Crosby, Stills and Nash – Ecos de Woodstock no Rio de Janeiro – 13/05/2012

14/05/2012 0 Por Fernando de Oliveira

Crosby, Stills and Nash fazem apresentação irretocável, com belas harmonias vocais, solos de guitarra, canções de protesto e muita participação do público.

Foram mais de 40 anos de espera para que um dos ícones do festival de Woodstock se apresentasse no Brasil. David Crosby, Stephen Stills and Graham Nash terminaram sua turnê pelo Brasil (já haviam tocado em Belo Horizonte e São Paulo) neste domingo, com um show que vai ficar na história da cidade como um dos mais belos de todos os tempos.

Com um currículo que inclui participações em grupos seminais dos anos 60 como The Birds (David Crosby), Buffalo Springfield (Stephen Stills) e The Hollies (Graham Nash), o trio relembrou quase todos os grupos, além de tocar os clássicos da carreira (inclusive os gravados com o sempre supervalorizado Neil Young). Aliás, a ausência de Young é sempre um reforço para músicos e público.

Tudo esteve perfeito no Citibank Hall, estavam lá as canções de protesto – até mesmo uma nova, Almost Gone, sobre Bradley Manning, um soldado americano que está preso e sendo torturado pelo governo norte-americano por ter liberado documentos para o site WikiLeaks) -, belas melodias, harmonias vocais belíssimas, inspirados solos de guitarra (cortesia de Stephen Stills) e um clima de harmonia e integração com a plateia.

A noite serviu para que a cidade tivesse o privilégio de conferir a ótima forma vocal de David Crosby (apesar de todos os abusos com drogas durante sua vida), os solos do guitar hero Stephen Stills e as harmonias, melodias e jeitão de band leader de Graham Nash. A configuração do Citibank Hall (somente com cadeiras) também ajudou a impedir que as pessoas dos lugares mais baratos invadissem os lugares mais nobres e atrapalhassem a visão de quem pagou caro pela proximidade com os músicos e os mal-educados que tentaram tirar fotos perto do palco. A segurança foi perfeita. Já o público ficou sentado nas canções mais delicadas do show, mas foi obrigado a aplaudir de pé praticamente todas as músicas, arrancando sorrisos discretos, mas sinceros dos astros da noite.

Chamá-los de grupo de folk seria de uma pobreza que só mesmo quem nunca ouviu a música do trio e resolveu fazer uma resenha baseada em releases. Lamentável, mas teve gente que fez isso.

A banda foi um espetáculo a parte. Com membros vindos de diferentes backgrounds (Sting, Jackson Brown, Bruce Springsteen e até mesmo o filho de Crosby pilotando os teclados), eles proporcionaram uma base sonora que permitiu aos três front men focarem seus esforços em suas próprias performances.

O setlist praticamente seguiu os das apresentações anteriores no país, apenas com a mudança no bis, onde entrou Woodstock e saiu For What It’s Worth. Uma troca que manteve o nível de qualidade do repertório (melhor seria manter as duas). O show, que teve dois sets de pouco mais de 1h20 e um intervalo de 15 minutos, poderia ter o triplo da duração que ainda poderia gerar lamentos por uma ou outra música ausente. Até mesmo canção Jesus of Rio (uma das mais fracas do set e que teve como inspiração o Cristo Redentor) foi bem recebida.

A presença de palco dos senhores que protagonizaram a noite era distinta. Enquanto Crosby praticamente não se movia e falava pouco, Stills desfilava solando suas várias Fenders e Gibsons e Nash, sempre descalço, comandava as ações, a interação com o público e as marcações da banda. Além disso, foi quem mais variou de instrumentos, passando pelo violão, guitarra e piano com a mesma desenvoltura.

Crosby, Stills e Nash provaram mais uma vez que a crise econômica na Europa tem seus pontos positivos. Nunca tantos bons músicos estrangeiros vieram conhecer ou rever nosso país. Privaram também que há algo que faz com que esse bando de senhores setentões, que passaram por vários percalços durante suas vidas, mantenha um vigor e uma forma de dar inveja aos pseudo astros da música atual.

Que a próxima visita não demore 40 anos para acontecer.

Setlist:

Carry On / Questions
Military Madness
Long Time Gone
Southern Cross
Lay Me Down
Almost Gone (The Ballad of Bradley Manning)
Bluebird
Deja Vu
Wooden Ships

2nd set:
Helplessly Hoping
Girl From The North Country
As I Come of Age
So Begins the Task
Guinnevere
Jesus of Rio
Just a Song Before I Go
Cathedral
Our House
Almost Cut My Hair
Love the One You’re With

Bis:
Woodstock
Teach Your Children

Bis 2:
Suite: Judy Blue Eyes

Fotos: Fernando de Oliveira, Jo Nunes e Néstor J. Beremblum / Divulgação T4F

Uma versão editada deste texto foi publicado no site do jornal O Fluminense