Comcast e Time Warner desistem da fusão

comcast-time-warner-thumbnail

Comcast Corporation e Time Warner Cable, conglomerados de mídia especializados nos setores de televisão, internet e telefonia nos Estados Unidos, abandonaram os planos de fusão. O acordo girava em torno de US$45,2 bilhões e uniria as duas maiores empresas do ramo no país. A desistência ocorreu após encontrar forte pressão das autoridades do setor que defendem que a fusão seria ruim para os consumidores.

A principal oposição ao acordo veio da Comissão Federal de Comunicação (Federal Communications Commission). O órgão apresentou um pedido de audiência com as partes envolvidas com a justificativa que a fusão apresentaria um “risco inaceitável para competição e inovação, incluindo a habilidade de serviços de vídeo online alcançarem e servirem seus clientes”, de acordo com declaração dada por Tom Wheeler, conselheiro do órgão, à imprensa norte-americana. Por fim, o acordo foi abandonado.

Fonte: Meio&Mensagem

Anúncios

Biblioteca Nacional disponibilizará acervo dos Diários Associados na web

Biblioteca Nacional ITodo o acervo dos Diários Associados, organização jornalística fundada por Assis Chateaubriand (1892-1968), vai ser disponibilizado gratuitamente na internet, tornando possível a consulta a exemplares históricos do Jornal do Commércio (RJ), Correio Braziliense, O Jornal, Diário da Noite e da revista O Cruzeiro, entre outros títulos. O acordo entre os Diários Associados e a Fundação Biblioteca Nacional (FBN), que cede os direitos de divulgação, foi celebrado na quinta-feira, 16, na sede da biblioteca.

A data em que o arquivo será colocado na Hemeroteca Digital da FBN, plataforma que reúne milhões de páginas digitalizadas de periódicos brasileiros, ainda não está definida. A FBN também vai receber dos Diários Associados 576 volumes da coleção física do periódico O Jornal, que circulou de 1919 a 1974, e 383 volumes do Diário Da Noite (1929-1962).

Para a coordenadora da Biblioteca Nacional Digital, Ângela Bittencourt, a doação do material tem valor inestimável. “São coleções que contam a história do nosso país. Disponibilizar todo este acervo gratuitamente, com acesso livre 24 horas por dia, é um projeto capaz até de mudar um pouco a nossa historiografia”, segundo ela.

Biblioteca Nacional IIO presidente da Biblioteca Nacional, Renato Lessa, garantiu que a instituição está preparada para receber o material. “Estamos construindo uma área nova na região portuária para expandir a armazenagem. Não podemos deixar de receber um acervo valioso como esse, e temos capacidade de guardá-lo com segurança”, garantiu.

Lessa explica que os papéis serão digitalizados e depois ensacados a vácuo. “Os jornais físicos serão microfilmados, digitalizados e acondicionados em sacos plásticos sem ar, o que dá para eles durabilidade infinita. Já estamos trabalhando no Jornal do Commércio e na revista O Cruzeiro, mas é preciso processar este material. Vai entrar na hemeroteca pouco a pouco”, acrescentou.

O presidente dos Diários Associados no Rio de Janeiro, Maurício Dinep, lembrou que a coleção tem exemplares raros. “Este acervo está guardado há anos e anos, sem acesso ao público. A Biblioteca Nacional já tinha parte microfilmada, mas com a doação será possível disponibilizar a coleção para o mundo inteiro pesquisar”, ressaltou.

A Biblioteca Nacional vai receber também precioso acervo musical. São 36.631 discos de vinil que eram do acervo da Rádio Tupi, emissora que faz parte do grupo dos Associados.

Fonte: Comunique-se

Coca-Cola celebra 30 anos do seu pior erro

Quem bom lembrar que esqueci esse sabor!

New Coke IIIHá trinta anos, a Coca-Cola cometeu o maior erro de sua história quando mudou a fórmula clássica da bebida para a New Coke. Para marcar a data, os arquivistas da empresa foram atrás das “melhores” mensagens negativas que a Coca recebeu depois do fato. Veja abaixo uma seleção das pérolas:

“Eu testei o novo sabor da Coca. Pessoalmente eu acho uma DROGA. Acho que tem gosto de Pepsi.”

New Coke I“A única razão que eu posso imaginar para que vocês tenham mudado o sabor da Coca tão drasticamente é que vocês compraram a Pepsi – e agora estão tentando fazer com que as pessoas bebam!”

“Coca era tudo. Provei. Não gostei. Guarde seu cupom. (A bebida) Não vale o papel em que o desconto está impresso.”

New Coke IIContudo, teve pelo menos um fã da nova fórmula, que escreveu em um papel com borda de estrelas amarelas. “Querida Coca, eu realmente gostei do novo sabor da Coca. Sempre serei um amante da Coca. Mantenham-se assim!”

Pode-se ver pelo nível de indignação nas mensagens como alguns fãs da marca são empenhados. Atualmente a marca tem 87,9 milhões de likes no Facebook e 2,94 milhões de followers. Imagine o desastre que seria se a Coca lançasse a famigerada New Coke nos dias de hoje.

Veja o comercial de lançamento da New Coke estrelado pela banda New Edition.

http://www.youtube.com/watch?v=qJTwcgmWrJA

Fonte: ProXXIma

PepsiCo corta o aspartame da Pepsi

Pepsi sem aspartame
A PepsiCo está removendo o aspartame da Pepsi Diet em uma tentativa de reverter o declínio dos refrigerantes diet. A marca substituirá o adoçante, que é muito criticado, pela sucralose, que será combinada com acessulfame de potássio, também conhecido com ace-K (adoçante sem calorias mais doce que a sacarose).

“Os consumidores de refrigerantes diet dos Estados Unidos nos disseram que gostariam de ter uma Pepsi Diet sem aspartame e atendemos o pedido”, afirma Seth Kaufman, vice-presidente sênior de Pepsi e do portfólio de sabores da PepsiCo na América do Norte. “Reconhecemos que a demanda dos consumidores está evoluindo e estamos confiantes de que os amantes de cola adorarão o sabor refrescante do novo produto”, complementa.

A última mudança na fórmula da Pepsi Diet ocorreu em 2013, quando o produto passou a usar uma mistura de ace-K e aspartame – substância usada pela marca desde 1983, segundo dados da publicação Beverage Digest.

A reformulação atingirá as marcas Pepsi Diet, Pepsi Diet Caffeine Free e Pepsi Diet Wild Cherry nos Estados Unidos. As novas latas de Pepsi Diet trarão a inscrição “now aspartame free” (agora sem aspartame, em tradução livre). O produto chegará aos pontos de venda em agosto acompanhado de um esforço de marketing. A mudança da fórmula em 2013 contou com uma grande campanha chamada “Love Every Sip” (“Ame Cada Gole”) estrelada por Sofia Vergara.

Todas as demais marcas de refrigerante diet contém aspartame, incluindo a Coca-Cola Diet. “Não há planos para mudar o adoçante da Coca-Cola Diet, refrigerante sem calorias favorito da América. Todas as bebidas que oferecemos e seus ingredientes são seguros”, afirmou a Coca-Cola em comunicado.

A percepção negativa do aspartame para a saúde das pessoas, no entanto, tem contribuído para a queda geral nas vendas de marcas diet. O volume de vendas da Coca-Cola Diet caiu 6,6% no ano passado, enquanto o da Pepsi Diet recuou 5,2%, segundo a Beverage Digest.

“O ponto principal que observamos em relação ao consumidor é uma queixa sobre o aspartame”, apontou Al Carey, CEO da PepsiCo Americas Beverages, em uma conferência de divulgação de resultados no início do ano.

Como a Beverage Digest já destacou, o aspartame foi declarado seguro por uma série de estudos. No entanto, tem atraído cada vez mais críticas de consumidores. Queixas de vários problemas de saúde circulam desde a introdução do aspartame no mercado na década de 1980, de acordo com a American Cancer Society. Mas, para a maioria das pessoas, os problemas de saúde não foram claramente ligados ao uso de aspartame.

Mesmo assim, as marcas estão mais dispostas a responder aos sentimentos do consumidor – que não são baseados em estudos – nestes tempos de vigilância minuciosa das mídias sociais.

Fonte: Meio&Mensagem

Receita publicitária do Google atinge US$ 15,5 bilhões no 1º trimestre

Google insideOutro trimestre se passou e a receita publicitária do Google continuou a crescer. Apesar disso, a gigante de buscas lucrou menos com cliques em seus anúncios nos primeiros três meses do ano, apresentando queda de 7% em relação ao final do ano passado. Porém, o número de cliques nos anúncios do Facebook cresceu 13% nesse primeiro trimestre. Esse padrão vem se repetindo desde o quatro trimestre de 2011.

No último trimestre de 2013, o Google migrou sua plataforma de compra de anúncios para a Enhanced Campaigns, que estabelece o preço para anúncios de mobile relacionados a anúncios de desktop, fazendo com que os anunciantes paguem mais em espaços pequenos.

Porém, a empresa afirma que o mobile não é responsável pela queda no preço por clique, e sim o YouTube. O valor cobrado pelo True View é muito baixo, justifica a companhia. Dessa forma, o valor do espaço do Google também cai.

A partir de uma olhada mais a fundo na questão de preço do Google é possível descobrir que os preços dos anúncios disponibilizados nos sites da própria empresa estão caindo. No primeiro trimestre, anúncios que o Google redireciona para sites third-party apresentaram valores 2% superiores aos do ano passado, mas 12% a menos clicaram nesses anúncios.

A empresa não informa o valor dos anúncios ou quantos anúncios são veiculados, então é difícil comparar as duas empresas. Mas é possível ver que, cada vez mais, a receita do Google vem de seus próprios sites.

Fonte: ProXXIma

Entidades pedem à presidenta Dilma que não feche acordo com o Facebook por internet grátis

Quando a gente pensa que finalmente algo de bom vai ser feito, lá vem a má e velha mania de reserva de mercado. O documento serviu, pelo menos, para conhecermos diversas dessas entidades, que não devem ser aceitas nem nos terreiros de umbanda.

RSF_Dilma-Rousseff-e-Mark-Zuckerberg-do-Facebook_05Uma carta – assinada por diversas entidades ligadas à defesa dos direitos da sociedade civil – foi encaminhada à presidenta Dilma Rousseff, na quinta-feira, 23/04. O documento questiona um possível acordo do governo brasileiro com a rede social para viabilizar o Internet.org, iniciativa conduzida pelo presidente do Facebook, Mark Zuckberg.

Na carta, as entidades destacam que “embora estejamos de acordo com o diagnóstico de que há um grande déficit na qualidade e na extensão do acesso à Internet fixa e móvel em países em desenvolvimento como o Brasil, consideramos que este projeto, promovido pelo Facebook em diversos países da América Latina, África e Ásia, pode colocar em risco o futuro da sociedade da informação, da economia no meio digital e os direitos dos usuários na rede, como a privacidade, a liberdade de expressão e a neutralidade da rede”.

As entidades questionam ainda os efeitos positivos do acesso gratuito, no modelo defendido pelo Facebook para inclusão digital, e lembram à presidenta que a plataforma é um dos principais instrumentos de vigiância das agências de segurança da Informação dos Estados Unidos. Também ressaltam que “essa estratégia do Facebook e de outras grandes empresas, realizada em parceria com as operadoras de telecomunicações, representa uma grave violação da regra da neutralidade quando promove “acesso para todos” sob a máxima “internet grátis”.

Os ativistas terminam o documento com as seguintes reivindicações:

(i) Que não sejam firmados quaisquer acordos com a empresa Facebook no âmbito da sua iniciativa Internet.org que tenham como objeto o provimento de acesso grátis à Internet;

(ii) Que quaisquer acordos que venham a ser firmados com a empresa Facebook – ou quaisquer outras empresas – respeitem os direitos positivados pelo Marco Civil, em especial o da neutralidade de rede; e

(iii)Que se busque realizar amplo debate com a sociedade civil antes de fechar acordos desse tipo.

O portal Convergência Digital disponibiliza a íntegra da carta encaminhada à presidenta Dilma Rousseff.

São Paulo, 23 de Abril de 2015
À Exma.
Presidenta da República Federativa do Brasil
Sra. Dilma Rousseff
Att.: Carta à Presidenta Dilma Rousseff sobre o acordo com o Facebook
Exma. Sra. Presidente,

As organizações e indivíduos abaixo-assinados manifestam sua contribuição ao debate com relação ao recente anúncio realizado por Vossa Excelência durante a 7ª Cúpula das Américas sobre o estabelecimento de uma parceria com o Facebook para a implementação do projeto “Internet.org” no Brasil. Embora estejamos de acordo com o diagnóstico de que há um grande déficit na qualidade e na extensão do acesso à Internet fixa e móvel em países em desenvolvimento como o Brasil,
consideramos que este projeto, promovido pelo Facebook em diversos países da América Latina, África e Ásia, pode colocar em risco o futuro da sociedade da informação, da economia no meio digital e os direitos dos usuários na rede, como a privacidade, a liberdade de expressão e a neutralidade da rede.

Pelo que foi apurado sobre o projeto até o momento, acreditamos que ao prometer acesso gratuito e exclusivo a determinados serviços e aplicativos o Facebook está na verdade limitando o acesso à Internet aos demais serviços existentes na rede e oferecendo aos que têm menos recursos econômicos o acesso à apenas uma parte do que constitui a Internet, o que viola os fundamentos e princípios basilares do Marco Civil da Internet (Lei nº 12965), da Declaração Multissetorial do NETMundial e dos Princípios para a Governança e Uso da Internet no Brasil do CGI.br (RES/2009/003/P), conforme elencamos a seguir:

• A lei nº 12965 institui como fundamento do uso da Internet a liberdade de expressão, o reconhecimento da escala mundial da rede, a pluralidade e a diversidade, a abertura e a colaboração, a livre iniciativa, a livre concorrência e a defesa do consumidor (art.2º), assim como reconhece os princípios da proteção à privacidade, a preservação e garantia da neutralidade de rede e a garantia da preservação da natureza participativa da rede (art.3º). Lembramos também que a referida lei estabelece como objetivo do uso da Internet o direito de acesso a todos, o acesso à informação, ao conhecimento, à participação na vida cultural e política, a inovação e a adesão a padrões tecnológicos abertos(art.4º);

  • O Encontro Multissetorial Global sobre o Futuro da Governança da Internet (NETMundial) reconheceu que a Internet é um recurso global que deve ser gerida pelo interesse público e identificou um conjunto de princípios comuns e valores, dentre os quais gostaríamos de ressaltar o caráter de espaço unificado e não fragmentado, onde datagramas e informação fluam livremente de ponta a ponta independentemente de seu conteúdo legal, a proteção e promoção da diversidade cultural e linguística, a arquitetura aberta e distribuída, preservando o ambiente fértil e inovador, a promoção de padrões abertos consistentes com os direitos humanos e com o desenvolvimento e a inovação na rede, e a preservação de um ambiente favorável à inovação sustentável e à criatividade, reconhecendo o empreendedorismo e o investimento em infraestrutura como condições para a inovação;
  • Os Princípios para a Governança e Uso da Internet do Brasil aprovados pelo CGI.br, o Comitê Multissetorial de Governança da Internet no Brasil, buscam embasar e orientar ações e decisões com vistas à governança democrática e colaborativa, preservando e estimulando o caráter de criação coletiva da Internet, a universalidade, a diversidade, a inovação, a neutralidade e a padronização e interoperabilidade da rede. Enfatizamos ainda que essa estratégia do Facebook e de outras grandes empresas, realizada em parceria com as operadoras de telecomunicações, representa uma grave violação da regra da neutralidade quando promove “acesso para todos” sob a máxima “internet grátis”. Esta prática que permite que apenas alguns aplicativos e serviços tenham privilégios na rede é conhecida internacionalmente como zero-rating (taxa zero) e, mesmo que possibilite o uso dos serviços mais populares, no longo prazo acaba gerando concentração da infraestrutura e monopólio sobre o tráfego de dados na rede, reduzindo tanto a disponibilidade de conteúdos, aplicativos e serviços na Internet, quanto a liberdade de escolha do usuário. Com isso, cabe perguntarmos como se espera que o Brasil desenvolva o setor de aplicativos, um dos mercados que mais cresce no mundo, se estes terão limitado seu acesso a grande parte da população.

    O modelo proposto pelo projeto Internet.org também traz efeitos desastrosos ao desenvolvimento de culturas regionais, comprometendo o direito de acesso à informação ao violar outro princípio fundamental do Marco Civil e da declaração Multissetorial do NETMundial, que é a liberdade de expressão. Em geral, plataformas como Facebook controlam por meio dos seus algoritmos e termos de uso os conteúdos e dados que circulam na rede, determinando de maneira centralizada e de acordo com critérios próprios e pouco transparentes os conteúdos mais visualizados pelos usuários. Tal cenário se agrava se lembrarmos que boa parcela da receita das empresas de Internet e operadoras de telefonia são hoje provenientes da venda de aplicações e conteúdos que acabam sendo fornecidos de forma imposta e verticalizada nos pacotes de serviços.

A formação de conglomerados econômicos, devido ao processo de convergência dos meios de comunicação, tem feito com que as empresas que prestam serviços de acesso à Internet sejam as mesmas que fornecem conteúdos, gerando ainda mais concentração. Essa redução do número de serviços e aplicativos disponíveis resulta no desrespeito ao direito de escolha dos consumidores e à livre concorrência, na limitação da diversidade cultural e no cerceamento do livre fluxo de informações na rede.

Não podemos esquecer ainda que a plataforma tecnológica do Facebook tem sido uma dasprincipais portas para a vigilância em massa, colocando em risco outro importante princípio do Marco Civil e da declaração Multissetorial do NETMundial que é a privacidade dos cidadãos. A ausência de uma lei de proteção de dados no país agrava o problema e faz com que hoje os possíveis usuários dos serviços que serão disponibilizados pelo Internet.org fiquem vulneráveis aos interesses comerciais dessa plataforma e às pressões políticas que uma empresa com sede nos Estados Unidos está sujeita.

É por considerar que a universalização do acesso à Internet se dá a partir de políticas coerentes com a sua essencialidade, o que passa pela prestação do serviço de telecomunicações que lhe dá suporte também em regime público e pelo fortalecimento de políticas já existentes, tais como cidades digitais, provedores comunitários integrados a telecentros, pontos de cultura, GESAC, estações digitais e iniciativas de comunicação comunitária, que nos posicionamos veementemente contra o acesso privilegiado ao mercado e aos dados dos brasileiros que o Facebook pretende obter com seu projeto através do Internet.org. Cabe também mencionar que existem excelentes alternativas internacionais que poderiam ser aproveitadas, tais como o Plan Ceibal no Uruguai, que busca fomentar as redes livres, o GuifiNet, uma parceria entre sociedade, ONGs e governos, OpenWRT, Commotion Wireless, entre outros.

Por último, vale lembrar que o Brasil possui um enorme contingente de organizações e ativistas que vêm atuando na promoção da inclusão digital. Ainda que nas políticas de acesso à banda larga o diálogo entre governo e sociedade civil não tenha se estabelecido de maneira satisfatória como ocorreu no Marco Civil, a aprovação da lei e seu processo de regulamentação são exemplares no incentivo à participação social e na existência de um canal efetivo de interlocução entre ambos os setores. A notícia de uma parceria com a empresa Facebook sem qualquer conhecimento prévio da sociedade civil, no entanto, diverge da postura democrática, transparente e inclusiva que tem sido adotada nas decisões e discussões relacionadas ao Marco Civil da Internet.

Conforme o exposto acima, concluímos que é de extrema importância que se preserve o desenvolvimento da economia digital e que se garantam os direitos estabelecido pela Marco Civil da Internet assim como os princípios estabelecidos no encontro multissetorial NETMundial. Assim, as entidades ora signatárias requerem:

(i) Que não sejam firmados quaisquer acordos com a empresa Facebook no âmbito da sua iniciativa Internet.org que tenham como objeto o provimento de acesso grátis à Internet;
(ii) Que quaisquer acordos que venham a ser firmados com a empresa Facebook – ou quaisquer outras empresas – respeitem os direitos positivados pelo Marco Civil, em especial o da neutralidade de rede; e
(iii)Que se busque realizar amplo debate com a sociedade civil antes de fechar acordos desse tipo.

Desde já nos colocamos à disposição para um encontro presencial com Vossa Excelência para debatermos melhor o assunto e certos de sua habitual atenção, subscrevemos.

Artigo19
Associação Brasileira de Centros de Inclusão Digital – ABCID
Associação Software Livre do Brasil – ASL
Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé
Co:Laboratório de Desenvolvimento e Participação – COLAB/USP
Coletivo Digital
Coletivo Soylocoporti
Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC
Frente Acorda Cultura
Hacklab Independência
Instituto Bem Estar Brasil
Instituto Beta Para Internet e Democracia – IBIDEM
Instituto de Defesa do Consumidor – Idec
Instituto Telecom
Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social
Movimento Mega
PimentaLab – Unifesp
PROTESTE – Associação de Consumidores
Recursos Educacionais Abertos Brasil – REA-Br
Rede Livre
União Latina de Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura – ULEPICC-Br
Anahuac de Paula Gil
Augusto César Pereira da Silva
Bruno Freitas
Camila Agustini
Raphael Martins
Diego Viegas
Hilton Garcia Fernandes
Iuri Guilherme dos Santos Martins
Marco Gomes
Raphael Martins
Reinaldo Bispo
Thadeu Cascardo

Fonte: Convergência Digital

Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR

Maior parte das 41,8 milhões de toneladas de e-lixo produzidas em 2014 é de produtos da linha branca

lixo-eletronicoQuando se pensa em lixo eletrônico, a imagem recorrente na cabeça de muitas pessoas é a de computadores e smartphones velhos. No entanto, um estudo da Universidade das Nações Unidas aponta que, na verdade, mais de 60% dos 41.8 milhões de toneladas de e-lixo produzidas em 2014 na verdade é composto pelos itens da chamada linha branca, como geladeiras, máquinas de lavar, microondas etc.

De acordo com o relatório, o aumento nos níveis de descarte de aparelhos eletrônicos no ano passado foi puxado pela crescente popularidade dos itens domésticos, e devido ao fato de que muitos novos produtos atualmente têm uma vida útil menor que suas versões anteriores.

Entre os países que mais jogaram eletrônicos fora em 2014, o EUA lidera o ranking, com 7.072 quilotoneladas, seguido da China (6.032 quilotonelada) e do Japão (2.200 quilotoneladas). Já a Europa está no topo das regiões onde é gerado mais e-lixo por cidadão.

O levantamento indica ainda que apenas 16% dos itens eletrônicos descartados no ano passado foram devidamente reciclados ou reaproveitados. Dentro dos 41,8 milhões de toneladas de e-lixo, encontra-se 16 toneladas de ferro, 1.900 quilotoneladas de cobre e 300 toneladas de ouro — combinados, esses montantes equivalem a um valor estimado de US$ 52 bilhões).

Fonte: O Globo

Palavra do Dia: Metáfora

photo,retouch,black,and,white,face,portrait,women,conceptual-e11027dc90d81b4665b11982348af902_h[1]Do latim ‘metaphora’, esta figura de linguagem consiste em estabelecer uma analogia de significados entre duas palavras ou expressões. Assim, a metáfora altera o sentido de uma palavra ou expressão através do acréscimo de um segundo significado, estabelecendo entre eles uma relação de semelhança. A metáfora está presente no verso “o amor é fogo que arde sem se ver”, de Luís de Camões.

Definição:

(me.tá.fo.ra)

sf.

  1. Gram. Figura de linguagem que consiste em estabelecer uma analogia de significados entre duas palavras ou expressões, empregando uma pela outra (p.ex.: asas da imaginação).

[F.: Do lat. metaphora, ae do gr. metaphorá.

Fonte: Aulete

Crítica: Os Vingadores: Era de Ultron ou Nasce mais um Blockbuster

Ultron X
Os Vingadores: Era de Ultron
, que entrou em cartaz nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, tem todos os elementos para superar os números milionários do seu antecessor. O Universo Marvel – que realmente se tornou um universo, com vários longas contando histórias individuais dos heróis, além de séries de TV mostrando o funcionamento e as lutas da S.H.I.E.L.D. – chegou a um ponto onde para se ter uma experiência completa é preciso acompanhar cada novo lançamento.

AFTER_PARTY_PAYOFF_BRAZIL_-_Copy.jpg_rgbA cabine de imprensa, talvez por estar espremida entre feriados, foi bem menos concorrida do que eu havia imaginado. E, mesmo já estando nos cinemas, vou procurar não dar muitos spoilers, mas informo que os super-heróis mais amados dos quadrinhos estão de volta – Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro, além de mais alguns novos personagens. O humor e a ação, característicos dos longas da Marvel, também estão lá em doses mais que generosas, e a preparação do terreno para o próximo filme – com alguns dramas pessoais e a possível aposentadoria de personagens, dando espaço a novos heróis – também está lá.

A história gira em torno da luta contra Ultron (que conta com a voz de um excelente James Spader), uma inteligência artificial que decide salvar o mundo exterminando a raça humana. A trama pode não parecer muito original (e não é), mas funciona muito bem. E para os que pensam que a fórmula possa estar se esgotando, um aviso: ainda vamos ver muitos blockbusters pelo caminho.

Os Vingadores Ultron (22)O filme tem cenas de ação que praticamente não deixam respirar e que dão vontade de ver várias vezes para que possamos notar todos os detalhes (bom para a bilheteria) e desenvolve alguns dramas pessoais, com revelações sobre as vidas e desejos dos Vingadores. Claro que isso deixa o filme menos frenético, o que acaba sendo um ponto positivo. Difícil mesmo é crer que a Marvel pense mesmo em aposentar personagens como o Homem de Ferro ou que possa encontrar alguém que fique tão bem no papel quanto Robert Downey Jr.

O diretor Joss Whedon – o mesmo do primeiro Vingadores – cria um filmão-pipoca que vai agradar a todos, do netinho ao vovô.

Veredito: altamente recomendado.

Obs: Uma versão deste texto foi publicado na revista Ambrosia.

feroli na Ambrosia

ambrosia-revista-cultural-colaborativa[1]

Fico feliz em participar da plataforma colaborativa Ambrosia, hospedada no UOL e que conta com vários colegas que respeito. Agora, vez ou outra, alguns tetos que publicarei lá serão reproduzidos neste espaço. Espero que gostem. O primeiro texto é a crítica do novo longa dos Vingadores (ainda hoje).

 

Microsoft e Yahoo modificam acordo para buscas na internet

yahooOs grupos norte-americanos de tecnologia Yahoo e Microsoft anunciaram que estão modificando a parceria de busca na internet estabelecida em 2009, de forma a incluir detalhes que a tornam, de certa forma, menos exclusiva.

Ao contrário do acordo idealizado anteriormente, que previa que a Microsoft forneceria a tecnologia para buscas em todos os sites de ambos os grupos, a nova versão incorpora “flexibilidade” para o Yahoo.

MicrosoftConforme comunicado divulgado por ambas as partes, a empresa de mídia online poderá melhorar serviços de busca em qualquer plataforma. Outra mudança está relacionada aos anúncios.

A partir do segundo semestre deste ano, a Microsoft vai colocar sua força de vendas e assumir sozinha a responsabilidade de sua própria plataforma, a Bing Ads. Da mesma forma, o Yahoo continuará vendendo em sua plataforma, a Gemini.

Fonte: Comunique-se

Letras: Secondhand Love

Uma letra amarga e que traduz brilhantemente aquele sentimento doído que vez por outra esbarra conosco. Esse é (acho) o primeiro post no qual repito uma música já publicada. Mas ela merece!

unfaithful-man-and-womanDon’t bring me secondhand love
Don’t bring me secondhand love

Now, you went out tonight
Who you been hanging around this time?
I don’t care if he’s black or white
I just don’t like his kind

I don’t want your secondhand love
I don’t want your secondhand love
I don’t want your secondhand love
Don’t bring me secondhand love

He’s been leaving his scent on you
I can sense it from a mile
All my money is spent on you
But you’re still selling your smile

Don’t bring me secondhand love
Don’t bring me secondhand love
I don’t want your secondhand love
I don’t want your secondhand love

Give your love
And keep blood between brothers
Give your love
And keep blood between brothers

I don’t want your secondhand love
Don’t bring me secondhand love
Don’t bring me secondhand love

I can guess where you’ve been tonight, yeah
You’ve been hanging out on the street
Wearing your dress too tight
Showin’ out to anyone you meet

But I don’t want your secondhand love
I don’t want your secondhand love
Don’t bring me your secondhand love
Don’t bring me your secondhand love

I want the first call on your kiss
Answer me one question, can you promise me this
I want my defenses laying in your hands
I don’t want to rest in the palm of another man

I don’t want your secondhand love
Don’t want, don’t want your secondhand love
I don’t want, I don’t want your secondhand love
I don’t want, I don’t want your secondhand love

I don’t want, I don’t want your secondhand love

 

Editora Abril encerra revistas Veja BH e Veja Brasília

 

vejabhbsb
 Nesta quinta-feira, 16, a Editoria Abril divulgou a decisão de encerrar as edições de Veja BH e Veja Brasília, que circulam semanalmente com a revista Veja. Publicados desde 2012 e 2013, respectivamente, os títulos passam a existir exclusivamente na web.

“O processo, também associado à desaceleração econômica que impacta a publicidade e a mídia de maneira geral, está alinhado às transformações do mercado e às exigências dos leitores. O objetivo é aumentar a competitividade ao adotar uma estrutura mais integrada e eficiente”, diz comunicado da empresa.

Com conteúdo focado nos roteiros culturais e nos serviços do Comer & Beber, as marcas continuam apenas de forma digital. Nas bancas, só serão encontradas Veja Rio e Veja São Paulo. De acordo com a Abril, o movimento foi planejado ao longo de todo o ano passado e está alinhado ao esforço de integração dos universos online e offline.

O anúncio acontece na mesma semana do lançamento do portal Veja.com, com layout responsivo para qualquer plataforma, incluindo smartphones e tablets.

Fonte: Comunique-se

Buscapé e Sebrae lançam app que facilita gestão financeira de microempreendedores individuais

App SebraeO site de comparação de preços Buscapé anunciou nesta segunda-feira, 13, em parceria com o Serviço de Apoio a Pequenas e Médias Empresas (Sebrae), o lançamento do Qipu, aplicativo gratuito disponível para iOS, Android e Windows Phone, que facilita a gestão fiscal e financeira de microempreendedores individuais. O anúncio foi feito durante a 7ª edição da Semana do MEI (Microempreendedor Individual), que acontece em todo o país até sábado, 18, evento promovido pelo Sebrae, que oferece cursos, oficinas e palestras gratuitas ao pequeno e micro empresário.

De acordo com Luiz Barretto, diretor presidente do Sebrae Nacional, o aplicativo foi criado com o objetivo de melhorar os negócios dos 5 milhões de microempreendedores individuais do Brasil, bem como diminuir a inadimplência que hoje atinge 50% dos mesmos. “A melhoria na gestão financeira é a garantia de enfrentar este ano de ajustes econômicos”, enfatizou.

Dentre as features do Qipu está o envio de mais de 40 notificações inteligentes para que o usuário lembre a data de pagar suas obrigações, tais como a declaração anual e o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). Com o app, o microempreendedor também fica ciente de seus direitos a benefícios previdenciários e tem domínio de toda movimentação financeira de sua empresa. Todos os dados cadastrados pelo microempreendedor no aplicativo ficam criptografados na nuvem, possibilitando que ele consiga acessá-los de qualquer dispositivo.

Para o Buscapé, a parceria com o Sebrae vai ao encontro de sua estratégia de negócios, segundo ressaltou Romero Rodrigues, CEO global do site. “Digitalizar o microempreendedor casa com a possibilidade de incluí-lo no Buscapé, já que ele também poderá listar seus produtos em destaque no aplicativo”, explicou, salientando que 46% dos usuários do Buscapé usam smartphone.”Esta é uma oportunidade única em expandir nosso mercado em 20 vezes, visto que o varejo é muito maior que o e-commerce”, acrescentou o executivo.

Fonte: TI Inside

Governo estuda lançar banda larga popular com velocidade de 25 Mbps

Do jeito que anda a minha conexão, acho que eu vou querer essa banda larga popular!

Banda Larga LentaO projeto Banda Larga para Todos pode ganhar novidades bastante animadoras em breve. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, o Ministério das Comunicações, em meio a um ajuste fiscal, se prepara para levar o programa a 98% dos lares brasileiros até 2018, usando recursos de um fundo setorial que hoje ajuda o governo a fazer caixa para pagar juros de sua dívida.

A ideia faz parte de uma promessa de campanha da presidente Dilma Rousseff, que pretende universalizar a internet e elevar a velocidade das conexões a patamares de outros países, como a Coreia do Sul, onde a rede é de 25 Mbps. É justamente essa a velocidade que o governo planeja alcançar com o Banda Larga para Todos, ampliando em quase nove vezes a média atual de velocidade em território nacional, que é de 2,9 Mbps.

Segundo a Folha, para tornar o projeto realidade, o governo estuda fazer parcerias público-privadas com as operadoras ainda no primeiro semestre deste ano. Para tal, o governo entraria com R$ 15 bilhões e as teles com R$ 35 bilhões. Os recursos públicos sairiam do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel), que hoje conta com R$ 47 bilhões em caixa e ajuda a pagar as contas da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e outros fundos setoriais.

Para receber esse dinheiro, as operadoras teriam de participar de uma concorrência conhecida como leilão reverso, quando recebem as quantias em vez de gastá-las ou investi-las – assim como aconteceu no leilão da internet móvel de quarta geração (4G). Os R$ 15 bilhões do Fistel seriam usados inicialmente pelas teles, que fariam investimentos próprios em uma segunda etapa, quando o programa já estivesse em curso.

O plano do governo é ambicioso, e as operadoras reconhecem isso. No entanto, elas dizem não ter como bancar R$ 35 bilhões em investimentos sem comprometer seu retorno ao prestar esse tipo de serviço, ainda mais agora que o país passa por um momento de crise na economia e contenção de gastos. Atualmente, a média anual de investimento das teles é de 15% a 20% da receita, mas para atingir o patamar estabelecido pelo Banda Larga para Todos, seria preciso aumentar essa proporção a cerca de 30% com a construção de fibra óptica, que ficaria ociosa na maior parte dos locais.

Uma possível solução para contornar esse problema seria usar o próprio Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) para estabelecer uma meta de conexão, só que, em vez dos 25 Mbps, o objetivo seria 10 Mbps – pelo menos num primeiro momento. Neste caso, as empresas investiriam na rede existente de fios de cobre, encurtando a distância entre as centrais das operadoras e as caixas que fazem as conexões com os domicílios.

A assessoria do ministério confirmou que o projeto está em fase de elaboração, mas não comentou detalhes, dizendo apenas que se tratam de estimativas. O Tesouro Nacional disse ainda que não participa do desenvolvimento do programa.

Fonte: Canaltech

Governo designa canais 7 a 13 para TV Digital

TV-DigitalOs canais 7 a 13, ou VHF alto, serão usados para alocar canais da TV Digital. Depois de especulações e testes, o Ministério das Comunicações oficializou a promessa em uma Portaria publicada nesta segunda, 13/4, no Diário Oficial da União.

Essa fatia do espectro, entre 174 e 216 MHz, é hoje amplamente utilizada pela TV analógica, mas será liberada com a digitalização. Na Portaria 1.581, desta segunda, o governo designa o naco para “sistemas de radiodifusão publico, privado e estatal”. Mas já indica preferência aos públicos.

“Os canais criados pelo art. 13 do Decreto no 5.820, de 29 de junho de 2006, terão preferência no uso da faixa de VHF Alto nos municípios onde houver inviabilidade técnica de atribuição de outros canais utilizados para a execução do serviço de radiodifusão de sons e imagens em tecnologia digital.”

Na prática, significa dizer que nos grandes centros, particularmente nas regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro, será mesmo no VHF alto o alojamento dos canais do Poder Executivo, da Educação, da Cultura e o Canal da Cidadania.

Ao menos parte dos canais públicos preferia ocupar um endereço mais para cima do espectro radioelétrico e tem ressalvas sobre esse arranjo – em especial, por  dúvidas sobre a viabilidade do VHF alto para as transmissões de TV Digital para aparelhos móveis (one seg).

Mas há interessados. No ano passado, ao fazer chamamentos públicos durante o processo de outorga da TV Digital, o Ministério das Comunicações recebeu pedidos para operações de retransmissão, especialmente de prefeituras no interior de Minas Gerais, mas algumas em São Paulo também.

A Portaria prevê, assim, novos chamamentos “por município, para mapear potenciais entidades interessadas em executar o serviço de radiodifusão de sons e imagens em tecnologia digital na faixa de VHF Alto”.

Segue a íntegra da Portaria:

PORTARIA No 1.581, DE 9 DE ABRIL DE 2015

O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal, resolve:

Art. 1o A faixa compreendida entre as frequências 174 MHz a 216 MHz (“VHF Alto”) será? utilizada para a execução do serviço de radiodifusão de sons e imagens, em tecnologia digital, por consignações da União e outorgas integrantes dos sistemas de radiodifusão publico, privado e estatal.

Parágrafo único. Continuará a ser executado, nesta faixa, o serviço de radiodifusão de sons e imagens, em tecnologia analógica, apenas antes dos prazos fixados pela Portaria no 481, de 9 de julho de 2014.

Art. 2o Os canais criados pelo art. 13 do Decreto no 5.820, de 29 de junho de 2006, terão preferência no uso da faixa de VHF Alto nos municípios onde houver inviabilidade técnica de atribuição de outros canais utilizados para a execução do serviço de radiodifusão de sons e imagens em tecnologia digital.

  • 1o Antes do início de qualquer processo de outorga na faixa de VHF Alto em municípios com população superior a quinhentos mil habitantes ou outros a eles conurbados, o Ministério das Comunicações questionará formalmente a Anatel sobre a viabilidade técnica de que trata o caput.
  • 2o Caracterizada a inviabilidade técnica, o Ministério das Comunicações consignará todos os canais citados no caput antes do prosseguimento do novo processo de outorga na faixa de VHF Alto.

Art. 3o Respeitada a preferência de que trata o art. 2o, o Ministério das Comunicações realizará chamamentos públicos, por município, para mapear potenciais entidades interessadas em executar o serviço de radiodifusão de sons e imagens em tecnologia digital na faixa de VHF Alto.

  • 1o Concluído o chamamento público, o Ministério das Comunicações planejará as novas outorgas, em cada município, considerando o percentual de entidades interessadas em executar, na faixa de VHF Alto, os serviços de:

I – Radiodifusão de sons e imagens;

II – Radiodifusão de sons e imagens com finalidade exclusivamente educativa; e

III – Retransmissão de televisão – RTV.

  • 2o A resposta ao chamamento público de que trata o caput não configura qualquer direito adquirido ou preferência à nova outorga.

Art. 4o Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação.

 Fonte: Convergência Digital

Jornal O Sul encerra versão impressa e publica comunicado na capa

Infelizmente mais um jornal chega ao fim.

jornal O SulNa quarta-feira (8/4), o jornal O Sul anunciou o fim de sua versão impressa, após 14 anos de circulação no Rio Grande do Sul. Em editorial publicado na primeira página, a Empresa Jornalística Pampa, responsável pelo veículo, justifica o encerramento alegando aumento dos custos de papel e tinta com a alta do dólar.

O comunicado ainda explica que “a receita publicitária não acompanhou este acréscimo expressivo de custos”, mas que o acesso ao jornal na internet permanecerá gratuito. De acordo com a empresa, O Sul continuará com as mesmas abordagens, mesmo padrão de notícias e colunistas, mudando apenas a forma de levar conteúdo aos leitores.

“A Empresa Jornalística Pampa dá este importante passo rumo ao futuro, na certeza de continuar recebendo o prestígio e a leitura diária dos 141 mil leitores de O Sul. A partir de amanhã e em todos os dias da semana, inclusive aos domingos, estará disponibilizada para você a edição completa do seu jornal preferido via internet”, diz o texto impresso na capa.

Fonte: Comunique-se

Twitter permite que usuário comente em retuítes

twitter_logoO Twitter passou a permitir que os usuários incluam seus comentários em retuítes de outras contas. Chamado de ‘Retweet com comentários’, o recurso lançado agora dá espaço de 140 caracteres para observações, como em postagens comuns.

Segundo a rede social, a novidade funciona incorporando a publicação anterior na íntegra, inclusive com fotos, e já está disponível para quem acessar a plataforma pela web e pelo aplicativo para iOS. A atualização para Android ainda não tem previsão de lançamento, mas o Twitter antecipa que será “em breve”.

Em fase beta desde o ano passado, a ferramenta chega para suprir a necessidade dos tuiteiros, que criaram artifícios como o uso do termo “RT” para fazer comentários e ao mesmo tempo identificar outro usuário como autor da postagem original.

Fonte: Comunique-se

She’s a Mystery to Me

Bela versão do U2 para a canção que Bono e The Edge entregaram para Roy Orbison gravar.

 

2789_2[1]Darkness falls and she will take me by the hand
Take me to some twilight land
Where all but love is grey
Where I can’t find my way
Without her as my guide

Night falls I’m cast beneath her spell
Daylight comes our heaven’s turns to hell
Am I left to burn
and burn eternally

She’s a mystery to me
She’s a Mystery Girl
She’s a Mystery Girl

In the night of love words tangled in her hair
Words soon to disappear
A love so sharp it cut like switchblade to my heart
words tearing me apart
She tears again my bleeding heart
I want to run she’s pulling me apart
Fallen angel cries
And I just melt away
She’s a mystery to me
She’s a Mystery Girl
She’s a Mystery Girl
She’s a Mystery Girl

hqdefault[1]Haunted by her side it’s the darkness in her eyes
That so enslaves me
But if my love is blind then I don’t want to see
She’s a mystery to me

Night falls I’m cast beneath her spell
Daylight comes our heaven’s turns to hell
Am I left to burn
and burn eternally

She’s a Mystery Girl
She’s a Mystery Girl
She’s a Mystery Girl
She’s a Mystery Girl
She’s a Mystery Girl
She’s a Mystery Girl
She’s a Mystery Girl

Link: http://www.vagalume.com.br/roy-orbison/shes-a-mystery-to-me.html#ixzz3XIuEoRY3

Com quase 60 anos de emissora, Claudio Carsughi é demitido da Jovem Pan

Fico cada vez mais impressionado com os rumos que as direções dos veículos de comunicação estão dando aos seus negócios. Carsughi é leitura obrigatória para todos que gostm de esporte, em especial de Formula 1.

Carsughi[1]O jornalista Claudio Carsughi comunicou, na tarde desta segunda-feira, 13, que foi demitido da Jovem Pan. Com quase 60 anos de emissora, o locutor informou o desligamento ao público por meio de suas páginas nas redes sociais e agradeceu aos seguidores pela solidariedade e mensagens de apoio.

Carsughi destacou que os interessados ainda podem acompanhar seu trabalho em seu novo site. Na plataforma, o jornalista aborda temas relacionados a futebol, Fórmula 1, carros, motos e turismo — temas com os quais trabalhava no veículo radiofônico.

“Agradeço a todos os amigos que dedicaram alguns minutos para manifestar sua solidariedade. Após quase 60 anos de Rádio Jovem Pan fui demitido e confirmo a informação. Obrigado a todos e espero poder continuar contando com a audiência e o prestígio de vocês na continuação de minha carreira!”, declarou Carsugui pelo Facebook.

Italiano residente no Brasil desde 1958, o agora ex-funcionário da Jovem Pan já atuou em veículos como Quatro Rodas, Oficina Mecânica e Auto e Técnica. De 1996 a 2005, Carsughi foi comentarista de Fórmula 1 e futebol da ESPN Brasil. Atualmente, além de cuidar de seu site, colabora com o Sportv.

Fonte: Comunique-se

Pesquisa aponta Recife Guararapes como o melhor aeroporto do Brasil

O aeroporto do Recife foi eleito o melhor do país em um levantamento realizado entre passageiros pela Secretaria de Aviação Civil. A  pesquisa ouviu 64.539 passageiros de voos domésticos e internacionais em 15 aeroportos de grande movimentação no Brasil ao longo de 2014.

O Aeroporto Guararapes Gilberto Freyre foi eleito na categoria principal, chamada ˜Aeroporto + Brasil”. O Aeroporto de Congonhas venceu em outras quatro categorias e os aeroportos de São Gonçalo do Amarante (RN), Confins (MG), Curitiba (PR) e Santos Dumont (RJ) foram os melhores em uma categoria, cada. Confira o resultado:

melhores-aeroportos-Brasil-620x620

As entrevistas foram encomendadas pela SAC à empresa Praxian – Business & Marketing. O nível de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 5%.

As perguntas da entrevista contemplavam os indicadores qualitativos descritos nas nove categorias e seguem a escala de avaliação de 1 a 5, sendo 1 para a pior e 5 para a melhor avaliação possível. Segundo a SAC, a distribuição amostral das entrevistas considerou a distribuição de passageiros prevista para embarque e desembarque doméstico e internacional.

Ainda segundo a secretaria, 8 dos 15 terminais avaliados receberam média acima de 4 dos usuários, na escala de um a cinco.

Fonte: Melhores Destinos

Lembranças do encontro com Les Paul ou saudades de 25 de março de 2002

Autógrafo Les Paul
O mundo já não era o mesmo em março de 2002. Os ecos da tragédia do 11 de setembro ainda podiam ser ouvidos e os Estados Unidos estavam assustados e paranoicos. Foi nesse cenário que desembarquei em NY para aproveitar a cidade, enquanto ainda pairava a possibilidade de novos atos terroristas e do fim do mundo.

Les Paul IridiumUma das coisas que entraram na minha agenda era assistir um show de Les Paul, o homem que inventou a guitarra, a gravação em multicanal, etc. O velhinhona época com 87 anos – ainda tocava todas as segundas em um pequeno clube de jazz da cidade – o Iridium. O local era/é minúsculo e fiquei a bem poucos metros do homem.  Mas o melhor mesmo foi vê-lo tocar Aquarela do Brasil e ir falar com ele após o show, sem qualquer dificuldade ou frescura. Ele contava piadas (algumas bem safadinhas) e mostrava o primeiro corpo de guitarra que inventou, assim como o primeiro amplificador, etc.

Lembro de comentar com ele sobre Aquarela do Brasil (que ele chamava apenas de Brazil) e de não tirar nem uma foto com ele – vale lembrar que não havia máquinas digitais e que foi uma viagem de pobre. Mas o impressionante é que apaguei da minha memória que havia pego um autógrafo dele. Só recentemente, durante uma arrumação, encontrei o bichinho imaculado. Não preciso dizer o quão feliz isso me deixou. Sendo assim, compartilho essa lembrança com vocês.

Obrigado, Sr. Lester William Polfus!

Samsung é a marca mais influente

Juro que não entendo totalmente os diversos critérios para a composição desses rankings e até mesmo as suas subdivisões, mas acho que é um termômetro importante para detectar a percepção do público em relação às marcas.

Samsung_Logo.svg (1)

Nestlé e Google aparecem na sequência no estudo Most Influential Brands divulgado pelo Instituto Ipsos 

O Instituto Ipsos divulgou nesta quinta-feira, 9, o estudo Most Influential Brands, que avalia as marcas que mais têm influência sobre a vida do consumidor. O ranking de 2015, relativo ao desempenho das companhias no Brasil em 2014, foi liderado pela Samsung, seguida da Nestlé e do Google (confira abaixo a lista completa das dez marcas mais influentes).

Para fazer a seleção dessas empresas, o instituto realizou pesquisa online com mil consumidores. O perfil dos respondentes corresponde à amostra online brasileira, das classes AB e C, de 18 a 55 anos ou mais e de todas as regiões do País.

Na pesquisa, os consumidores avaliaram as marcas sob seis critérios: Relevância (que analisava as marcas do ponto de vista de atributos como ser impactante, fundamental, importante, próxima e amada); Confiança (se a marca era considerada confiável, recomendável, icônica ou que transmitia credibilidade); Liderança (característica conferida às marcas percebidas como inovadoras, únicas, diferentes, transformadoras e indulgentes); Presença (aquelas marcas mais exibidas em propaganda, que estão em todo lugar, conhecidas e populares); Interação Online (atributo das mais compartilhadas e curtidas nas redes sociais e com boa performance nas compras online); e Cidadania Corporativa (mérito das marcas que melhor se relacionam com questões como meio ambiente, sociedade e comunidade).

No critério Relevância, a primeira posição foi ocupada pelo Google. Já a marca em que os consumidores mais têm Confiança é a suíça Nestlé. A Apple ocupa o topo do ranking no quesito Liderança e a posição é conquistada pela Coca-Cola quando o foco é Presença. Os esforços do Grupo Boticário em modernizar suas estruturas e estreitar laços nas redes sociais colocam o carro-chefe da companhia – O Boticário – em primeiro lugar na Interação Online. A grande concorrente da marca no Brasil, a Natura, desponta como líder no fator Cidadania Corporativa.

Os pesquisadores da Ipsos que apresentaram o estudo também destacaram o impacto que a Copa do Mundo 2014 exerceu sobre os resultados da análise. Quatro das novas marcas do ranking Top 10 em 2015 foram patrocinadoras da Copa ou da seleção brasileira ano passado: Samsung, Nestlé, Sadia e Gillette. A Nestlé foi patrocinadora da Copa e as demais marcas, da equipe brasileira.

Most Influential Brands 2015 – Brasil:

  1. Samsung
  2. Nestlé
  3. Google
  4. Havaianas
  5. Microsoft
  6. O Boticário
  7. Natura
  8. Sadia
  9. Johnson & Johnson
  10. Gillette

Top 5, por critério:

Relevância:

  1. Google
  2. Facebook
  3. Microsoft
  4. Samsung
  5. YouTube

Confiança:

  1. Nestlé
  2. Johnson & Johnson
  3. Brastemp
  4. OMO
  5. Sadia

Liderança:

  1. Apple
  2. Microsoft
  3. Coca-Cola
  4. Mercedes-Benz
  5. Havaianas

Presença:

  1. Coca-Cola
  2. Skol
  3. TIM
  4. Itaú
  5. Nestlé

Interação Online:

  1. O Boticário
  2. Claro
  3. Sony
  4. Facebook
  5. Fiat

Cidadania Corporativa:

  1. Natura
  2. O Boticário
  3. Banco do Brasil
  4. Bradesco
  5. Petrobras

Fonte: Meio&Mensagem