David Fincher dirige Gary Oldman em filme na Netflix

David Fincher dirige Gary Oldman em filme na Netflix

13/07/2019 1 Por Débora Thomé

Filmado em preto e branco e produzido pela Netflix, “Mank” será o primeiro projeto de David Fincher na cadeira de diretor, desde 2014

David Fincher — mais conhecido por “A Rede Social” e “Seven: Os Sete Crimes Capitais” — pôs fim às suas longas férias da cadeira de diretor, de acordo com o site Hollywood Reporter. Recentemente, chegou a comandar uma sequência de “Guerra Mundial Z” — mas a Paramount desligou o projeto ainda na (longa) pré-produção.

Gary-Oldman-Mank-blogdoferoli

Gary Oldman (Foto: IMBD)

O cineasta, que está afastado desde o filme “Garota Exemplar” (2014), terá como próximo projeto a cinebiografia de Herman Mankiewicz. O biografado é um jornalista americano que trabalhou com Orson Welles no roteiro de “Cidadão Kane”, um dos filmes mais celebrados da história da sétima arte.

O longa será produzido pela Netflix, com a qual Fincher vem mantendo algumas parcerias. Esteve envolvido na produção de séries, como “Mindhunter”, “House of Cards”, e na antologia “Love, Death and Robots”). Todas originais de grande sucesso no canal de streaming.

 

Gary Oldman já está confirmado como protagonista. Com o título provisório “Mank” (apelido de Mankiewicz), a cinebio terá Cean Chaffin e Doug Urbanski na produção. As filmagens terão início ainda neste semestre. A grande novidade é que a fotografia será toda em preto e branco.

O filme é um projeto pessoal de Fincher, acalentado desde 1997 — ano de sua sua estreia como diretor em “Vidas em Jogo”. Seu pai, o falecido Jack Fincher, escreveu o roteiro.

Quem foi Mankiewicz?

fincher-mank-blogdoferoli

Herman Mankiewicz

A história de Herman Mankiewicz é bem rica. O jornalista atuou como crítico e repórter nos anos 1920. Até ser recrutado pela Paramount Pictures para ajudar o estúdio a fazer a transição do cinema mudo para o falado.

Mankiewicz contribuiu em diversos projetos importantes da chamada “era de ouro” de Hollywood. Está nos créditos de “O Mágico de Oz” e “Os Homens Preferem as Loiras”, por exemplo. Mas foi com “Kane” (1941) que Mankiewicz se aproximou dos tabloides. E não foi para divulgar positivamente o filme. 

O jornalista acusava Welles, reiteradamente, de tentar tirá-lo dos holofotes para ficar com todo o crédito do roteiro do filme. Na cerimônia do Oscar daquele ano, inclusive, uma parcela da audiência chegou a gritar seu apelido diversas vezes, quando foi anunciado a vitória do longa na categoria “Roteiro Original”.

Assista ao trailer desse clássico do cinema: