Kiss mostra a cara

12/04/2009 2 Por Fernando de Oliveira

Os coleguinhas Débora Thomé e Bernado Araújo até compararam o show do Kiss com um desfile de escola de samba. Mas foi bem mais (e melhor) que isso. Teve até princípio de incêndio após o show (fogos de artifício demais).

Abaixo o texto que publiquei no Dia Online.

Kiss na Apoteose: Rock sem máscara

O ‘Pé D’água’ que caiu por cerca de três músicas serviu apenas para tirar a máscara de muita gente que foi até a Praça da Apoteose ver o show do Kiss. Só isso. Os veteranos – que não escondem a idade nem no nome da turnê: Alive 35 – acabaram com qualquer dúvida de que sabem como agradar uma platéia. Mais, fizeram um dos melhores shows da Apoteose em todos os tempos.

‘Com greve de ônibus ou não, eu não poderia deixar de vir. Depois vejo como faço para voltar para casa’, disse Rômulo Pereira da Silva, que junto com alguns amigos saiu de Nova Iguaçu com um grupo de amigos, todos de cara pintada.

Madonna? Quem achava que os efeitos especiais e dançarinos usados pela musa pop foram o máximo deveria ter visto o Kiss. Muitos fogos de artifício (muitos MESMO!) e papel picado fizeram um dos momentos mais bonitos da noite, em Rock And Roll All Nite. Lembrou a cena de Cafú erguendo a Copa do Mundo em 2002. Simples, eficiente e inesquecível. Sem contar que a música é muito melhor.

Se o show do Rio perdeu uma canção por conta da chuva (onde Paul Stanley iria passear em um tipo de teleférico), sobrou uma animação que não esteve presente em São Paulo, na noite anterior. Gene Simmons mostrava a língua a todo momento, cuspiu fogo, sangrou pela boca e comandou a galera como um verdadeiro imperador (palavra da moda); Paul Stanley falou com o público praticamente entre todas as canções e ainda deu uma de Pete Townshend, ao quebrar uma guitarra no palco; Eric Singer (bateria) e Tommy Thayer (guitarra) também tiveram seus momentos solo, para mostrar que não têm nada de bobos.

O show, que desfilou o melhor do grupo na década de 70 e outras poucas coisas mais recentes, começou com uma homenagem ao The Who, de Pete Townshend e Roger Daltrey. Uma enorme bandeira com o nome do Kiss cai do palco após o fim da canção Won’t Get Fooled Again, que acabou sendo tocada durante a execução de Lick it up.

‘Quer saber…. pagaria mais 350 para ver mais’, gritava Augusto Cesar Ramos, de 40 anos, que comemorava como uma criança a chance de ter visto dois shows do Kiss, já que foi até São Paulo só para ver o grupo.

Fim de noite e milhares de clones de Paul Stanley e Gene Simmons foram para casa felizes (alguns com a maquiagem intacta apesar da chuva). Na quarta-feira a cidade se transformou em um grande baile de máscaras regado a rock’n’roll.

Confira o setlist do Kiss:
Deuce
Strutter
Got To Choose
Hotter Than Hell
Nothin’ To Lose
C’mon and Love Me
Parasite
She
Tommy Thayer solo
Watchin’ You
100,000 Years
Eric Singer solo
Cold Gin
Let Me Go, Rock ‘N’ Roll
Black Diamond
Rock And Roll All Nite

Bis
Shout It Out Loud
Lick It Up
Won’t Get Fooled Again
Gene Simmons Solo
I Love It Loud
I Was Made For Lovin’ You
Detroit Rock City

Fotos: Ag. News