Circulação de jornais cai de novo nos EUA

No entanto, títulos como o Wall Street Journal tiveram resultado positivo, graças às inovações

A circulação de jornais dos Estados Unidos segue caindo, de acordo com os dados mais recentes do Audit Bureau of Circulations. O total da queda foi de 5% na comparação dos seis meses encerrados em setembro de 2010 com o mesmo período de 2009.

A notícia menos ruim é que o ritmo da queda está diminuindo. No relatório anterior, divulgado no primeiro semestre deste ano, ela foi de 8,7% e segundo semestre do ano passado havia chego a 10,6%.

Dentre as maiores circulações, nenhuma mudança nas primeiras posições. O Wall Street Journal foi bem e teve uma alta de 1,82%, na carona de inovações como a seção Grande Nova York, que está ajudando a mudar o foco do jornal de economia para notícias gerais.

O WSJ fechou com 2,06 milhões de examplares de circulação média diária. O USA Today manteve a segunda posição, com 1,83 milhões de exemplares, o que representou uma queda de 3,7%. O New York Times está na terceira posição, com 876,6 mil, uma queda de 5,5%.

As informações são do Meio & Mensagem

Na sequência do ranking aparecem Los Angeles Times, Washington Post, New York Daily News, New York Post, San Jose Mercury News, Chicago Tribune e Houston Chronicle.

Anúncios

FENAJ e Fitert entram com ação para regulamentar comunicação e direito de resposta

Tava na hora

A FENAJ e a Federação Interestadual dos Trabalhadores em Empresas de Radiodifusão e Televisão (Fitert) ingressaram com Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (Adin) junto ao Supremo Tribunal Federal, no dia 19 de outubro, questionando a omissão do Congresso Nacional na regulamentação dos artigos da Constituição Federal que dispõem sobre a Comunicação Social. Encaminhada pelos advogados Fábio Konder Comparato e Georghio Alessandro Tomelin, a Adin pretende, também, a regulamentação do direito de resposta.

Na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão, as entidades sustentam que, com a revogação da Lei de Imprensa pelo STF, a regulamentação do direito de resposta – constante do artigo 5º, inciso V, da Constituição – ficou prejudicada, deixando de existir um parâmetro legal para que os tribunais possam decidir-se, quando e como tal direito fundamental é efetivamente aplicado.

As entidades pedem que o STF “declare a omissão inconstitucional do Congresso Nacional em legislar sobre as matérias constantes dos artigos 5°, inciso V; 220, § 3º, II; 220, § 5°; 211; 222, § 3º, todos da Constituição Federal, dando ciência dessa decisão àquele órgão do Poder Legislativo, a fim de que seja providenciada, em regime de urgência, na forma do disposto nos arts. 152 e seguintes da Câmara dos Deputados e nos arts. 336 e seguintes do Senado Federal, a devida legislação sobre o assunto”.

Segundo o presidente da FENAJ, Celso Schröder, a Adin tem o objetivo de provocar o Judiciário, o Congresso Nacional e a sociedade para o debate e regulamentação de dispositivos constitucionais sobre a comunicação. “Na Constituinte de 1988, os legisladores deixaram clara a necessidade de regulamentar e avançar na democratização da comunicação no Brasil, mas passados mais de 20 anos o Congresso Nacional protela essa regulamentação”, reclama.

Band on the Run volta em ‘vários sabores’

Para muitos, Band on the Run é o Álbum Branco ou o Sgt. Pepper’s da carreira solo de Paul McCartney. Para outros é um dos melhores discos de rock de todos os tempos.

Todos estão certos. Band on the Run é uma obra prima, uma mostra de que havia mesmo vida após os Beatles. Paul, Linda e Denny Laine (formação dos Wings na época)foram até a Nigéria e formataram um dos mais sólidos discos lançados pelos ex-integrantes do Quarteto de Liverpool.

Agora em novembro, começam os relançamentos da discografia de Paul (solo e com os Wings) e o primeiro título é exatamente esse disco, lançado no fim de 1973 e que foi escolhido pela revista Q como um dos 100 melhores discos de rock de todos os tempos.

Serão três versões (uma delas que só pode ser encontrada no site oficial do artista) e outras duas que serão lançadas no Brasil.

Leia o release oficial da Universal, gravadora responsável pelos relançamentos de Paul.

“Band On The Run” é o primeiro relançamento do Paul McCartney Archive Collection

Supervisionado pessoalmente por Paul McCartney, as reedições de sua obra – Paul McCartney Archive Collection -começam com o vencedor do Grammy “Band on the Run”, álbum originalmente lançado com os Wings em 1973. O disco, que chegou ao 1º lugar no chart Top Album da Billboard na época, foi remasterizado digitalmente no Abbey Road Studios, em Londres. O lançamento chega ao Brasil em dois formatos: Standard CD (digipak incluindo libreto de 16 páginas com todas as letras e novas fotos) e Especial CD duplo + DVD (CD contendo o álbum original e um disco bônus com nove faixas, incluindo o single “Helen Wheels” e DVD em digipak com libreto de 24 páginas, reunindo quatro vídeos – Band On The Run, Mamunia, Album Promo, Helen Wheels –, cenas de bastidores dos Wings durante gravações e sessões de fotos e documentário produzido pela BBC com performances em estúdio de 1974). Paul McCartney é o compositor e artista de maior sucesso na história da música popular, responsável por vendas superiores a 70 milhões de unidades. Em 7 de novembro, Paul McCartney se apresenta em Porto Alegre e, dias 21 e 22 de novembro, em São Paulo, com o show de seu último trabalho, “Good Evening NY City”. Saiba mais em www.paulmccartney.com.

Leia mais sobre os novos lançamentos de McCartney.

Internet corresponde a 7% do PIB do Reino Unido

Mais de 7% do Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido é gerado pela internet. De acordo com um estudo encomendado pelo Google e divulgado nesta quinta-feira 28, todas as movimentações e negócios de empresas de internet geram ao país uma receita de 115 bilhões de euros (100 bilhões de libras), quantia que equivale a 7,2 do PIB britânico.

Segundo o relatório, elaborado pelo Boston Consulting Group (BCG), tanto o consumo de internet como os pagamentos feitos aos provedores de serviços, conseguiu atingir uma importância financeira mais importante do que os setores de construção, dos transportes e da indústria de serviços domésticos do Reino Unido.

A previsão é de que, no ano de 2015, os negócios da internet correspondam a 10% do PIB britânico. Atualmente, a região é a líder mundial de comercialização online.

As informações são do Meio & Mensagem

Uma carta de vinhos honesta: Rede Mercure de hotéis

A carta está valendo desde junho e só agora, depois da terceira visita, é que resolvi postar aqui.

A seleção foi feita pela francesa Corinne Lefort, que há 8 anos é conselheira enóloga da Accor, dona da rede de hotéis. Corinne é considerada uma das 10 melhores sommeliers do mundo e já publicou 2 livros sobre os vinhos: Champagne pommery e Grands Palais.

As opções são poucas – apenas 14 rótulos – e ai é que está a sua grande qualidade. Há opções para todos os gostos e bolsos, sem deixar os menos entendidos com aquela dúvida sobre o que pedir. Na sua maioria, os rótulos são da América do Sul, o que foi uma decisão inteligente, pela qualidade, preço e gosto do brasileiro médio.

Eles estão divididos em quatro categorias: frescos e marcantes, equilibrados e refrescantes, frutados e leves e aromáticos e encorpados.

Os rótulos são: Nederburg Winemaster’s Chenin, Cisplatino Torrontés 2008, Nativa Terra Reserva Cabernet Sauvignon, Nieto Senetiner Chardonnay, Terrazas Chardonnay, Humberto Canale Estate Pinot Noir, Leyda Reserve Pinot Noir, Nieto Senetiner Bonarda, Uxmal Malbec 2008, Santa Alvara Chardonnay 2007, Vallontano Reserva Merlot 2005, Chandon Passion, La Flor Cabernet Sauvignon e Catena Malbec 2006.

PS: Em uma das minhas visitas, foi possível pedir um vinho que não estava na carta: o Punto Final Malbec. Recomendo.

O que muitos jornalistas precisam saber

Vivendo e aprendendo. Infelizmente é preciso ensinar para algumas pessoas, mesmo que não queiram (ou achem que não precisam) aprender. O artigo linkado abaixo deve(ria) fazer muita gente (re)pensar suas carreiras.

Pra começar, aprenda inglês.

There’s More to Being a Journalist Than Hitting the ‘Publish’ Button

Ringo Starr, B. B. King e America chegam em DVDs ao vivo

Série de lançamentos faz parte da série gravada para o programa Soundstage

A gravadora Lab 344 acaba de colocar no mercado uma série de DVDs gravados por grandes astros da música para o programa Soundstage, da TV americana. Gravados em alta definição e com som 5.1 os show capturam os artistas interpretando seus maiores sucessos em apresentações recentes.

Ringo Starr

O baterista dos Beatles faz mais uma apresentação misturando sucessos da carreira solo (sim, ele teve alguns) e canções lançadas pelo Fab Four. Lançado originalmente em 2009, esse DVD traz Starr acompanhado do grupo Roundheads mais Joe Walsh (guitarrista dos Eagles e seu cunhado)e, apesar dos inúmeros DVD ao vivo lançados pelo baterista, esse se destaca pela qualidade de imagem e pela inclusão de canções pouco tocadas como Back Off Bugaloo e Don’t Pass Me By. Uma boa escolha para quem acha que os Beatles eram apenas Lennon, McCartney e Harrison.

America

Quem não foi a nenhum dos shows que a dupla realizou no Brasil este ano, pode ter uma ideia do que perdeu com esse DVD. Gravado em Chicago, com a participação especial de outro ícone dos anos 70/80, Christopher Cross, a apresentação se parece em muito com as do Brasil, com a vantagem de ser mais longa e poder ser repetida quantas vezes quisermos. Não cansa assistir A Horse With No Name, I Need You e Only in Your Heart, por exemplo.

B. B. King

O Rei do blues aparece em um programa onde, em pouco mais de 1 hora, desfila solos na sua guitarra Lucille. Apesar de bem filmado e editado, é o lançamento menos interessante do pacote, já que já havia lançado um registro em DVD onde desfilava sua habilidade e intimidade com a guitarra. Mesma assim, o show desse Soundstage – assim como todos do mestre – não decepciona, nem que pelos convidados: Terrence Howard e Richie Sambora.

Serviço:
DVDs da série SoundStage
Gravadora: Lab 344
Preço: R$ 25

Um texto similar foi publicado no Portal R7

Prêmio Embratel 2010 – Finalistas

Saiu a lista com os finalistas do Prêmio Embratel de jornalismo, um dos mais importantes do país. Esse ano, provavelmente por conta dos problemas com o Canecão, a festa de premiação acontecerá no Museu Histórico Nacional (no Rio), no dia 10 de novembro.

Segundo o Sindicato dos Jornalisytas Profissionais do Município do Rio de Janeiro, a 12ª edição do Prêmio Imprensa Embratel distribuirá R$ 166 mil (valor bruto) para trabalhos jornalísticos em 17 categorias e no Grande Prêmio Barbosa Lima Sobrinho.

Veja os finalistas

Jornal e Revista

– PROVA DO ENEM VAZA E MINISTÉRIO ANUNCIA CANCELAMENTO DO EXAME (dos repórteres Renata Cafardo e Sergio Pompeu do jornal O Estado de São Paulo).

– CRACK – A PRAGA QUE CONSOME O PAÍS ( dos repórteres Edson Luiz, Alana Rizzo,  Renata Mariz, Samanta Sallum, Guilherme Goulart e a equipe de 12 repórteres do jornal Correio Braziliense).

– CURIÓ ABRE ARQUIVO E REVELA QUE EXÉRCITO EXECUTOU 41 NO ARAGUAIA (do repórter Leonencio Nossa, do jornal O Estado de São Paulo).

Televisão

– FRAUDE NO PROUNI (da repórter Renata Cafardo e equipe da TV Globo).

– BIOPIRATARIA: NATUREZA ROUBADA (do repórter Roberto Maltchik e equipe da TV Brasil).

– OS GENERAIS FALAM (do repórter Geneton Moraes Neto e equipe da TV Globo News).

Jornalismo investigativo

– OS SEGREDOS DO MENSALÃO DE ARRUDA (dos repórteres Andrei Meireles, Marcelo Rocha e Murilo Ramos, da revista Época).

– ESCÂNDALO NO DF – Caso Arruda (dos repórteres Matheus Leitão, Rodrigo Haidar, Érika Klingl, Lucas Ferraz, Fred Raposo, Gustavo Gantois e Priscila Borges, do site IG)

– DIÁRIOS SECRETOS – Assembléia encobre metade de seus atos em diários suspeitos (dos repórteres James Alberti, Kátia Brembatti, Karlos Kohlbach, Gabriel Tabatcheik e equipe de 11 repórteres do jornal Gazeta do Povo – impresso/online e RPCTV, de Curitiba).

– SENADO USOU 300 ATOS SECRETOS PARA BENEFICIAR AMIGOS – Caso Sarney (dos repórteres Rosa Costa, Leandro Colon, Rodrigo Rangel e equipe do jornal O Estado de São Paulo).

Reportagem econômica

– SUA AGENDA, SR. PRESIDENTE – (dos repórteres Vicente Nunes, Ricardo Allan, Vânia Cristino, Letícia Nobre, Liana Verdini, Deco Boncillon, Karlos Mendes, Victor Martins e Luciano Pires, do jornal Correio Braziliense).

– A CLASSE MÉDIA QUE VOCÊ PRECISA CONHECER – Um mergulho na nova classe média (dos repórteres Marcos Todeschini e Alexa Salomão, da revista Época Negócios).

– MILAGRE SÓ NÃO BASTA – Pib de dois dígitos não garantiu salto do Brasil para posição de destaque no mundo em 40 anos (dos repórteres Cássia Almeida, Cristina Alves e equipe de 25 repórteres do jornal O Globo )

Responsabilidade socioambiental

-À SOMBRA DAS MANGUEIRAS DO VALE (da repórter Helen Martins e equipe da TV Globo).

– A VINGANÇA DO SARAPUÍ (da repórter Flávia Junqueira, do jornal Extra)

– LIXO – Série (dos repórteres Beatriz Castro, Renata Vasconcellos, Beatriz Thielmann, Roberto Kovalick e Alan Severiano, da TV Globo)

Reportagem esportiva

– UMA ESTRELA A CAMINHO DO OURO EM 2016 – Jovem campeã não tem pista para treinar (das repórteres Daniela Dariano, Amanda Pinheiro, Ricardo Albuquerque, Tamara Menezes e Maria Luisa Barros, do jornal O Dia).

– EXEMPLO PARA TODOS – Série especial sobre portadores de deficiência (do repórter Erich Onida, do jornal Lance).

– HISTÓRIAS DAS COPAS (do repórter Thiago Uberreich, da rádio Jovem Pan)

– HOMENAGEM A GABRIEL BUCHMANN (do repórter Clayton Conservani, da TV Globo)

Reportagem fotográfica

– LUTO NO AFROREGGAE – Menino chora ao tocar na homenagem a Evandro (do repórter fotográfico Marcos Tristão, do jornal O Globo).

– BATIDA LANÇA MOTOCICLISTA A 30 METROS (do repórter fotográfico Ricardo Medeiros, do jornal Notícia Agora, de Vitória).

– FAROESTE CARIOCA – Troca de tiros na Avenida Brasil, em Guadalupe (do repórter fotográfico Alexandre Vieira, do jornal O Dia)

Reportagem cinematográfica

– MORRO DO BUMBA (dos repórteres cinematográficos Lucas Louis  e Julio Aguiar, da TV Globo)

– PÂNICO, TIROTEIO E MORTE NO CENTRO DE BELÉM (do repórter cinematográfico Jorge Elias, da TV Record).

– TRAFICANTES DERRUBAM HELICÓPTERO DA POLÍCIA (dos repórteres cinematográficos Junior Alves e Alex Oliveira, da TV SBT).

Rádio

– OS EXILADOS DA DOENÇA (dos repórteres Larissa Bortoni e Rodrigo Resende, da Rádio Senado).

– SISTEMA PARALELO DE ADOÇÕES ILEGAIS ESCONDE COMÉRCIO DE BEBÊS (do repórter José Renato  Ribeiro  , da Rádio Gazeta AM, de Santa Cruz do Sul/RS).

– QUANDO A SOMBRA CAI – A história da tortura no Brasil (do repórter Sérgio Vieira, da Rádio Senado).

Jornalismo cultural

– INQUISIÇÃO – NO RASTRO DOS AMALDIÇOADOS ( dos repórteres Cláudio Ribeiro, Luiz Henrique Campos, Ana Mary C. Cavalcante e Demitri Túlio, do jornal O Povo).

– A ATUALIDADE DE JOAQUIM NABUCO (do repórter Vandeck Santiago, do jornal Diário de Pernambuco).

– CALEM-SE – Como a censura silenciou a música brasileira (dos repórteres Leonardo Cavalcanti, Tiago Faria, Carlos Marcelo  e Ulisses Campbell, do jornal Correio Braziliense).

Tecnologia da Informação, Comunicação e Multimídia – Veículo Especializado

– A PRÓXIMA DÉCADA DA WEB (dos repórteres Roberta Prescott, Felipe Dreher, Gilberto Pavoni Junior, Vitor Cavalcanti e Tagil Oliveira Ramos, da revista InformationWeek).

– A VIDA EM 3G (dos repórteres Renata Leal, Carlos Machado e Kátia Arima, da revista Info-Exame).

– É A HORA DO 3D (dos repórteres Renata Leal, Luiz Cruz, Fernanda Ezabella, Juliano Barreto e  Eric Costa, da revista Info-Exame).

Tecnologia da Informação, Comunicação e Multimídia – Veículo Não-Especializado

– GOOGLE CRIA ATALHO PARA PEDOFILIA NA INTERNET (dos repórteres Mahomed Saigg e Ana D’Ângelo, do jornal O Dia).

– O PODER E OS RISCOS DAS REDES SOCIAIS (dos repórteres Alexandre Mansur, Camila Guimarães, Bruno Ferrari, Fabiana Montes, Daniella Cornachione e Paulo Nogueira – de Londres-, da revista Época).

– TECNOLOGIA – A ÚLTIMA FRONTEIRA (do repórter Fred Figueiroa, do jornal Diário de Pernambuco).

Regional Centro-Oeste

– FRAUDE – DIPLOMA SEM VALOR (dos repórteres Guilherme Goulart, Luísa Medeiros, Rodolfo Borges e Luiz Calcagno, do jornal Correio Braziliense).

– GOIÁS SOFRE COM APAGÃO NA INFRAESTRUTURA (do repórter Vinicius Jorge Sassine, do jornal O Popular).

– ONDE ESTÃO ELES – Desaparecidos de Luziânia (dos repórteres Ary Filgueira, Naira Trindade, Daniel Brito, Adriana Bernardes, Renato Alves, Ariadne Sakkis, Fiego Amorim, Luiz Calcagno e Marcelo Abreu, do jornal Correio Braziliense).

Regional Nordeste

– MÃOS QUE FAZEM HISTÓRIA –  A vida e a obra das artesãs cearenses (das repórteres Germana Cabral e Cristina Pioner, do Jornal Diário do Nordeste).

– MIGUEL ARRAES – O arquivo do exílio (da repórter Andrea Pinheiro, do jornal Diário de Pernambuco).

– O SUPLÍCIO DO PELOURINHO (do repórter Jorge Gauthier e equipe: Alexandre Lyrio, Bruno Wendel, Mariana Rios, Felipe Amorim, Oscar Valporto e Bruno Villa, do jornal Correio, de Salvador).

Regional Norte

– BANZEIRO – Criança sem infância (dos repórteres Castelo Branco e Polari, do jornal Repórter, de Manaus).

– MUTILADOS (do repórter Nyelsen Martins, da TV Record, de Belém).

– SERRA PELADA – A vingança do ouro (do repórter  Nyelsen Martins, da TV Record, de Belém).

Regional Sudeste

– A ESCOLA COMO ELA É (da repórter Letícia Vieira, do jornal Extra).

– CIDADANIA – De frente com a verdade (do repórter Alex Sampaio, da TV Record).

– LEI SECA NÃO REDUZ NÚMERO DE MORTES DE JOVENS NO TRÂNSITO (dos repórteres Cláudio Motta e Vera Araújo, do jornal O Globo).

– O DRAMA DE VIDAS ESTILHAÇADAS (dos repórteres Duilo Victor, Luiz Gustavo Schmitt, Rafael D’Angelo e Dandara Tinoco, do jornal O Globo-Niterói).

Regional Sul

– INFÂNCIA VIRA FUMAÇA – Uso de crack por crianças assusta autoridades (das repórteres Carolina Rocha e Aline Custódio, do jornal Diário Gaúcho).

– OS INFILTRADOS – Os espiões que viveram nas sombras dos anos de chumbo (dos repórteres Carlos Wagner, Carlos Etchichury, Humberto Trezzi e Nilson Mariano, do jornal Zero Hora).

– RIO GRANDE DE EXTREMOS (dos repórteres Rodrigo Lopes e Roberta Salinet, da TV RBS).

Deletérios da vida

Ai vai mais uma palavra que me faz lembrar de muita gente que tem em sua existência o âmago do deletério. Uma coisa que causa danos, nociva.

(de.le.té.ri:o)

1. Que prejudica a saúde; INSALUBRE: “…exposto aos fumos deletérios de carnes chamuscadas…” (João Ubaldo Ribeiro, O conselheiro come.)) [ antôn.: Antôn.: salubre, saudável. ]

2. Que destrói, causa dano (ação deletéria); DANINHO; DANOSO; NOCIVO [ antôn.: Antôn.: inócuo, inofensivo. ]

3. Fig. Que corrompe (doutrinas deletérias); DEGRADANTE [ antôn.: Antôn.: dignificante, engrandecedor. ]

[F.: Do fr. délétère, do gr. deletérios, é, on, ‘nocivo’.]

Zé Renato e Renato Braz lançam trabalho ao vivo

Papo de passarim, gravado em São Paulo, vira CD e DVD

Duas das mais belas vozes masculinas da MPB se uniram para lançar um CD/DVD que parece estar destinado a ganhar prêmios. Numa MPB repleta de cantoras, é com muita alegria que ouvimos Zé Renato (também membro do grupo vocal Boca Livre) e Renato Braz, desfilando um repertório que traz algumas pérolas de grandes compositores da MPB. Ao ouvir Papo de passarim (independente), ficamos com a impressão de que estamos diante de alguns dos melhores momentos de Milton Nascimento, de Wilson das Neves e, claro, de Zé Renato, autores de algumas das canções incluídas no projeto e que explica como ele surgiu.

– Essa parceria vem se desenhando há algum tempo. Conheci o Renato Braz depois que amigos me disseram que a voz dele parecia com a minha. Em 2001 participamos de um projeto cantando o repertório de Silvio Caldas e já deu para sentir uma grande afinidade. Anos depois, ele participou da gravação do DVD do Boca Livre e agora realizamos esse trabalho.

O repertório, que inclui algumas canções já conhecidas do público de Zé Renato, ganham versões cheias de elegância e que valorizam versos que estão entre os mais belos da MPB, como em Ponto de encontro (Zé Renato/Milton Nascimento), que abre o disco.

Tudo tem seu momento/É tudo ou nada/E lá no fundo eu sei/Talvez seja tarde/Só a imagem que ficou/Virá me visitar o pensamento“.

– Foi fácil e rápido escolher o repertório. Uma das coisas que me deixaram feliz é que o Braz deu muita força pra gravar coisas minhas. Tem gente que as vezes não sabe que eu sou o autor de algumas dessas canções – explica Zé.

Acompanhados apenas por violão, percussão e o baixo acústico de Sizão Machado, a dupla de Renatos passeia pelo samba Kid Cavaquinho e O dia em que o morro descer e não for carnaval, com a mesma habilidade com a qual canta temas latino americanos (Adiòs Felicidad) e da mais pura MPB (Rio Amazonas e A Saudade mata a Gente).

O duo já fez alguns shows e, apesar da agenda apertada, fruto de vários projetos paralelos, há a previsão de mais apresentações, segundo conta Zé Renato.

– Já nos apresentamos em São Palo, onde gravamos o show, no Rio e nossa ideia é seguir adiante o máximo que pudermos. Já temos shows agendados para Vitória (Bahia) e algumas cidades do Nordeste. Preciso encaixar isso com o projeto que faço na Casa França Brasil, no Rio, onde reúno sempre convidados falando de algum assunto específico e fazendo uma ligação com a música – o projeto se chama Música + e acontece duas vezes por mês, sempre às quartas-feira. Além disso, estou  finalizando um novo disco solo, apenas com voz e violão e um novo do Boca Livre (os dois projetos devem ser lançados no primeiro semestre de 2011). Mas sempre arrumamos tempo para fazer o que gostamos.

Papo de passarim é daqueles discos que não dá vontade de tirar do CD player e deixa a certeza de que a (boa) música brasileira ainda tem vida e que canções antigas ainda podem soar atuais. Quem vive no Rio de Janeiro, por exemplo, não tem como não se identificar com versos como “O dia em que o morro descer e não for carnaval/ninguém vai ficar pra assistir o desfile final / na entrada rajada de fogos pra quem nunca viu / vai ser de escopeta, metralha, granada e fuzil (é a guerra civil)“.

O CD já está nas lojas e até o fim do ano o DVD deve chegar ao mercado, depois que o especial for transmitido pelo Canal Brasil. Mesmo sendo lançado no fim do ano, Papo de passarim já pode ser considerado um dos pontos altos de 2010.

Serviço
Papo de passarim – Zé Renato e Renato Braz
Gravadora – Independente
Preço: R$ 25

Petrópolis terá festival de gastronomia orgânica

A décima edição do Petrópolis Gourmet começa no próximo dia 28 (quinta) com uma novidade: o evento, que durava 10 dias, agora será realizado em cinco finais de semana e vai até o dia 27 de novembro. As principais atrações do evento se concentram no Mercado Gourmet, espaço montado ao lado do Hortomercado em Itaipava, além é claro das estrelas da festa que são os restaurantes.

Ali serão realizadas, por exemplo, as Oficinas Gastronômicas, com a participação de chefs especialistas em alimentos orgânicos, trazidos pelo Senac Rio: Henry Schneider, Teresa Corção, Osvaldo Gorski, Ciça Roxo, Fabrice Lenud, Ana Salles e Maria Victoria. Estão confirmadas também as participações do subchef de cozinha Marco Lima e da produtora de culinária Daniela Meira, ambos do Programa Mais Você da TV Globo; do enólogo e consultor Rafael Puyau, da Chez Puyau; do consultor e gestor de bebidas Rui Serradas, com um workshop sobre coquetéis com frutas orgânicas; do Chef Pizzaiolo Antônio Lo Presti e de Rula Simões, com culinária grega.

Também funcionarão no Mercado Gourmet o Bar da Bohemia, o Armazém Gourmet, com produtores do próprio Hortomercado e artesanato, e o Café Literário promovido pela Duetto’s Café e editora Senac, com exposição e venda de livros da área de gastronomia e tardes de autógrafo, com a participação, entre outros, do jornalista Chico Junior, que estará autografando o seu livro “Roteiros do Sabor do Estado do Rio de Janeiro”.

As crianças continuam com seu espaço garantido no Gourmet Kids, com área de lazer e oficinas feitas especialmente para elas. Ricardo Gonzalez, da Divino Segredo (produção artesanal de pães, bolos e biscoitos), vai ensinar a criançada a preparar brownies, muffins, torta e minipães, todos integrais, e biscoitos amanteigados.

Restaurantes

O Gourmet nos Restaurantes conta com 28 participantes, que elaboraram um menu utilizando produtos orgânicos: Afrânio, Albergo Del Leone, Alvorada, Atelier Molinaro, Arcádia Bistrô Imperatriz, Barão Gastronomia, Bomtempo Resort, Bordeaux Ipiranga, Bordeaux Itaipava, Capitólio Sushi, Don Bistrô, Duetto´s Café, Il Perugino, Imperatriz Leopoldina (Solar do Império), LOG Restaurante, Majórica, Massas Luigi, Nikko Sushi, Oliveiras da Serra, Pousada Paraíso, Pousada Paraíso Açu, Quinta da Paz, Sal da Terra (Pousada Orquídea da Serra), Solar Fazenda do Cedro, Tai Tai, Tambo los Incas, Tankamana e Zafferano Itaipava.

Concurso gastronômico

Já estão abertas as inscrições para o Concurso Cultural Gastronômico, destinado à descoberta de novos talentos. Podem participar estudantes de gastronomia e gourmets, residentes no estado do Rio de Janeiro. Assim como em 2009, o prêmio para o vencedor é uma bolsa de estudos de dez dias na França com tudo pago. O participante deverá inscrever uma receita de prato principal que tenha, obrigatoriamente, influência dos orgânicos locais e preparado com pelo menos um destes produtos típicos do município de Petrópolis: truta, escargô, legumes orgânicos ou cogumelos.

As inscrições podem ser feitas até o dia 22 de outubro pelo site http://www.petropolisgourmet.com.br, onde estão o regulamento e outras informações.

As informações são do Viagem & Sabor

Cecilia – Simon & Garfunkel

Essa é para todas as Cecílias que passam por nossas vidas, mesmo que sejam Anas, Marias ou Josefinas.  Uma canção para os que nunca deixam de lembrar.

Cecilia
Simon & Garfunkel

Cecilia, You’re breaking my heart
You’re shaking my confidence daily
Oh Cecilia, I’m down on my knees
I’m begging you please to come home
Come on home

Cecilia, you’re breaking my heart
You’re shaking my confidence daily
Oh Cecilia, I’m down on my knees
I’m begging you please to come home
Come on home

Making love in the afternoon with Cecilia
Up in my bedroom
I got up to wash my face
When I come back to bed
Someone’s taken my place

Cecilia, you’re breaking my heart
You’re shaking my confidence daily
Oh Cecilia, I’m down on my knees
I’m begging you please to come home
Come on home

Jubilation
She loves me again
I fall on the floor and I’m laughing
Jubilation
She loves me again
I fall on the floor and I’m laughing

Notícias ‘sérias’ geram mais receita publicitária

Esse é quase tão impressionante quanto as conclusões das pesquisas inglesas que publico aqui de tempos em tempos. Quem pensa que bundas e chamadas como Fulana de tal mostra boa forma na praia, seguida de um foto (da bunda, da fulana ou da bunda da fulana) deve estar decepcionado e com vontade de contestar a conclusão da pesquisa, mas é algo que só alguém muito míope não enxerga.

Fofocas afastam $ e afastam o público sério. É escolher entre maior tráfego e um maior tráfego qualificado.

Apesar de chamarem a atenção e atraírem um grande número de cliques para os sites, não são os escândalos e fofocas sobre celebridades que geram as maiores receitas publicitárias. De acordo com a empresa norte-americana Perfect Market – especializada no estudo da maximização de receitas via publicações de notícias – matérias mais densas e sérias, com assuntos de interesse público, são as campeãs dos ganhos publicitários.

Para mensurar esse dado, a companhia criou um índice, chamado Vault, que combina os valores recebidos pelos canais de mídia (no caso, os sites) e os acessos que cada uma das páginas possui. De acordo com a Perfect Market, embora as páginas de fofoca e entretenimento tenham um grandioso aceso, as informações de política e serviços, que geram um impacto sobre toda a população, acabam compensando mais (em termos de receita) para os veículos.

De acordo com o ranking, elaborado tendo como parâmetro o mercado dos Estados Unidos, as notícias publicadas sobre o desemprego naquele País são consideradas como as mais “rentáveis”. Em seguida apareceram as notícias relativas à catástrofe ambiental gerada pelo derramamento de petróleo no Golfo do México, ocorrida recentemente. As terceiras notícias mais “rentáveis” foram aquelas que tratavam do recall de ovos nas granjas norte-americanas. Entre as noticias mais bem classificadas, nenhuma era pertencente ao universo das celebridades e famosos.

O ranking da empresa foi elaborado com base em 15 milhões de notícias publicadas em 21 sites norte-americanos, entre os meses de junho e setembro de 2010.

As informações são do Meio & Mensagem

Tem horas que o ‘Jogo Político’ enoja

Poucas coisas são tão gostosas quanto trabalhar em uma campanha política. A possibilidade de ir para a rua todos os dias, conhecer lugares novos (alguns que depois faremos força para esquecer), ver os coleguinhas e amigos, ter que inventar um assunto diferente a cada momento, tudo é muito gostoso, apesar de cansativo.

Entretanto, o jogo político feito por alguns comentaristas e empresas é de enojar. É quase impossível não vomitar quando ouvimos alguém dizer que fulano mudou e melhorou tudo ou que beltrano não fez nada. Deu sorte de pegar uma herança bendita e não afundou tudo apesar de sua tremenda incompetência.

Pior (de envergonhar) é ver empresas divulgando opiniões descaradas, fazendo campanha sem pudor para A ou B, na maioria das vezes motivados por razões bem diferentes do bem-estar. Podem ser motivações econômicas, pessoais ou de qualquer outra espécie. O enjoo é o mesmo.

Triste ver coleguinhas se rendendo a certas imposições sem ao menos uma pequena discussão, indagação, contestação. Também, o que esperar de um bando de profissionais que estão sendo moldados, que galgaram seus postos por não terem vícios e significarem mentes novas?

Mais que nunca é preciso cuidado com o que lemos, ouvimos e vemos. Há que se observar os interesses por trás de cada vírgula, de cada entonação. Caso contrário, qualquer idiota pode dizer, por exemplo, que o maior legado recebido pelo José Serra foram as privatizações, ou que a Dilma é uma pessoa capacitada, preparada e com tato para ser presidente.

Estou naquele time que vê o programa eleitoral do José Serra e fica com a certeza de que é melhor votar na Dilma. O problema é que quando vejo o programa da Dilma tenho certeza de que o melhor é votar no Serra. E, quando leio certas coisas, vejo certas manchetes, fico com vontade de me esconder embaixo de um cobertor e dizer que sou advogado.

Arroz gaúcho é o primeiro produto brasileiro a obter Denominação de Origem

Vale a pena receber esse tipo de  notícia.

O Arroz do Litoral Norte Gaúcho acaba de receber a primeira Denominação de Origem (DO) concedida a um produto brasileiro. A titularidade é algo semelhante ao reconhecimento da região de Champagne, na França, como produtora do melhor vinho espumante do mundo. No Brasil, no entanto, há outras sete Indicações de Procedência (IP), do gênero Indicação Geográfica (IG), a maioria obtida por produtos do Rio Grande do Sul: o vinho do Vale dos Vinhedos; a carne do Pampa Gaúcho da Campanha Meridional; o couro do Vale dos Sinos, na Região Metropolitana de Porto Alegre; os vinhos tintos, brancos e espumantes do município gaúcho Pinto Bandeira; além da Cachaça de Paraty, município ao Sul do Estado do Rio de Janeiro; as uvas e as mangas do Vale do Submédio São Francisco e o Café do Cerrado Mineiro.

A Indicação de Procedência é caracterizada por ser o nome geográfico conhecido pela produção, extração ou fabricação de determinado produto, ou pela prestação de dado serviço, de forma a possibilitar a agregação de valor quando indicada a sua origem, independente de outras características. É subdividida em dois tipos: as IG que certificam a reputação de um lugar (meio geográfico) em relação a um produto, e a Denominação de Origem, que protege o vínculo entre um determinado lugar e as características de um produto ou serviço como exclusivos ou essencialmente de origem local.

Ambas as certificações conferem os mesmos direitos e deveres aos detentores, não havendo superioridade hierárquica na lei brasileira. Todavia ocorre que para comprovar a DO acaba sendo necessário realizar estudos técnicos e científicos mais abrangentes, o que dificulta um pouco mais a elaboração do pedido, sendo por isso, o Arroz do Litoral Norte Gaúcho o primeiro produto a obter a titularidade concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

Receitas – Merluza com molho de laranja

Essa é uma das minhas preferidas. Bem leve, descomplicada e fácil de harmonizar.

Podem deixar seus comentários.

Ingredientes

6 filés de merluza
2 dentes de alho amassados
sal a gosto
pimenta-do-reino branca a gosto
2 colheres de sopa de margarina light
1 xícara de chá de leite (de preferência desnatado)
3 colheres de sopa de margarina (preferencialmente light)
3 colheres de sopa de farinha de trigo
1/4 de xícara de chá de creme de leite (se possível, light)
1/4 de xícara de chá de suco de laranja

Modo de fazer

Tempere o peixe com o alho, o sal e a pimenta. Derreta a margarina e pincele sobre os filés. Enrole-os e arrume-os numa assadeira, com a dobra para baixo.

Coloque o leite e ponha tudo para assar em forno alto, por cerca 25 minutos ou até que fiquem macios. Depois de prontos, coloque tudo em uma travessa e coe o líquido formado na assadeira. Reserve uma xícara de chá e reserve.

Em uma frigideira, derreta a margarina junto com a farinha de trigo, mexendo sempre para que não crue caroços. Adicione o líquido reservado e deixe cozinhar até que engrosse. Retire do fogo, junte o creme de leite e o suco de laranja; mexa bem e despeje uma parte sobre o peixe.

Ponha o restante numa molheira para que seja levado à mesa.

Uma opção para acompanhar são legumes cozidos no vapor.

Para harmonizar, um vinho branco não muito suave.

Globo News muda grade

A Globo News aproveita a efervescência do período eleitoral para se repaginar. Após dois anos de desenvolvimento – que incluiu uma pesquisa interna e com o público feita pela agência F/Nazca S&S -, o canal tem novidades na grade e na sua própria apresentação a partir do próximo dia 18. A nova logotipia inclui o símbolo da Globo ao lado da bandeira News, em vermelho  – antes, o nome do canal vinha por extenso. Também faz parte desta nova identidade do canal a assinatura “Nunca Desliga“.

Carlos Henrique Schröeder, diretor geral de Jornalismo da TV Globo, foi quem apresentou a reformulação do canal, em evento ao mercado nesta quinta, 14, na sede da TV Globo, em São Paulo. Ele explica que a mudança visual foi executada porque o público só percebe uma mudança editorial quando ela vem acompanhada de novo on air – a reprogramação visual foi desenvolvida pela Crama Design Estatégico junto ao departamento de arte de jornalismo da emissora. De acordo com Schröeder, a finalidade é ter uma canal mais quente, com mais reportagem. “Será um canal muito mais de reportagem do de que estúdio”, diz.

Assim, muda o atual formato da emissora jornalística, que vinha nos últimos anos sendo marcado por uma fórmula fixa que incluía entradas ao vivo de cinco minutos em cada início de hora. A partir de agora, diminuem as reprises, saem alguns programas de linha e entram novos telejornais, como um das 10h da manhã e outro para as 18h.

A Globo News tem equipe própria de 250 pessoas e a direção do canal é de César Seabra. É o canal de notícias do grupo para o mercado de TV por assinatura, e tem sua comercialização (tanto do canal quanto de espaços publicitários), a cargo da Globosat, braço do grupo para o segmento.

As informações são do Meio & Mensagem

Martinho da Vila – Palco MPB – 11/10/10

Martinho da Vila é mesmo um mestre. Ainda comemorando seus 70 anos, o sambista lança um disco em homenagem a outros dois ícones do samba: Adoniran Barbosa e Noel Rosa.

Depois do lançamento de O Pequeno Burguês e de um documentário sobre sua vida, o eterno símbolo de Vila Isabel subiu ao palco do Teatro Rival, no Centro do Rio, para gravar mais uma edição do programa Palco MPB.

Com toda a simpatia que já é característica, Martinho desfilou convidados (alguns dispensáveis) e composições que fazem parte das suas preferidas da obra dos dois compositores. Também cantou alguns de seus sucessos, em quantidade bem homeopática.

Infelizmente Martinho terminou o show com pouco mais de 1 hora de iniciado. O público não reclamaria de mais umas 2 ou 3 horinhas.

Leia a entrevista que fiz com ele na época do lançamento de O Pequeno Burguês.

Fotos: Jo Nunes

O Cinema perde um pouco da Magia – Estúdios MGM recorrem à lei de falências

Essa eu jurava que nunca iria ler.

Os estúdios Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) apresentaram a seus credores um plano de quebra com o objetivo de reestruturar uma dívida de cerca de US$ 4 bilhões, informou hoje o jornal Los Angeles Times. Entre as dezenas de credores estão companhias como Anchorage Advisors LLC, Highland Capital Management LP e o investidor Carl Icahn.

A produtora Spyglass Entertainment contribuirá com ativos e fundirá duas entidades subsidiárias para controlar 4,69% da companhia, segundo o plano proposto. Segundo o jornal, a decisão ajudará a reestruturação dos estúdios MGM, que resultaria na eliminação do departamento de distribuição e na realocação da sede em instalações mais baratas.

A MGM planeja recorrer à lei de falência em 22 de outubro, data na qual a entidade deve obter o aval da metade dos 100 credores e donos de dois terços da dívida. A partir dessa data, os cofundadores da Spyglass, Gary Barber e Roger Birnbaum, atuarão como copresidentes e codiretores executivos de MGM.

A origem desses problemas está em 2004, ano em que a Sony, a empresa de telecomunicações Comcast e as financeiras Providence Equity e TPG Capital lideraram uma operação para comprar a crédito a MGM por cerca de US$ 5 bilhões. Uma estimativa que posteriormente foi considerada supervalorizada como consequência da alta dos preços e da consequente queda nas vendas de DVDs.

Ao recorrer à lei de falências, a MGM recusa uma oferta de US$ 2 bilhões feita no mês passado pelo conglomerado indiano Sahara India Pariwar. Além disso, os estúdios rejeitaram uma proposta de US$ 1,5 bilhões da Time Warner.

A MGM tem um catálogo de cerca de 4 mil filmes, entre clássicos como O Mágico de Oz, E o Vento Levou e Ben-Hur.

As informações são da EFE

Tem dias que até dá vontade de acreditar em horóscopo

You are more serious about love today, but, fortunately, your cautious attitude won’t get in the way of romance. Actually, your calm demeanor may make you very appealing to someone you like. The more responsibly you act now, the easier it will be for others to find reasons to love you. As always, just being yourself is your best strategy.

Phil Collins faz homenagem à Motown

Novo disco reúne clássicos da música negra americana

O novo/velho CD de Phil CollinsGoing Back (Warner) – é, como diz o seu título, uma viagem ao passado.

O ex-vocalista do Genesis e bamba da música pop decidiu buscar nas suas memórias as canções da Motown (gravadora que reuniu a nata da música pop negra americana) e regravá-las. Mas, como o próprio Collins diz no encarte do CD, a ideia não era fazer um disco novo e sim um disco antigo.

Para isso, o músico recrutou Bob Rabbit (baixo), Eddie Willis (guitarra) e Ray Monette (guitarra) – os Funk Brothers – para ajudá-lo na tarefa.

-Queria fazer que as canções soassem exatamente como nas versões originais.

Os Funk Brothers tocaram na maioria das versões originais dos clássicos da Motown, incluindo canções como My Girl e Baby Love, e ajudaram a dar ao álbum uma sonoridade mais próxima da conseguida por Phil Spector, Smokey Robison e outros músicos, produtores e compositores responsáveis pela era de ouro da gravadora.

Além deles, o disco conta com bons backing vocals e a ótima sessão de sopros que sempre acompanha Collins. O resultado é um disco agradável, com boas versões de Papa Was a Rolling Stone, Going to a Go-Go e Some of Your Loving, entre outras.

Going Back é divido em lados A e B, como nos bons e velho vinis. Tudo bem que isso só sirva como mas uma recordação e homenagem colocada na contra capa do disco, mas traduz bem o espírito de todo o projeto.

Em todas as canções encontramos um Phil Collins que deixa de lado o brilho vocal para que suas interpretações se encaixem na sonoridade dos anos 50 e 60.

Outra boa notícia para os fãs é a notícia de que Phil voltou a tocar bateria, mesmo depois dos problemas que o fizeram passar até mesmo por uma cirurgia para reparar uma contusão no pescoço.

No fim das contas o músico inglês conseguiu traduzir com perfeição a magia das músicas produzidas em Detroit, acrescentando um pouco mais da sua própria veia pop em canções de 3 minutos de duração.

Um CD recomendado para quem já conhece o material original e para os que acham que Phil Collins só entende de rock progressivo e pop fácil. Na Inglaterra, o CD chegou ao 1° lugar nas paradas de sucesso – a primeira vez em 12 anos. Nada mal para um disco antigo.

No Brasil foi lançada a versão standart, com 18 canções, mas há uma versão de luxo (importada) com 25 faixas.

Faixas

1.     “Girl (Why You Wanna Make Me Blue)”
2.     “(Love Is Like A) Heatwave”
3.     “Uptight (Everything’s Alright)”
4.     “Some of Your Lovin'”
5.     “In My Lonely Room”
6.     “Take Me in Your Arms (Rock Me a Little While)”
7.     “Blame It on the Sun”
8.     “Papa Was a Rolling Stone”
9.     “Never Dreamed You’d Leave in Summer”
10.     “Standing in the Shadows of Love”
11.     “Do I Love You”
12.     “Jimmy Mack”
13.     “Something About You”
14.     “Love Is Here and Now You’re Gone”
15.     “Loving You Is Sweeter Than Ever”
16.     “Going to a Go-Go”
17.     “Talking About My Baby”
18.     “Going Back”

Serviço
Phil Collins – Going Back
Gravadora – Warner
Preço – R$ 25

Uma versão um pouco diferente desse texto foi publicado no Portal R7

Tava na Hora – Twitter planeja escritório no Brasil

O Twitter está planejando abrir um escritório no Brasil. Com sede em São Paulo (tsc), a empresa pretende avançar no mercado da América Latina, um dos mais importantes do mundo para a companhia e que cresceu 420% nos últimos seis meses — um em cada cinco usuários é latino-americano. Nos próximos meses o site começará a tradução da plataforma para o português. Dos 60 milhões de tweets publicados por dia, 16% são de usuários brasileiros.

As informações são do Meio & Mensagem