Arquivo da tag: George Harrison

Monty Python ganha biografia

Talvez os mais jovens estejam se perguntando: “o que diabos é Monty Python?”. O Monty Python é/foi um grupo humorístico inglês que revolucionou o jeito de fazer graça na TV (entre 1969 e 1974) e no cinema (entre 1975 e 1983), influenciando gente como o ex-beatle George Harrison, o comediante e ator Tom Hanks, os comediantes do Saturday Night Live e as mentes que criaram o TV Pirata e Casseta & Planeta – afinal, o humor começou muito antes do Porta dos Fundos. Lançado originalmente em 2003, Monty Python – Uma Autobiografia Escrita Por Monty Python, ganhou versão brasileira no início do ano, com prefácio do cronista Antonio Prata e de Gregório Duvivier, do já citado Porta dos Fundos.

As informações acima podem gerar uma outra dúvida: por que fazer uma crítica de um livro lançado em 2003 e que chegou ao Brasil em janeiro, quando já estamos em março? A resposta merece um parêntesis.

Abre parêntesis

Sempre que possível faço criticas de discos, filmes, shows, peças de teatro e livros. Porém, diferentemente de muitos veículos de comunicação que até gozam de certo prestígio, não escrevo sobre nada que não tenha lido, ouvido ou assistido. Não acho justo com o artista, escritor e, principalmente, com o leitor. Reproduzir as informações contidas em um release é fácil, mas está longe de poder ser considerado jornalismo. Portanto, você jamais irá ler uma crítica no F(r)ases sobre algo que não tenha sido verdadeiramente analisado. Se você vai concordar ou não é outra história.

Fecha parêntesis

 

Formado pelos britânicos Eric Idle, Graham Chapman, John Cleese, Michael Palin, Terry Jones e pelo americano e Terry Gilliam (responsável pelas ilustrações que tornavam o humor do grupo ainda mais único), o sexteto mudou o mundo e tinha uma química tão poderosa que George Harrison dizia acreditar que o espírito dos Beatles havia reencarnado no Monty Python, já que eles se reuniram no mesmo ano no qual os Fab Four se separaram. Harrison era tão fã do grupo que chegou a criar uma produtora de cinema e a hipotecar a sua casa para produzir o filme A Vida de Brian, o que, segundo os Pythons, deve ter sido o ingresso de cinema mais caro da história.

Spam e outros quadros

Mas, provavelmente, a maior contribuição dos Pythons (como eles se chamavam) foi a inclusão da expressão spam na vida de praticamente todos os moradores da Terra que usem a internet. A expressão spam/caixa de spam foi adotado por cause de um esquete do grupo onde um casal vai até uma taberna viking onde todos os pratos são servidos com spam (uma marca de carne suína enlatada, popular e de má qualidade). Depois do esquete, o spam (Sending and Posting Advertisement in Mass, ou enviar e postar publicidade em massa, ou ainda Stupid Pointless Annoying Messages) foi incorporado aos leitores de e-mail de todo o mundo.

O livro – publicado pela editora Realejo – sofre com algums problemas de tradução, especialmente nos nomes dos quadros que fizeram a fama dos Pythons, mas nada que atrapalhe o entendimento do espírito da coisa, como A Inquisição Espanhola, O Papagaio Morto, O Ministério das Caminhadas Tolas ou a Canção do Lenhador (The Lumberjack Song), a minha preferida.

Outro detalhe do livro é que a narrativa, apesar de cronológica, não é linear. Todo o texto é baseado em entrevistas dos membros vivos e nos relatos do diário e de familiares de Graham, morto em 1989, o que faz com que cada tópico seja comentado por cada um dos membros do grupo, muitas vezes mais de uma vez, e exige uma atenção extra para lembrar quem falou o que. Uma bagunça organizada, bem ao estilo Python.

 

Eric Idle, Graham Chapman, Michael Palin, John Cleese,, Terry Jones e Terry Gilliam

Flying Circus e a conquista do cinema

 

O legado do Monty Python vai desde as esquetes criadas para o Monty Python’s Flying Circus (transmitido pela BBC entre 1969 e 1974), como as citadas anteriormente, mas também pelos filmes produzidos para o cinema e que foram, em alguns aspectos ainda mais brilhantes que os exibidos no programa de TV. Em Busca do Cálice Sagrado (1975), A Vida de Brian (1979) e, em menor escala, O Sentido da Vida (1983), são obras que não envelhecem e que estão entre o melhor que o humor já levou para as telas. Há também o Monty Python Ao Vivo no Hollywood Bowl (1982), mas esse é uma coletânea de esquetes e não um filme propriamente dito.

Provavelmente você vai lembrar de algumas das cenas que espalhei pelo post ou, pelo menos, notar semelhanças em muitos outros quadros e piadas de humoristas mais jovens.

A vida após o Monty Python

Com a morte de Chapman uma reunião verdadeira dos Pythons se tornou impossível, embora os sobreviventes tenham, vez ou outra, se encontrado para algum projeto. Porém, a atividade dos comediantes após a sua separação oficial foi sempre intensa e muitas vezes contando com a participação de algum dos antigos companheiros. Filmes de sucesso como Um Peixe Chamado Wanda, Brazil, As Aventuras do Barão de Munchausen, são alguns dos projetos nos quais pelo menos um dos Pythons esteve envolvido. Além desses filmes, há de se destacar as participações de John Cleese como M em alguns filmes da série James Bond, o especial de TV Rutles: All You Need is Cash (no qual Idle e amigos fazer uma paródia dos Beatles, com a participação de gente como Paul Simon, Mick Jagger e, claro, George Harrison). Cleese, talvez o mais ativo dos Pythons, também protagonizou a série de TV Fawlty Towers e fez aparições em outros programas como Cheers e 3rd Rock from the Sun.

Reconhecimento da classe

Os membros do Monty Python ganharam o reconhecimento definitivo dos colegas de profissão quando, em 2005, uma pesquisa feita com 300 outros comediantes, produtores, escritoires e diretores, colocou três dos seis Pythons entre os 30 melhores comediantes em lingua inglesa de todos os tempos: Cleese na posição 2, Idle na 21, e Palin na número 30.

Monty Python – Uma Autobiografia Escrita Por Monty Python conta muitos detalhes e curiosidades sobre a vida e carreira do grupo (quase totalmente) inglês e é uma leitura muito interessante, embora exija, como já foi dito, uma certa atenção. Creio que os vídeos e áudios que complementam esse post sirvam para ajudar a entender porque eles alcançaram o status de um dos melhores (senão o melhor) grupo humorístico de todos os tempos.

Monty Python – Uma Autobiografia Escrita Por Monty Python
Editora: Realejo
Páginas: 432 páginas
Preço sugerido: R$ 69,90

Mais dos Pythons

 

Anúncios

Novidade vindo por aí: George Harrison – The Apple Years

George Harrison - The Apple YearsDepois do anúncio dos dois novos relançamentos da discografia de Paul McCartney (leia aqui), agora é a vez da confirmação de um novo box de George Harrison. The Apple Years – que vai contar com os sete CDs lançados pelo ex-beatle com o selo Apple, além de um DVD com conteúdo ainda desconhecido – será uma bela companhia para a caixa The Dark Horse Years, lançada em 2004.

A nova caixa (que você pode ver em destaque numa foto postada por Dhani Harrison no fim do mês passado) virá com os seguintes títulos:

1. Wonderwall Music
2. Electronic Sound
3. All Things Must Pass
4. The Concert For Bangladesh
5. Living in the Material World
6. Dark Horse
7. Extra Texture (Read All About It)

Georhe Harrison - The Dark Horse YearsComo disse, o conteúdo do DVD ainda é um mistério, mas há boatos de que viria com trechos da malfadada turnê de George pelos Estados Unidos, em 1974.

O único porém é que a data inicial para o lançamento da caixa é 25 de setembro, apenas três dias após os lançamentos de McCartney, o que pode prejudicar um pouco as vendas, já que o produto é direcionado aos fãs mais sérios e as versões da Paul McCartney Archive Collection já estão em pré-order.

Haja dinheiro!

George Harrison – 70 anos

George+Harrison 70 IO mais quieto e espiritual dos Beatles, o caçula George Harrison, completaria hoje 70 anos, caso não tivesse sido vítima de um câncer e falecido em 2001. Os rótulos citados no início do parágrafo são apenas isso: rótulos.

George era uma pessoa complexa e que passou toda a sua vida pós-Beatles, se recusando sempre a participar ou admitir a participação em qualquer projeto que envolvesse uma possível volta do grupo. Sua aparição no projeto Anthology só aconteceu – e mesmo assim com muitas restrições, impedindo até mesmo o lançamento de uma terceira gravação inédita, que seria uma composição sua em parceria com o desafeto Paul McCartney – por conta da possibilidade de falir.

Musicalmente, Harrison foi brilhante em alguns momentos e verdadeiramente medíocre em outros (como acontece com qualquer astro pop).

Mas, melhor que tentar analisar a vida e a obra dele, vale recomendar o ótimo documentário Living in the Material World (dirigido por Martin Scorsese) e ouvir alguns de seus melhores álbuns (All Things Must Pass, George Harrison e Cloud Nine).

Valeu por tudo, George.

R.I.P. Ravi Shankar

ravishankarTudo bem que música indiana pode ser chata em certos momentos, mas Ravi Shankar era o maior ícone da música oriental no ocidente, além de ter tido uma participação importante no desenvolvimento de George Harrison. Sua morte, divulgada neste 12.12.12, é mais um reforço para o Festival Céu-Inferno 2012 que, pelo jeito, vai demorar uma eternidade para acabar.

 

 

O volume 1 das raridades da carreira de George Harrison

Idealizado para servir de complemento ao ótimo documentário Living In The Material World (dirigido por Martin Scorsese sobre o Quiet Beatle, George Harrison), o CD Early Takes Volume 1 (Universal) reúne demos e takes inéditos de canções, na sua maioria, compostas por Harrison.

Produzido por Giles Martin, filho do lendário produtor e eterno quinto beatle, Sir George Martin, esse primeiro volume – há a promessa de mais lançamentos, embora sem qualquer cronograma ou datas para sua chegada ao mercado – tem como foco principal as músicas que fizeram parte do disco All Things Must Pass, o álbum triplo que marcou o início da carreira solo de Harrison e que é até hoje considerado seu melhor trabalho.

Ao contrário do que se pode pensar em um primeiro momento, Early Takes Volume 1 não é um disco apenas para os fãs de carteirinha dos Beatles, embora estes tenham sido os mais favorecidos com o lançamento. A inclusão de demos e ensaios de canções como My Sweet Lord, All Things Must Pass e I’d Have You Any Time, traz uma nova luz sobre o processo de criação e gravação dessas músicas, antes da inclusão do ‘muro sonoro’ característico do produtor Phil Spector, responsável pelo álbum All Things Must Pass.

Apesar de vários desses registros já rodarem nas mãos de colecionadores em edições raras e bastante completas, o lançamento, de maneira oficial e com a chancela da viúva de Harrison, Olívia, e a masterização feita pela equipe do também lendário estúdio de Abbey Road, dão outro peso e vida ao material do disco, que acaba se tornando uma ótima maneira de conhecer o processo criativo de um dos ícones do rock mundial.

Ainda há discos de Harrison fora de catálogo e alguns vídeos de apresentações ao vivo que merecem uma edição caprichada. Tomara que Olivia e Giles não demorem muito.

Uma versão editada deste texto foi publicada no jornal O Fluminense.