Arquivo da tag: House

House é cancelado

É, vai acabar. O seriado que nos trouxe o médico mais brilhante, rabugento e mal-humorado de todos os tempos acaba ao fim desta oitava temporada. Parece que, ao contrário do que aconteceu com CSI, os produtores e roteiristas de House não conseguiram encontrar uma saída para as mudanças necessárias após muitas temporadas. O romance de House e Cuddy e a saída da personagem do seriado foram mortais para a sua audiência (que ainda é muito boa, mas já está longe de ser o líder absoluto que já foi).

Há a promessa de que vai haver um fim coerente para a história e é uma pena que provavelmente não tenhamos a volta de alguns personagens que foram importantes para o sucesso do show.

O F(r)ases da Vida fica um pouco órfão, já que várias frases do médico foram usadas por aqui, mas fará o possível para que o seu legado jamais seja esquecido.

Foi difícil acreditar e digerir a notícia, o que provavelmente fará esse post ter pouquíssimos acessos, mas…. é bom poder escrever sobre o que queremos, não é mesmo?

Anúncios

O Blues de Hugh Laurie (ou Gregory House)

O ator britânico interpreta clássicos do blues e do jazz no álbum Let Them Talk, onde toca piano, violão e guitarra. Disco tem a participação de Tom Jones

O ator inglês Hugh Laurie, mais conhecido por sua interpretação do sarcástico e brilhante médico Gregory House, na série que leva o sobrenome do personagem, já mostrou seu talento musical em vários episódios do programa, tocando piano ou guitarra. Agora, Laurie deixa mais uma vez o seu forte sotaque britânico para interpretar clássicos do blues e do jazz no disco Let Them Talk (Warner).

O álbum é um apanhado de canções em que Laurie novamente abusa de sua pronúncia norte-americana para dar vida ao seu sonho, acompanhado de bons músicos e ótimos convidados como Tom Jones, Irma Thomas e o pianista Dr. John.

As 15 músicas que fazem parte da edição standard (existe uma versão de luxo lançada lá fora) passeiam por climas e arranjos bem feitos onde o piano e a guitarra de Hugh Laurie mostram uma competência e talento de impressionar.

Faixas como St. James Infirmary (com sua introdução cheia de citações de Summertime), Buddy Bolden’s Blues e Swanee River (com seu piano boogie woogie) dão gosto de ouvir, mas é mesmo quando Laurie entrega os vocais (a parte mais fraca do disco) para seus convidados é que a coisa fica realmente boa. John Henry (com a participação de Irma Thomas) e, principalmente, Baby, Please Make a Change (que além de Irma ainda conta com a ótima performance do veterano Tom Jones) são momentos que valem a compra do CD.


Para uma estreia, Let Them Talk é um bom trabalho. Bem produzido e com um repertório conhecido, o CD vai muito além de uma homenagem ao som de New Orleans e tem tudo para agradar aos fãs do ator e aos que gostam de blues. Tomara que no próximo Hugh desista de cantar e fique apenas como músico, deixando os vocais para quem realmente é do ramo.

House em sete temporadas

Além da experiência musical do protagonista, os fãs da série, que parece ter voltado aos trilhos nesta oitava temporada, após um ano de histórias confusas e personagens meio sem rumo, têm uma outra razão para gastar seus reais neste Natal.

A Universal Pictures lançou uma caixa com todas as sete temporadas anteriores completas. A coleção especial vem em uma maleta onde, além dos DVDs, os fãs ainda encontram uma camiseta da série.

O preço sugerido nem é tão salgado (R$ 549) e é uma ótima oportunidade de conferir a evolução dos personagens, as várias idas e vindas da equipe de House, além dos conflitos pessoais do médico viciado em comprimidos para dor.

Se a atual temporada pode ser considerada um retorno ao espírito original do programa (muito mais baseado nos estranhos casos médicos que na vida pessoal dos personagens), a caixa é perfeita para quem se apaixonou pelo jeitão politicamente incorreto de House e não teve chance de acompanhar o programa desde o início.


Texto originalmente publicado em O Fluminense

Quando se ama, qualquer contato é melhor que nenhum contato

Nem só de frases ácidas de House vive o seriado de TV.

Uma vez um amigo disse: “Essa aparição foi muito britânica”. É daquelas frases que só pode ser dita por quem não amou. Quem ama, acha que qualquer contato é melhor que nenhum contato. Isso vale para o Brasil, Estados Unidos, Inglaterra e Indonésia, seja na vida real ou na ficção.

Cortar o cordão, desapegar, só é fácil para quem não tem nenhum sentimento real pelo companheiro. Aparecer com um sorriso no rosto após anos, é praticamente um atestado de falta de caráter.

Manter contato não é ligar de tempos em tempos para pedir favor. É lembrar-se do aniversário, de alguma data importante, de uma alegria ou evento que possa fazer diferença na vida do outro.

No fim, é só ter um pouco de carinho.

 

House perde Cuddy e volta às drogas?

A 7ª temporada de House está estranha. Muito romance, House feliz, Cuddy feliz, Wilson em segundo plano, casos menos interessantes e uma nova mulher na equipe que, pelo menos a mim, não cativou.

Agora, que o fim da temporada se aproxima, uma reviravolta pode salvar os rumos da trama, que parecia meio perdida. Cuddy termina com House, que volta às drogas. O episódio Get Happy – o 15º desse 7º ano – foi uma viagem lisérgica pelos medos dos dois personagens principais. No fim, Cuddy termina o romance com House, que volta ao vício.

O que vai acontecer no próximo capítulo, não sei. Imagino que os roteiristas tentem nos surpreender novamente e trazer de volta o velho rabugento que amamos.

Tomara!

Hugh Laurie e seu disco de blues – o 1º single

Como já havia informado aqui no blog, Hugh Laurie, o House da TV, vai lançar um CD de blues. O assunto andava meio esquecido e até mesmo a série andava estranha. Agora, parece que a coisa vai. O dublê de ator e músico divulgou 30 segundos do que deve ser o seu 1º single: You Don’t Know My Mind.

Ouça e tire suas conclusões sobre os dotes musicais do médico cínico e sarcástico.

PS: O disco, que se chama Let Them Talk,  sai em maio.

E House começa em clima de romance (Temporada 7)

Ao contrário das últimas temporadas de House, a 7a temporada começou sem um grande drama ou um episódio grandioso. Now What?, que foi ao ar nos Estados Unidos na última segunda-feira (20 de setembro de 2010), teve um clima muito mais romântico que qualquer outro momento da série. Tivemos House e Cuddy fazendo sexo (mais de uma vez), demonstrações de carinho explícito e doses bem menores de humor e mistérios médicos.

Na verdade, Now What? Foi um pequeno nariz de cera para o que realmente deverá ser o início da temporada, que acontecerá quando todos souberem do romance entre o médico louco e a administradora do hospital. A próxima segunda promete.

Muitos fãs se mostraram preocupados que esse romance possa significar o início do fim do programa. Não creio. House é daquelas séries que ainda demonstra fôlego para mais algumas temporadas. Não creio que deixemos de ver House e sua equipe após essa ou a próxima temporadas.

Mas, como tudo tem seu lado ruim, houve a saída de 13 – que está filmando um longa e deve aparecer apenas em alguns episódios desta temporada. A jovem e bela médica fará falta ao elenco, apesar dos vários rumores sobre novos acréscimos ao cast durante o ano.

Quem ainda não viu o episódio que abriu a nova fase de House e não tem paciência para esperar que o Universal comece a transmitir os novos programas, pode procurar na rede por algum torrent. É fácil de achar e totalmente indolor.

O Fim da 6ª Temporada de House


Ainda não sei como foram os índices de audiência do episódio final da 6ª temporada de House (chamado Help Me), apenas que a Fox confirmou mais uma temporada do programa. Este 6º ano foi estranho. Começou com um House internado e histórias que ficaram abaixo do padrão do show. Depois, engrenou e deu espaço para que Cuddy e Wilson tivessem seus momentos de brilho como protagonistas. Um desempenho irregular dos roteiros, que contou até mesmo com um deles escrito para que Hugh Laurie pudesse fazer seu debut na direção.

Help Me foi brilhante. Com certeza o House mais humano, arrasado e frágil de todos os shows que foram ao ar até hoje. Lidando com situações difíceis, declarações dolorosas feitas na sua cara, ficando enclausurado e com uma solidão que nunca antes pareceu incomodar tanto. Não, não vou contar muito sobre o episódio, até porque nem sei quando será exibido no Brasil, mas garanto, é imperdível.

Provavelmente o 7º ano vai ser de arrepiar e (espero) não seja o início do fim das histórias do Dr. Mau-Humor. Uma nova vida está começando e muita coisa boa deve acontecer com ele, 13 e o resto da equipe.

Se o ano foi de histórias irregulares, só esse final já vale a compra da caixa da 6ª temporada. Aproveitem o spoiler.

Qual série de TV não deveria terminar?

Depois de um bom tempo, sai o resultado da pesquisa do F(r)ases da Vida sobre qual seriado de TV não deveria terminar. A maioria dos 32 corajosos e surpreendentes leitores do blog escolheram House como a série mais querida. Em 2º lugar (empatadas) 24 Horas e Lost. Infelizmente as duas estão nas suas últimas temporadas. Já na outra ponta, Heroes não deve deixar saudades, já que não recebeu nenhum voto!

Meu voto, claro, foi para House, mas fico feliz que Two and a Half Man – apesar dos problemas de Charlie Sheen – deve permanecer no ar.

A nova pesquisa pergunta como você pretende assistir aos jogos da Copa do Mundo.

Qual série não deveria terminar?

Resultado

House 46.9% (15 votos)
24 Horas 15.6% (5 votos)
Lost 15.6% (5 votos)
Two and a Half Man 12.5% (4 votos)
E.R 6.3% (2 votos)
Fringe 3.1% (1 voto)
Heroes 0% (0 votos)

Como diretor, Hugh Laurie é um ótimo House

A fórmula é sempre a mesma. Um seriado de sucesso, um ator premiado no papel principal e, uma hora ou outra, colocam o ator para dirigir um episódio. Na 6ª temporada de House, óbvio, os produtores da série deram esta chance para o inglês Hugh Laurie.

O episódio – chamado Lockdown, o 17º da temporada, e que não tenho idéia de quando será exibido no Brasil – pareceu escrito na medida para um diretor iniciante. A história gira em torno do hospital sendo fechado por conta do sumiço de um bebê. Os personagens se dividem em duplas e acabam desenvolvendo histórias paralelas e algumas relações que podem (ou não) evoluir durante o ano. Tudo em ambientes estáticos e quase sem nenhuma movimentação.

Infelizmente, não houve nenhum mistério médico, o que transformou Lockdown em uma enorme seqüência de diálogos. Muito blá-blá-blá e poucas novidades ou surpresas. Um momento menor em uma temporada cheia de altos e baixos. A maior novidade foi o reaparecimento de Cameron (aqui, mantenho o suspense).

Que House M.D. dure muitos anos, mas que Hugh Laurie continue com o ótimo trabalho de ator, nada mais além disso.

House: Wilson ganha episódio especial

As surpresas da sexta temporada de House não param. Depois da despedida de Cameron, do romance de Cuddy com (melhor você assistir) e da promessa de que ela (Cuddy) vai ter um episódio todo focado nela, os produtores colocaram no ar um capítulo onde o grande protagonista foi Robert Sean Leonard, o Dr. James Wilson.

O oitavo episódio desta temporada (não, não sei quando passa no Brasil) mostra o oncologista e fiel escudeiro de House tomando atitudes que nem sempre fazem parte do seu repertório.

Agora sim, tenho certeza de que essa é uma boa temporada.

PS: House é transmitido toda segunda nos Estados Unidos e pode ser baixado na madrugada de terça.

Leia também:

House estréia a 6ª temporada

House – 6ª temporada, episódio 2

Cameron vai deixar o seriado House

Agora vai! House reaparece em forma

O adeus de Cameron

Agora vai! House reaparece em forma

house s06e03Depois de dois episódios atípicos e, na minha opinião, abaixo do padrão (embora Hugh Laurie deva ganhar um Emmy pelo que foi exibido no início da temporada) House parece que começa mesmo após o terceiro episódio, que contou com a luxuosa participação de James “Darth Vader” Earl “This is CNN” Jones.

O veterano ator, conhecidíssimo por sua voz, interpreta um ditador africano e me fez imaginar como seria fácil ele ganhar um Oscar como Idi Amim Dada. Afinal, até mesmo o bem menos talentoso Forest Whitaker ganhou um.

Bem, como este será o último texto falando de episódios na sua cronologia, conto, com muita alegria, que a velha irreverência, a criancice e sarcasmo voltaram. Tudo com uma certa relutância, com vontade de mudar e com algumas boas reviravoltas na história.

Pelo jeito House tem fôlego para mais umas boas 3 ou 4 temporadas.

Não vou contar a história, mas deixo logo a informação de que mudanças acontecem não só com House como com sua equipe.

Veja como foram a estréia e o segundo episódio da 6ª temporada.

Cameron vai deixar o seriado House

Update: Para saber quando Cameron diz adeus, acesse esse link.

Jennifer MorrisonDepois de um início cambaleante, parece que House continuará surpreendendo seus fãs (nem sempre para o bem). Corre forte o boato de que Jennifer Morrison (aka Dra Allison Cameron) vai deixar a série. Seu personagem não seria morto (como Kutner), mas não voltaria mais nessa temporada. O episódio que trará a despedida de Cameron deverá ser transmitido em novembro (nos EUA, claro).

Torço para que não seja verdade.

Confira como foram os dois primeiros episódios de House nos post dos dias 29/9 e 30/9.

House – 6ª temporada, episódio 2

Pessoal,

Parece que a coisa só vai esquentar após esse episódio. Depois de sair da clínica (não, não vou contar toda a história), House decide mudar sua vida e, entre outras coisas, exercitar seu lado chef de cozinha.

Ainda continuo com a impressão de que os dois episódios desta sexta temporada foram menos inspirados do que os das anteriores, mas as possibilidades para voas histórias se abriram após a segunda semana.

Enquanto o Universal Channel só inicia a nova temporada no fim de outubro, a Record faz o sucesso do médico louco na TV aberta. No último dia 23 a série ficou em 1º lugar (Rio) no seu horário com 12 pontos de audiência e pico de 15.

Dá-lhe House.

PS: House está sendo transmitido toda segunda nos EUA.

House estréia a 6ª temporada

Acabou a ansiedade e o mistério. O episódio especial (quase 2h) que marcou a estréia da 6ª temporada de House foi ao ar, nos EUA. O médico genial e louco (desta vez mais louco que genial) terminou a 5ª temporada indo para uma clínica psiquiátrica. O início da nova série de aventuras foi baseada no período no qual Gregory House passou na clínica e sua consequente transformação.

A expectativa pela estréia era grande, mas diferente do último episódio, o resultado não foi dos melhores (e nem poderia). O show pecou por não apresentar alguns dos elementos que mais fazem o sucesso da série. O sarcasmo estava lá, mas nada de mistérios médicos. Tudo girou em torno de House, sua doença e sua total falta de poder em um ambiente bem diferente do que está acostumado.

Com outros personagens e conflitos muito mais pessoais, a estréia de House serviu apenas para confirmar mais uma vez o ótimo ator que é Hugh Laurie. Mas faltou algo no molho.

Talvez por nunca querer repetir uma fórmula, os produtores de House tenham exagerado nas mudanças. Não que tenha sido um mau episódio, mas aproveitou pouco as melhores características da série. Foram muitos conflitos interiores, lições de moral, psicologia rasteira, algum sexo, mas muito pouco brilhantismo por parte do protagonista (culpa dos roteiristas).

Estou começando a ver o segundo episódio. Vamos ver como House se comporta de volta ao seu habitat natural.

Dia 21 é dia de House

House sexta temporadaTudo bem que 22 de setembro é o dia mais importante do ano, mas a véspera também será de arrasar, pois nesta data querida começa a sexta temporada de House. Fã como sou do sarcástico doutor, tenho expectativas altas sobre a série em 2009/2010 e espero poder baixar e ver o primeiro episódio (com duas horas de duração) ainda no dia 21.

Para matar a minha curiosidade (e a de muitos fãs..meus, claro) coloco abaixo uma coleção de clipes e teasers do episódio de estréia.

Espero que gostem dos aperitivos e torço para que o Universal Channel não demore muito para trazer os episódios para o Brasil.

Para ler mais sobre a série clique na tag House , no fim do post.

House começa a dar as caras: Nova temporada em setembro

Setembro vai ser mesmo um mês infernal. Duas caixas com a coleção dos Beatles e mais a estréia da nova temporada de House, que promete aprontar na Casa de Repouso onde foi parar o fim da temporada passada.

Abaixo um aperitivo do que está por vir na série mais assistida do mundo.

House internado

house and cuddyAcabou a temporada e a ida para cama de House e Cuddy foi apenas imaginação dou médico louco (agora louco mesmo?)!

Nem sei quando esses episódios irão passar no Brasil, mas já estou catando novidades sobre a nova temporada.

Mantenho todos informados.

Obama rouba médico de House

Pelo jeito o mundo de Barack Obama vai mesmo ser outro. O primeiro presidente negro da história dos Estados Unidos vai mostrando coragem na montagem de sua equipe. A última aquisição surpreendeu todos os fãs do seriado House (exibido aqui pelo Universal Channel). Kal Penn, que encarnava o doutor Lawrence Kutner, um dos mais interessantes personagens do programa, pediu para deixar a produção para se dedicar ao convite que recebeu para trabalhar na Casa Branca. Penn vai trabalhar no escritório que cuida do contato com o público (uma espécie de relações públicas).

A morte de Kutner foi ao ar no episódio 20 da temporada – ainda inédito no Brasil – causou espanto nos fãs e, aparentemente, terá impacto grande em vários personagens, incluindo o próprio House. Para não estragar totalmente a surpresa, não conto como ele vai morrer (pesquisem).

Segundo os produtores da série – David Shore e Katie Jacobs – nenhum outro personagem irá substituir Kutner, nem mesmo os velhos membros da equipe de House, Chase e Cameron. Aliás, parece que o casal vai voltar a ter uma presença mais constante na trama. Há rumores de que House pode finalmente chegar junto de Cuddy e formar um casal. Será?

De um jeito ou de outro, o que parece uma grande baixa, foi bem superada no episódio 21 (que também já foi ao ar lá fora). O maior peso do casal Chase/Cameron e uma recuperação total de Wilson (o oncologista e único amigo de House) prometem manter o altíssimo nível da série do médico mais politicamente incorreto de todos os tempos.

É aguardar passar no Brasil.

House x Duran Duran

13Em novembro de 2008 escrevi uma crítica elogiando o show do Duran Duran no Vivo Rio. Depois, resolvi escrever o lado B do show, um texto menos comportado e contando alguns outros detalhes da apresentação. Foi uma chuva de críticas totalmente bizarras e que me fizeram desconfiar muito da capacidade de leitura e da inteligência dos fãs da banda.

Rendeu muito tráfego, mas, sinceramente, muito pouca coisa se salvou do que foi escrito pelos pseudo fãs. Pseudo fãs, porque após uma mini maratona de House acabei descobrindo que, em 2009, não há mais fãs da banda. A revelação foi feita durante uma das famosas metáforas de House sobre as doenças, quando tenta explicar o porquê do backstage de um show da banda estar vazio. Nessa hora, 13 responde: ‘Porque estamos em 2009 e não existem mais fãs deles’!

Será que teremos um boicote por partes dos duranies brasileiros.  Será que eles sabem inglês ou conseguirão entender a ironia do comentário?

House é foda!

As 10 melhores frases ‘insultantes’ de House (em inglês)

Do blog ‘Papo Série’, alimentado pelo companheiro Sergio Maggi.

Para comemorar o 100º episódio de House, que passa nesta segunda-feira nos EUA, o site TV.com elegeu as 10 frases que considera mais insultantes nas cinco temporadas do médico que amamos odiar. A lista está aí embaixo (em inglês).

house10. “I thought I’d get your theories, mock them, then embrace my own. The usual.” Season three, “Merry Little Christmas”

9. “Only way to confirm this, inject the rat with her blood and wait for it to get all botulistic on your ass. In the meantime, I’m going downstairs to browbeat a scared, dying teenage girl until she breaks down like a scared, dying teenage girl.” Season two, “Safe”

8. “I like you better now that you’re dying.” Season five, “Dying Changes Everything”

7. “If your life’s no more important than anyone else’s, sign your donor card and kill yourself.” Season five, “Last Resort”

6. Bill: “His name’s Joey. He’s my only brother.” House: “He’s important to you. Got it. No placebos for him. We’ll use real medicine.” Season, one, “Control”

houseandcuddy5. “I had a heart attack this morning. I can’t do any more drugs ‘til at least lunch.” Season four, “Wilson’s Heart”

4. “Could have just left the scarf at home and just told him you’d be wearing a look of desperation.” Season three, “Insensitive”

3. “Thirteen, go stick a needle in your girlfriend’s pelvis–and no, that one’s not a metaphor. Suck out some marrow. That one was.” Season five, “Lucky Thirteen”

2. “Thing is, hope’s for sissies.” Season four, “Living the Dream”

1. “Is it still illegal to perform an autopsy on a living person?”  Season two, “Autopsy”

PS: Outras frases de House você pode encontrar aqui no F(r)ases, clicando na tag frases.