday, A Day in the Life, Strawberry Fields Forever e I Am the Walrus, além de participar, como músico, de várias gravações da banda. A única orquestração que não foi escrita por ele (She´s Leaving Home, do disco Sgt. Pepper’s), sempre foi citada por ele com uma pontinha de mágoa. Pelo jeito, até mesmo os gentleman podem ser possessivos.

George Martin and The BeatlesDiscos como Revolver (1966) e Sgt. Pepper Lonely Hearts Club Band (1967) não teriam existido sem o talento de Martin. Na verdade, nada que ouvimos hoje existiria. Se Love Me Do e as canções da primeira fase dos Beatles podem soar ingênuas, a maestria com a qual navegou durante a fase psicodélica e cheia de drogas da banda é prova de que ele tinha um talento gigantesco. O próprio John Lennon dizia que sem George Martin, muitos dos sons que imaginou jamais teriam sido traduzidos corretamente.

Além da parceria com John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr, o produtor trabalhou com nomes como Peter Sellers, America, Jeff Beck, Cheap Trick, Ella Fitzgerald, Stan Getz, Kenny Rogers, Neil Sedaka, Jimmy Webb, Dire Straits, Earth, Wind and Fire, Peter Gabriel, Elton John e Sting, entre muitos outros, sendo condecorado pela rainha Elizabeth com o título de Sir em 1996, um ano antes que Paul McCartney recebesse a mesma honraria.

Desde a década de 1990 o produtor diminuiu o seu ritmo de trabalho, principalmente por conta de uma perda na audição, passando muito das suas tarefas ao filho, Giles, que, entre outras coisas, trabalhou em vários projetos dos Beatles, inclusive a remasterização do catálogo da banda.

George Martin nasceu no dia 3 de janeiro de 1926, em Highbury, Londres. A causa da morte ainda não foi divulgada.

George Martin no Brasil

Pouca gente pode lembrar, mas em 1993 George Martin esteve no Rio de Janeiro para participar de uma edição especial do Projeto Aquarius, em comemoração aos 30 anos do primeiro single dos Beatles (Love me Do). O concerto, que aconteceu debaixo de muita chuva na Quinta da Boa Vista, acabou por deixar uma marca permanente em Martin. Uma das atrações do show, o coral das Meninas Cantoras de Petrópolis, impressionou tanto o maestro que ele fez com o coral uma versão da música Ticket To Ride, lançada em seu CD In My Life, que também contou com participações de artistas como Celine Dion, Phil Collins e Sean Connery. Em 1997, ele voltou ao Brasil para gravar cenas para um documentário sobre música.

Martin também aproveitou a passagem pelo Rio para conhecer um de seus ídolos, o também maestro Tom Jobim.

Repercussão

Produced by George MartinVárias personalidades do mundo musical escreveram depoimentos sobre a morte o produtor.  Em seu site oficial, Paul McCarney escreveu: “Estou muito triste em ouvir a notícia da morte do querido George Martin. Tenho tantas lembranças maravilhosas desse grande homem e elas vão ficar comigo para sempre. Ele era um verdadeiro cavalheiro e era como um segundo pai para mim.  Ele guiou a carreira dos Beatles com tanta habilidade e bom humor que se tornou um grande amigo meu e da minha família. Se alguém mereceu o título de quinto Beatles, esse foi George. Do dia no qual ele deu aos Beatles o nosso primeiro contrato de gravação, até a última vez que o vi, ele foi a pessoa mais generosa, inteligente e musical que eu tive o prazer de conhecer….O mundo perdeu um verdadeiro cavalheiro que deixou uma marca permanente na minha alma e na história da música britânica“.

Ringo Starr, o outro sobrevivente da banda também comentou a morte do amigo através do seu Twitter: ” George fará falta. Obrigado por todo seu amor e gentileza, George. Paz e amor.

Biografia em vídeo

Quem tiver a curiosidade em conhecer um pouco mais sobre a carreira e o talento de Martin pode procurar o DVD Produced by George Matin. É uma história sobre uma importante parte da música pop do Século XX.

Não olhe para trás e a importância de John Lennon

Não Olhe Para Trás IO filme Não Olhe Para Trás, estrelado pelo grande Al Pacino e que ainda está em cartaz em alguns cinemas do Rio de Janeiro, me faz pensar em como uma carta de um ídolo pode mudar a nossa vida. O longa está longe de ser uma obra-prima, mas tem elementos que tocam muita gente, em especial este que vos escreve.

A história gira em torno de Danny Collins, um cantor de pop/rock/folk que vive de sucessos do passado e que sempre viveu num estilo um pouco caricato do rock star dos anos 70, com muitas mulheres e drogas, e que descobre que, em 1971, John Lennon leu uma entrevista sua e escreveu uma carta para ele com elogios e até mesmo com o número de telefone para um possível bate-papo. O problema é que esta carta nunca foi entregue e Danny só soube da sua existência agora, 40 anos depois do ocorrido. Esse evento serve como pano de fundo para que ele tente melhorar a sua vida, um tema mais que batido, mas que é bem conduzido pelo diretor Dan Fogelman.

Não Olhe Para Trás IIOutro ponto alto do filme é a ótima atuação do elenco de apoio –  Christopher Plummer, Annette Bening, Bobby Cannavale e Jennifer Garner – que mesmo com algumas falas e cenas não muito bem construídas consegue manter a bola quicando em bom nível.

O que me tocou mais no filme foi, é claro, a coincidência de também ter recebido correspondências escritas pelo ex-Beatle e pensar na possibilidade de que alguma dessas correspondências pudesse ter se extraviado por conta de um carteiro desleixado ou de algum outro evento.

carinha LennonVer aquele desenho característico que Lennon usava quase como assinatura emocionou, principalmente pelo fato de poder olhar para alguns deles todos os dias. Imaginar o quão a minha vida seria diferente sem esses cartões postais é algo desafiador, mas ainda bem que não é preciso.

Agora, é só resolverem fazer um roteiro sobre essa minha história!

Ah, voltando ao filme: é razoável, mas inesquecível para mim.

Os absurdos de Violão e Guitarra II

Já tinha postado aqui alguns erros absurdos dessa revista, mas não podia deixar essa de fora. Acho que desaprendia inglês mais do que aprendia. Hoje, morro de rir!

IM Paul McCartney
Cifra e tradução Coming Up

PS: Ainda tenho mais pérolas para postar!

Paul McCartney & Rhyanna

É, admito que nunca pensei em escrever esses dois nomes na sequência para falar sobre música (ainda acho que não devo), mas… aí está o clipe da canção Fourfiveseconds, que também tem a participação de Kanye West.

2015_RihannaKanyeWestPaulMcCartney_Press_1_250115

 

Os absurdos de Violão e Guitarra

Esses são alguns pequenos exemplos do que uma pessoa sofria nos anos 70/80 para conseguir uma letra de música e cifras para violão. Se o seu inglês não fosse bom a tendência seria piorar depois de ver (e acreditar) nisso. Ei Judeu andando na Rua do Dinheiro (eca)!

A Rua do Dinheiro

Ei Judeu

Violão e Guitarra Beatles

 

Paul McCartney – Brasil 2014

Os rumores se confirmaram: Paul McCartney dia 12 de novembro na HSBC Arena.

Out There TourDesde 2010 que Sir Paul McCartney vem brindando os brasileiros com sua presença e sua música. Ele já passou pelo Recife (duas vezes), Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Goiânia e Belo Horizonte, por exemplo. Porém, para essa nova fase da turnê Out There (que foi iniciada no Brasil ano passado), Paul está exagerando (no bom sentido). Já há shows confirmados em Cariacica (Espírito Santo), Brasília, São Paulo (duas apresentações) e no Rio de Janeiro na aconchegante HSBC Arena.

Serão os primeiros shows após o lançamento das novas versões de seus discos Venus and Mars (1975) e Wings at Speed of Sound (1976). São grandes as chances de novidades no repertório, que já contará com as canções do disco NEW, de 2013, e que nunca foram tocadas em palcos brasileiros.

Bem, segue abaixo a lista de shows confirmados até agora e um vídeo gravado por Paul para o show do Espírito Santo.

A diversão e o rombo nas finanças são garantidos para todos!

Mais informações aqui!

Segunda – 10 de novembro: Estádio Kléber Andrade – Vitória
Quarta – 12 de novembro: HSBC Arena – Rio de Janeiro
Domingo – 23 de novembro: Estádio Nacional – Brasilia
Terça – 25 de novembro: Allianz Parque – São Paulo
Quarta – 26 de novembro: Allianz Parque – São Paulo 

Um ano do cara a cara com Paul McCartney

Paul roundtable 4Hoje faz um ano que estive cara a cara com Sir Paul McCartney em Londres. Não que já não tivesse tido contato como ex-beatle com direito até a aperto de mão, mas nada que pudesse se comparar com a emoção de ser convidado oficialmente para entrevistar o astro e ainda por cima na cidade mais emblemática da Terra (em termos musicais).

Já havia entrevistado personagens importantes, como Emerson Fittipaldi, diversos músicos brasileiros e figuras internacionais (em coletivas). O evento foi, sem dúvidas, o mais importante da minha carreira e trouxe mudanças na minha vida (algumas necessárias outras nem tanto) e marcou mais uma mudança de nível no que diz respeito ao hábito de colecionar música e, principalmente, a música relacionada com os Beatles. Afinal, receber cartões do John Lennon é uma coisa, mas participar de uma entrevista com o músico mais importante do planeta é algo totalmente diferente.

Paul roundtable 3Infelizmente não permitiram fotos (só enviaram algumas oficiais) e o único documento desse encontro é a gravação da entrevista (com direito a elogio de Sir Paul).

Hoje é dia de sair, comemorar e torcer pela confirmação de mais uma vinda de Paul & banda ao Brasil (dessa vez no Espírito Santo).

Obrigado Kélita, Jo e ao universo, que conspirou a favor.

A epopeia da entrevista você pode ler aqui.

Novidade vindo por aí: George Harrison – The Apple Years

George Harrison - The Apple YearsDepois do anúncio dos dois novos relançamentos da discografia de Paul McCartney (leia aqui), agora é a vez da confirmação de um novo box de George Harrison. The Apple Years – que vai contar com os sete CDs lançados pelo ex-beatle com o selo Apple, além de um DVD com conteúdo ainda desconhecido – será uma bela companhia para a caixa The Dark Horse Years, lançada em 2004.

A nova caixa (que você pode ver em destaque numa foto postada por Dhani Harrison no fim do mês passado) virá com os seguintes títulos:

1. Wonderwall Music
2. Electronic Sound
3. All Things Must Pass
4. The Concert For Bangladesh
5. Living in the Material World
6. Dark Horse
7. Extra Texture (Read All About It)

Georhe Harrison - The Dark Horse YearsComo disse, o conteúdo do DVD ainda é um mistério, mas há boatos de que viria com trechos da malfadada turnê de George pelos Estados Unidos, em 1974.

O único porém é que a data inicial para o lançamento da caixa é 25 de setembro, apenas três dias após os lançamentos de McCartney, o que pode prejudicar um pouco as vendas, já que o produto é direcionado aos fãs mais sérios e as versões da Paul McCartney Archive Collection já estão em pré-order.

Haja dinheiro!

McCartney Archive Collection – Venus and Mars e At Speed of Sound

VM_deluxe_2_of_5Desde 2010 que Paul McCartney resolveu olhar para trás e dar ao seu catálogo com o Wings um cuidado que deixou todos os fãs felizes e bem mais pobres. Os discos – relançados através da McCartney Archive Collection, que, além de trazerem um vasto material inédito, ainda são complementados com vídeos e livros de primeira linha em suas versões superdeluxe. Desde o pontapé inicial com o disco Band on the Run (1973), já foram resgatados os discos McCartney (1970), Ram (1971), Wings Over America (1976) e McCartney II (1980). Agora chegou a vez dos discos Venus and Mars (1975) e Speed of Sound (1976).

Os dois discos serão lançados ao mesmo tempo – 22 de setembro (UK) e 23 de setembro (USA) – e seguem o mesmo caminho dos títulos anteriores. Porém, talvez por preferência pessoal ou simplesmente por ser mesmo mais interessante e inspirado, a chegada do Venus and Mars causa bem mais ansiedade, seja pela qualidade das canções e pelo melhor material bônus, ou seja, por ser um dos discos com pior mixagem no catálogo de Sir Paul.

SOS_deluxe_2_of_5Os dois discos formaram a base do repertório para a turnê pelos Estados Unidos e que gerou o Wings Over America, além de consolidar o Wings como uma das grandes forças criativas e bem sucedidas nas paradas da década de 70. Canções como Letting Go, Rock Show, Silly Love Songs e Let ‘Em In, são instantaneamente reconhecidas por qualquer um que conheça minimamente o som que era tocado naquela época ou nas FMs “adultas” de hoje.

 

Quase reatando com Lennon e gravando com John Bonham 

Se Venus and Mars tem o climão de New Orleans (onde foi gravado quase na totalidade) e entrou para a história como o momento mais próximo de ter a parceria Lennon e McCartney reatada, Speed of Sound solidificou a volta de McCartney como força comercial.

Os highlights do material bônus são:  Going To New Orleans (My Carnival), Let’s Love, Baby Face e 4th Of July, do Venus and Mars; e Must Do Something About It (com Paul no vocal) , She’s My Baby (demo) e Beware My Love (com John Bonham na bateria), do Speed of Sound; todas nunca lançadas oficialmente.

 

Além disso, as filmagens das gravações da canção My Carnival e as cenas de Paul e Linda no Mardi Grass prometem.

Abaixo os setlists dos dois lançamentos em seus vários formatos (CD duplo, vinil duplo, box deluxe e versão digital).

PS: Os preços ainda podem variar muito nestes momentos de pre-order, mas pode esperar algo em torno dos US$ 100.

 

VENUS AND MARS

VM_deluxeCD 1 – Remastered Album

1.        Venus and Mars
2.        Rock Show
3.        Love In Song
4.        You Gave Me The Answer
5.        Magneto and Titanium Man
6.        Letting Go
7.        Venus and Mars – Reprise
8.        Spirits Of Ancient Egypt
9.        Medicine Jar
10.      Call Me Back Again
11.      Listen To What The Man Said
12.      Treat Her Gently – Lonely Old People
13.      Crossroads

 

vnmT568-8CD 2 – Bonus Audio

1.        Junior’s Farm
2.        Sally G
3.        Walking In The Park With Eloise
4.        Bridge On The River Suite
5.        My Carnival
6.        Going To New Orleans (My Carnival)
7.        Hey Diddle [Ernie Winfrey Mix]
8.        Let’s Love
9.        Soily [from One Hand Clapping]
10.      Baby Face [from One Hand Clapping]
11.      Lunch Box/Odd Sox
12.      4th Of July
13.      Rock Show [Old Version]
14.      Letting Go [Single Edit]
DVD – Bonus Film

1.        Recording My Carnival
2.        Bon Voyageur
3.        Wings At Elstree
4.        Venus and Mars TV Ad

 

SPEED OF SOUND

 

SOS_deluxeCD 1 – Remastered Album

 

1.         Let ‘Em In
2.         The Note You Never Wrote
3.         She’s My Baby
4.         Beware My Love
5.         Wino Junko
6.         Silly Love Songs
7.         Cook Of The House
8.         Time To Hide
9.         Must Do Something About It
10.      San Ferry Anne
11.       Warm And Beautiful

 


CD 2 – Bonus Audio

 

1.         Silly Love Songs [Demo]
2.         She’s My Baby [Demo]
3.         Message To Joe
4.         Beware My Love [John Bonham Version]
5.         Must Do Something About It [Paul’s Version]
6.         Let ‘Em In [Demo]
atsosMPL76455-47.         Warm And Beautiful [Instrumental Demo]

 

DVD – Bonus Film

 

1.          Silly Love Songs Music Video
2.          Wings Over Wembley
3.          Wings In Venice

Livros para o Dia do Rock

Há vários ótimos livros sobre astros de rock no mercado. Indico as biografias de Eric Clapton e Pete Townshend e o Man On the Run (que conta a trajetória de Paul McCartney nos anos 70). Porém, não poderia deixar de citar os bons títulos da editora Nossa Cultura.

Abaixo os releases dos três últimos lançamentos.

Livro Caro MorriseyBruce: No livro, o autor Peter Ames Carlin engloba a amplitude da carreira assombrosa de Bruce Springsteen e explora o íntimo de um homem que conseguiu redefinir gerações de música. Obrigatório para os fãs, BRUCE é uma biografia minuciosamente pesquisada, de leitura quase compulsiva, sobre um dos artistas mais complexos e fascinantes da história da música norte-americana.

Ficha técnica – Bruce
Editora: Nossa Cultura
ISBN: 978-85-8066-119-4
Tradução: Paulo Roberto Maciel Santos
Páginas: 518 Páginas
Formato: 16 x 23
Preço: R$ 59,00

Caro Morrissey: Raymond despeja no papel as desgraças de sua vida numa série de cartas a seu ídolo, o ex-astro dos Smiths, Morrissey. Corre o ano de 1991 e a banda ainda é uma lembrança viva (como até hoje) no coração de fãs como Raymond. Raymond Marks, pois, é um menino normal, de uma família normal, do norte da Inglaterra. Até que, às margens do Canal de Rochdale, jogando o inocente jogo do caça-moscas, Raymond começa a derrocada trágica – mas sempre cômica – de seus anos de adolescência, e a vida dele e de sua mãe nunca mais vai ser a mesma. A Raymond só resta pegar a estrada e, a cada parada, abrir o caderno em que escreve suas letras e, naquelas páginas quase todas em branco, confessar tudo – a história completa da sua tragicômica vida – sempre começando por: “Caro Morrissey…”

Ficha Técnica – Caro Mossissey
Editora Nossa Cultura
ISBN: 978-85-806-6113-2
Formato: 15 x 23
Páginas: 364 páginas
Preço: R$ 55,00

A batalha pela alma dos BeatlesA batalha pela alma dos Beatles: Nesta cativante narrativa, Peter Doggett documenta os dramas humanos da rica e envolvente história do império criativo e financeiro dos Beatles, formado para salvaguardar seus interesses, mas fadado a controlar suas vidas. Da tragédia até o retorno triunfal, dos confrontos judiciais aos sucessos nas paradas, A Batalha pela Alma dos Beatles retrata a história não contada de uma banda e de um legado que nunca serão esquecidos.

Ficha Técnica – A batalha pela alma dos Beatles
Editora Nossa Cultura
ISBN: 978-85-8066-095-1
Formato: 16 x 22,7
Páginas: 512 páginas
Preço: R$ 59,90

O homem deu nome a todos os bichos: A voz rouca de Bob Dylan somada à batida marcante da música Man Gave Names to All the Animals, em português O homem deu nome a todos os bichos, conquistou pessoas de todas as idades pelo mundo a fora. Nela, Dylan descreve e nomeia diversos bichos e brinca com as características marcantes de cada um. Publicada pela editora Nossa Cultura, a obra é toda ilustrada pelos desenhos de Jim Arnosky que misturam a natureza com o lúdico e conquistam o leitor pelo seu humor e detalhismo. Acompanhado de um CD com a canção original, o livro O homem deu nome a todos os bichos promete propiciar uma experiência única que irá divertir e ensinar toda a família.

Ficha Técnica – O homem deu nome a todos os bichos
Editora Nossa Cultura
ISBN: 978-85-8066-096-8
Páginas: 32 Páginas
Formato: 24,8 x 28,5
Preço: R$ 43,00

Same Love – Paul McCartney

Não é por conta do Dia dos Namorados, mas essa música vale ser ouvida. Um dos momentos nos quais Paul escreveu uma letra realmente boa.

 

beautiful_night-cd_2Same Love

If I give my love again to you,
Will it be the same love that we once thought was true?
Will it be the same love?
Will it feel the same, love?
Will it be the same love that you once made to me?

The love you made to me, oo, the love you made to me, the love you made to me, oo,
the love you made to me, oo, the love you made to me, the love you made to me.

If it’s nothing like the first love, we’ll enjoy it right or wrong.
Why keep referring to the worst time when you’ve waited for so long? (for so long, baby)
You’ve waited for so long.

Same Love backThough it may not be as good as new,
But still it must be better than the pain that I went through.
Oh-oh,
Will it be the same love?
Will it feel the same, love?
Will it be the same love that you once made to me?

The love you made to me, oo, the love you made to me, the love you made to me, oo,
the love you made to me, oo, the love you made to me, the love you made to me.

O dia em que Paul McCartney me cumprimentou

Nem sou de comemorar muito a data de hoje (22 de abril), mas em 2012 acabei sendo agraciado com um aperto de mão do gênio Paul McCartney. Claro que, como sempre acontece comigo, não há um registro fotográfico. Estava do lado de fora do hotel onde o ex-beatle estava hospedado, aguardando alguns amigos que iriam dividir comigo um táxi para o segundo show do músico no Estádio do Arruda, no Recife.

Paul in Recife 22 de abril de 2012
A turma do aperto de mão: Solange Guerra, eu, Ana Soave, Marcelo Fróes e Flavix Lobo

Não sou chegado a ficar naquelas filas nos lobbys dos hotéis esperando o astro passar por você em um momento que muitas vezes não dura 10s. Então fiquei do lado de fora enquanto os companheiros de show não saiam do hotel. Eis que Paul sai do saguão, entra em um dos carros que faziam parte do comboio que o levaria até o local do concerto. Ele acena para alguns fãs e os carros começam a se mover. Sem nenhuma razão aparente o comboio dá uma parada, Paul abre a janela, coloca a mão para fora do carro e aperta a mão da pessoa que estava ao meu lado. Quase que instintivamente estiquei a mão e o rapaz de Liverpool também me cumprimenta com um breve aperto de mão.

Meus amigos de dentro do hotel não acreditaram, mas acabei ganhando um presente.

Nem parece que já se passaram dois anos.

PS: Vou comemorar mesmo é o aniversário da entrevista com ele em Londres! 🙂

Paul McCartney anuncia novos shows

Depois de oficializar uma série de concertos na América do Sul, México e Costa Rica, Sir Paul McCartney confirma apresentações no Japão, Coréia do Sul e Estados Unidos, em maio,  junho e julho. Pelo jeito a plha do velhinho (que avisa que mais datas serão confirmadas em breve) não acaba unca (aleluia!).

 

As datas

17 e 18 de maio – National Stadium, Tóquio
24 de maio: Yanmar Stadium Nagai, Osaka
28 de maio:  Jamsil Sports Complex Main Stadium, Coréia do Sul
19 de junho: The Smoothie King Center, Nova Orleans
26 de junho: Yum! Center, Louisville, KY
5 de julho: Times Union Center, Albany, NY
7 de julo: Consol Energy Center, Pittsburgh, PA

 

Paul McCartney na América do Sul (e eu em vídeo)

Eu e Paul no Chile

*Adicionado o show de Montevidéu

Depois de visitas anuais iniciadas em 2010, parece que Paul McCartney vai dar um descanso aos bolsos de seus fãs brasileiros em 2014 (pelo menos até a Copa). Até o momento já foram confirmados shows no Chile, Peru, Equador e Costa Rica. Além dessas apresentações, ainda há chance dele se apresentar no Uruguai (show confirmado para o dia 19 de abril).

Como sempre acontece, Paul gravou mensagens para convocar os fãs para seus shows. O interessante é que na chamada do Chile o primeiro frame mostra a minha imagem com a camisa do Liverpool (de novo). Já estou pensando em cobrar direito de imagem.

Abaixo as datas e os vídeos que Paul fez para cada apresentação.

19 de abril – Estádio CentenárioMontevidéu – Uruguai
21 e 22 de abril
– Arena Movistar – Santiago – Chile
25 de abril – Estádio Nacional – Lima – Peru
28 de abril – Estádio de Liga – Quito – Equador
1 de maio – Estádio Nacional – San Jose – Costa Rica

Os vídeos:

Chile e eu

Peru

Equador

Costa Rica

Uruguai

Van Morrison ajuda ex-guitarrista de Paul McCartney

Henry McCullough shot on locationHenry McCullough, de 70 anos, recrutado por Paul McCartney para ser o primeiro guitarrista da sua banda pós-Beatles, Wings, sofreu um ataque do coração em 2012 que ocasionou perda de oxigênio no cérebro, deixando-o em uma cadeira de rodas e sem conseguir falar pelo resto da vida. Ao contrário do que poderia se esperar, não foi Paul, mas sim o também músico Van Morrison quem ajudou a família do guitarrista, financiando uma reforma na casa onde McCullough e sua esposa vivem.

Van Morrison pode até não ter muito talento (há controvérsias), mas, com certeza, tem um bom coração.

Para quem não sabe quem é McCullough, é dele o solo da canção My Love (um dos grandes sucessos do Wings) e da frase “I don’t know, I was really drunk at the time”, ouvida no fim da canção Money, do Pink Floyd.

PS: Todas as piadas internas sobre “Van” foram para o amigo Antonio Carlos Ramos.

Grammy 2014 – O ano do Daft Punk e de Paul McCartney

indicados-grammy-2014A 56ª cerimônia de entrega dos prêmios Grammy confirmou a tendência mundial de criar eventos onde o maior número possível de artistas vá para casa com algum troféu. Foram 82 categorias, dominadas por nomes como Jay Z, Lorde e os robôs do Daft Punk. Houve também uma certa overdose de Bruno Mars e a certeza de que a música perdeu o rumo em algum momento da história.

Uma das coisas inexplicáveis da cerimônia foi o pouco espaço dado ao cantor e ator LL Cool J, que já havia feito um bom trabalho como mestre de cerimônias em outras edições, mas que foi um mero coadjuvante este ano. Mesmo assim, no geral o Grammy foi bastante agradável, opinião que é contestada por muita gente que apenas gosta de música, mas não é tão ligada ao assunto.

Paul McCartney Grammy Awards 2014Pontos altos: as vitórias do Daft Punk, a apresentação inspirada no Cirque du Soleil de Pink, a beleza de Taylor Swift e Julia Roberts e alguns segmentos musicais, principalmente quando comandados por veteranos. Stevie Wonder, Willie Nelson, Carole King, Ringo Starr e Sir Paul McCartney, são a prova daquela perda de rumo que citei no primeiro parágrafo. Perto deles, as atrações mais atuais pareceram pálidas e até mesmo Madonna não segurou bem a onda.

Velhinhos se destacam

Como acontece todos os anos, vários das mais de 80 estatuetas são distribuídas em uma cerimônia que acontece antes da festa principal que é transmitida pela TV. É nesta premiação que alguns dos prêmios mais importantes para quem gosta mesmo de música são conhecidos. Este ano, embora pouca gente tenha visto, artistas como Led Zeppelin, Black Sabbath, Ben Harper e Charlie Musselwhite.

Beyonce-JayZ-GRAMMYSó neste pré-Grammy Paul McCartney já saiu com quatro Grammy por seus trabalhos solo e com os Wings, além de ter contribuído em muito para o ganho pelo projeto Sound City (Melhor Trilha Sonora). Com isso, podemos considerar que Macca já chegava na cerimônia com cinco prêmios e ainda ganharia mais um pelos 50 anos da chegada dos Beatles aos EUA, além de estar na briga pelo Grammy de melhor canção de rock. Como ele também levou esse, foi para casa com um total de seis prêmios, o melhor desempenho de sua carreira e de toda a cerimônia.

Boas apresentações

As performances musicais foram acima da média. Carole King, a gangue de veteranos músicos country, a bela homenagem ao falecido Don Everly e a sensacional aparição de Nile Rodgers, Pharrell Williams e Stevie Wonder, com o Daft Punk, que pôs todo mundo para dançar. Carole King mostrou que ainda é uma grande compositora/intérprete e que os ex-beatles mantêm a magia, mesmo quando tocando uma canção que não faz jus ao que a banda produziu nos anos 60.O grand finale também manteve o alto astral. Dave Grohl, Queens of the Stone Age, Nine Inch Nails e Lindsay Buckingham, do Fleetwood Mac, mandaram muito bem.

PinkÉ difícil condensa uma festa desse tamanho em poucas palavras, mas o Grammy, depois de um período muito fraco, deu a volta por cima e passa novamente a valorizar (na maioria das vezes) os melhores em cada categoria.

Alguns dos pontos altos da premiação

Melhor Performance de Rock: Imagine Dragons – Radioactive

Melhor Performance de Metal: Black Sabbath – God Is Dead?

Melhor Canção de Rock: Nirvana / Paul McCartney – Cut Me Some Slack

Melhor Álbum de Rock: Led Zeppelin – Celebration Day

Melhor Álbum de Blues: Ben Harper with Charlie Musselwhite – Get Up!

Melhor Trilha Sonora: Dave Grohl & co – Sound City – Reel To Reel

Melhor Caixa ou Edição Limitada: Paul McCartney & Wings – Wings Over America (Deluxe Edition)

Melhor Álbum Histórico: Rolling Stones – Charlie Is My Darling, and Bill Withers – The Complete Sussex And Columbia Albums

Melhor Álbum Surround: Paul McCartney – Live Kisses

Melhor Filme Musical: Paul McCartney – Live Kisses

Confira aqui todos os vencedores