Duran Duran – uma crítica politicamente incorreta

24/11/2008 19 Por Fernando de Oliveira

duran5A noite de domingo (23/11) estava meio fria, eu vinha de um plantão de feriadão e estava cansado. Quando Débora chegou e logo aconteceu uma explosão e falta de luz no jornal. Seria um mau presságio? Bem, fui para o Vivo Rio assim mesmo.

Chegamos, pegamos nossos convites e pulseiras e fomos para o camarote, que estava ocupado! Bem, uma atendente nos sugeriu irmos para o do lado (vazio). Fomos, mas acabamos mudando para outro melhor, após uma tentativa sem sucesso de entrarmos na pista vip.

O Show começa e Simon Le Bon (voz), John Taylor (baixo) e Nick Rhodes (teclados) e Roger Taylor* (bateria) aparecem esticadinhos e cheios de botox ao lado de um guitarrista, um saxofonista e uma backing negra, com bela voz. Logo de cara um som alto e com destaque para a guitarra tomou conta do Vivo Rio, que deu a primeira mostra de que estava lá para pular e se divertir quando Simon perguntou se todos estavam ‘hungry’, antecipando Hungry Like a Wolf.

Com a casa sem lotação total, era possível ver as pessoas dançando até com certo conforto. Simon mostrava dançava sem muita animação, fazendo ‘o seu’, o que já era suficiente para ganhar gritos de “Lindo”, Gostoso”, de mulheres e homens (?!) (tô fora dessa!).

Um cospe e o outro xinga

duran1Uma toalha estrategicamente colocada entre o kit de bateria e os teclados de Nick foram o alvo de umas 72 cuspidas do vocalista! Já vi gente bebendo água, vodka, etc. Mas cuspir? Bem, se faz bem para a voz (e ele está cantando muito bem), deixe o rapaz (?!) em paz. Se não bastasse isso, logo na primeira vez que se dirigiu ao público, John Taylor solta a pérola: “Put your hands together, mother fuckers!“. E o público atendeu! Mother fucker é a pqp!

O show? Ah é, teve o show. Foi ótimo, todos os sucessos estavam lá, o público se emocionou com Save a Prayer, pediu e dançou com The Reflex e acabou a noite com a infalível Rio. Teve até a música do comercial de shampoo (ou condicionador ou algo parecido): Ordinary World.

Mico monumental

Foram 21 nos para o Duran Duran voltar a tocar no Rio e no fim do show fazem Simon pagar o mico de se enrolar em uma bandeira do Brasil enquanto vestia uma camisa do framengu. Pobre Simon. Se o show foi ótimo (mas não valia os R$ 420 que muitos pagaram), essa cena é daquelas que fariam pedir o dinheiro de volta.

Quem quiser uma crítica mais focada na música, leia a que escrevi no Mistura Interativa.

* Havia esquecido de citar que o baterista Roger Taylor também faz parte da formação original do Duran Duran. Obrigado aos que notaram a falha.

Ouça as músicas do F(r)ases da Vida

play-musicasdavida-playlist