Sábado de Alta Fidelidade

04/10/2008 1 Por Fernando de Oliveira

Um sábado com clima louco e um dente que precisa ser operado. Cenário perfeito para um dia aborrecido. Ligo a TV e me deparo com um dos meus filmes preferidos e que tem como personagem principal alguém que muitos aspectos (e até eu concordo) parece muito comigo (não no visual, claro): Alta Fidelidade (High Fidelity), lançado em 2000 e estrelado por John Cusack, Iben Hjejle, Black Jack e participações de Tim Robins, Joan Cusack e Catherine Zeta-Jones, entre outros.

Ganhei esse DVD de uma ex-namorada (que não era ex ainda), o que já coloca por terra a tese dos que dizem que é um filme para dor-de-cotovelo. Baseado em um livro do escritor inglês Nick Hornby – que também é o autor do ótimo Febre de Bola (Pitch Fever), que também virou filme.

Alta Fidelidade é um daqueles raros casos nos quais o livro não é melhor que o filme. Como no livro a história acontece na Inglaterra e o roteiro do filme foi transposto para os Estados Unidos, muitas referências foram modificadas, tornando as duas obras similares, mas impedindo comparações. O meu preferido? Acho que dá empate.

Rob Fleming (no livro) ou Rob Gordon (no filme) é dono de uma loja de discos (basicamente em vinil), viciado em listas, músicas e em depressão. O diretor Stephen Frears conseguiu tirar ótimas atuações do elenco, até mesmo dos difíceis Jack Black e Tim Robins.

Entre as muitas características comuns entre Rob e eu, estão: a apurada técnica e a enorme quantidade de regras para criar fitas (hoje CDs) de música, a eterna arrumação de sua coleção, o número enorme de listas criadas sobre tudo e a mania de ranquear as coisas.

“What came first, the music or the misery? People worry about kids playing with guns, or watching violent videos, that some sort of culture of violence will take them over. Nobody worries about kids listening to thousands, literally thousands of songs about heartbreak, rejection, pain, misery and loss. Did I listen to pop music because I was miserable? Or was I miserable because I listened to pop music?”

Talvez Rob tenha algumas atitudes muito civilizadas para o meu gosto, mas nisso não impede de admira-lo.

Apesar de ser musicalmente superficial (com discussões que não levam ninguém a lugar nenhum), Alta Fidelidade tem uma trilha sonora fenomenal, impulsionada pela variedade de gostos dos personagens. Engraçado que uma das músicas citadas (e criticadas) no filme (e que aparece nos créditos – I Believe (When I Fall In Love It Will Be Forever)) é uma das minhas favoritas. Até mesmo seus intérpretes (Steve Wonder, que também é o autor), Art Garfunkel (que faz a minha versão favorita) e Peter Frampton, são colocados como decadentes ou simplesmente desprezíveis.

John Cusack emendou uma série de filmes que me agradam: Being John Malcovich, High Fidelity, America’s Sweethearts e Serendipity. Atualmente anda escolhendo maus roteiros (minha opinião), mas continua um ótimo ator e vale a pena assistir Grosse Pointe Blank (Matador em Conflito), de 1997.

“It would be nice to think that since I was 14, times have changed. Relationships have become more sophisticated. Females less cruel. Skins thicker. Instincts more developed”.

Ótimo me ver na tela da TV.

Em tempo: Quais as cinco melhores músicas para um sábado de Alta Fidelidade?

Clique na imagem e ouça as músicas que acompanham bem um dia de Alta Fidelidade

play-musicasdavida-playlist