Arquivo da tag: Reino Unido

A comemoração do Hogmanay

Em Edinburgh, capital escocesa, festa dura três dias de
eventos para receber o novo ano

As origens da palavra Hogmanay são do início  do século 17 — talvez do hoguinané, forma  francesa normanda do antigo francês
aguillanneuf, que significa “último dia do  ano” ou “presente de ano novo”.

Mas o entusiasmo escocês pelo Hogmanay  surgiu ainda no século 16, quando o  Parlamento, dirigido por Puritan de Oliver  Cromwell, proibiu as celebrações de Natal,  em 1647. A proibição foi revogada 13 anos  depois, mas a celebração do Natal nunca foi  realmente reativada no país. Em 1958, o dia  de Natal continuava sendo um dia normal de  trabalho.

Só em 1974 o Boxing Day tornou-se feriado na  Escócia. Com dois dias de feriado após o Ano  Novo, os escoceses podiam comer, beber e se  divertir com amigos e familiares. O  historiador Ronald Hutton, da Universidade  de Bristol, sugere que os longos e escuros  invernos escoceses ajudaram a manter a  tradição viva.

“Durante toda a véspera de Ano Novo do  século 18, a agitação de Edimburgo foi cada  vez maior. Até que, em 1800, havia mais  pessoas nas ruas depois da meia-noite do que ao meio-dia”, disse Hutton.

Hogmanay de Edinburgh em números

  • A festa de rua está celebrando um quarto de  século.
  • No ano passado, 75 mil pessoas de mais de 80 países participaram da festa
  • Mais 75 mil pessoas aproveitaram os outros eventos oferecidos pela festa.
  • Mais de seis toneladas de fogos de artifício são usados ​​na queima de fogos do Midnight Moment no Castelo de Edinburgh.
  • Aproximadamente um bilhão de telespectadores em todo o mundo verão as comemorações do Edinburgh Hogmanay
  • Em 2015, as comemorações do Hogmanay tiveram um impacto econômico na cidade de £ 41.8 milhões

Novidades para a chegada de 2019

As celebrações começam com a Torchlight Procession, em 30 de dezembro. Cerca de 40  mil pessoas percorrem a capital escocesa e
continuarão até o “Loony Dook” no Dia de Ano  Novo, quando centenas de pessoas mergulham  no gelado River Forth.

O cantor e compositor inglês Rag’n’Bone Man fará o show principal no palco montado em  Princes Street Gardens na noite do dia 31,
enquanto rola festa no Street Party com bandas ao vivo e DJs, no centro da cidade.

Os fogos do Hogmanay à meia-noite iluminam o Castelo de Edinburgh, no 31, enquanto Bairns Afore, um novo evento neste ano, oferece às crianças fogos de artifício e entretenimento
familiar às 17h, antes de dormir.

Airfarewatchdog

Famílias com bebês poderão desfrutar do evento Baby Loves Disco Hogmanay, no Festival Square para alguns “Hogmanay clubbing”.

Celebrações em outros lugares incluem Ceilidh (dança escocesa) aos pés do Castelo, com Edinburgh Gin apresentando música de bandas ceilidh tradicionais a noite toda.

Algumas outras tradições do Hogmanay

Acredita-se que muitos costumes de Hogmanay foram trazidos da Escandinávia pelos vikings invasores nos séculos VIII e IX. O Ano Novo ainda é conhecido como Yules em Shetland, onde as influências Viking permanecem mais fortes.

O First-footing está entre os costumes mais famosos. Refere-se à primeira pessoa a entrar nas casas de amigos ou parentes nas
primeiras horas do dia de Ano Novo, levando presentes — de pão preto a whisky e biscoitos amanteigados.

Dia a dia no Hogmanay

30 de dezembro
Torchlight Procession

Um espetáculo memorável que reúne dezenas de milhares de pessoas pelas ruas de Edinburgh carregando tochas, seguindo pela Royal Mile em direção ao Holyrood Park, passando pelo Parlamento Escocês e pelo Palácio da Holyrood House para o final dos fogos de
artifício.

Quando: 19h, a partir de três pontos de partida – St Giles Street, North Bridge e South Bridge
Preço: a partir de £13

31 de dezembro
O Concerto nos Jardins

O Concerto nos Jardins, com o título Rag’n’Bone Man, também oferece a melhor vista dos fogos da meia-noite.

Quando: as portas abrem a partir das 20h, e o evento começa às 21h
Preço: a partir de £60

Street Party

Três etapas da melhor música tradicional, rock e pop, bem como atos alternativos em locais ao redor do centro da cidade.  A apresentação deste ano no Waverley Stage é a banda inglesa de synth-pop, The Human League.

Quando: Arena, bares e atrações abrem a partir das 19h
Preço: £26

Concerto à luz de velas, Catedral de St Giles

Um concerto com apresentações do Coro da Catedral de St Giles e jovens solistas.

Quando: 19h30

Ceilidh aos pés do castelo

O que se diz ser o maior Ceilidh da Grã-Bretanha acontecerá no cenário do majestoso Castelo de Edinburgh.

Quando: 20h – 1h (arena abre às 20h)
Preço: £52,50

Hogmanay HQ

Acesso VIP às comemorações do Assembly Hall, oferecendo vistas amplas sobre Princes Street Gardens e um local privilegiado para
os fogos de artifício à meia-noite de seu bar ao ar livre. O preço do ingresso inclui uma meia garrafa de champanhe, um buffet
completo de jantar, festa VIP e entretenimento, bares privativos, música ao vivo e festa de rua.

Quando: 20h
Preço: £200

Fogos de artifício à meia-noite

Fotos de fogos de artifício sobre o Castelo de Edimburgo trazendo o novo ano são algumas das mais memoráveis ​​da capital escocesa.
Eles são mais bem vistos à distância, e não perto das áreas de lançamento, que serão isoladas.

1º de janeiro
Mensagem dos céus

Desfrute de uma “jornada literária pela cidade”, lendo uma nova história escrita pelo escritor de crime escocês Val McDermid,
projetada nos maiores edifícios e monumentos de Edimburgo.

Quando: do anoitecer até as 22h
Preço: gratuito

Loony dook

Este clássico mergulho do Ano Novo, no River Forth, vê pessoas em trajes extravagantes mergulharem na água à sombra das pontes de
Forth. Os espectadores podem torcer pelos “dookers” na praia ou ao longo da rota do desfile em direção a South Queensferry.

Quando: 11h
Preço: £11

Anúncios

Os músicos mais ricos do Reino Unido

Adele e Paul McCartney estão na lista dos mais ricos. O velho Sir Macca é o primeiro colocado

Antiguidade é posto. A frase é antiga e batida, mas se encaixa perfeitamente no contexto dos músicos mais ricos do Reino Unido. Berço do melhor do rock (e outros ritmos) desde os anos 60, Inglaterra e adjacências também produziram alguns dos mais bem-sucedidos artistas do planeta. E, embora os mais jovens desdenhem do som que marcou e até hoje influencia o mundo, a maioria dos nomes é da velha guarda, com alguns que nem são tão levados a sério como talentos, mas que estão lá, marcados na história. Assim, membros dos Beatles, Stones, Pink Floyd e Queen, por exemplo, estão lá no topo da lista.

O ranking, produzido pelo jornal Sunday Times, é feita levando-se em conta vários fatores como terras, propriedades, bens móveis e ações em empresas públicas. Os valores guardados nos bancos não entram nessa conta. As cifras estão na moeda da Terra da Rainha (libras esterlinas), claro.

Chupa, garotada!

PS: O valor da libra está quase R$ 5

Os nomes e as cifras:

Eric Clapton, com £ 175 milhões, está na posição 12

1. Paul McCartney e Nancy Shevell – £ 820 milhões
2. Lord Lloyd Webber – £ 740 milhões
3. U2 – £ 569 milhões
4. Elton John – £ 300 milhões
5. Mick Jagger – £ 260 milhões
6. Keith Richards – £ 245 milhões
7. Olivia e Dhani Harrison – £ 230 milhões
8. Ringo Starr – £ 220 milhões
9. Michael Flatley – £ 202 milhões
10. Sting – £ 190 milhões
11. Rod Stewart – £ 180 milhões
12. Roger Waters – £ 175 milhões
12. Eric Clapton – £ 175 milhões
14. Robbie Williams – £ 165 milhões
15. Tom Jones – £ 163 mihões
16. Tim Rice – £ 152 milhões
17. Ozzy Ousbourne e Sharon Ousbourne – £ 145 milhões
18. Adele – £ 140 milhões
18. Calvin Harris – £ 140 milhões
18. Charlie Watts – £ 140 milhões
21. Brian May – £ 135 milhões
22. Roger Taylor – £ 130 milhões
23. Jimmy Page – £ 125 milhões
24. Phil Collins – £ 120 milhões
25. David Gilmour – £ 115 milhões
26. Robert Plant – £ 105 milhões
26. John Deacon – £ 105 milhões
28. Enya – £ 104 milhões
29. Chris Martin – £ 94 milhões
30. Nick Mason – £ 92 milhões
31. Pete Townshend – £ 82 milhões
31. Will Champion – £ 82 milhões
31. Jonny Buckland – £ 82 milhões
31. Guy Berryman – £ 82 milhões
35. Ed Sheeran – £ 80 milhões
35. Gary Barlow – £ 80 milhões

 

Uma versão deste texto foi publicada na Revista Ambrosia