E-mail e dispositivos móveis: um casamento sólido

Ter uma certa idade tem lá suas vantagens. Lembro bem que ao escrever uma matéria sobre o ICQ (lembram dele?) afirmei que o programinha para troca de mensagens instantâneas era o futuro da Internet (que ainda se escrevia com caixa alta). Depois dele, vieram o Messenger e muitos outros. Hoje, vivemos a era do WhatsApp e das redes sociais. No meio disso, o bom e velho e-mail foi sobrevivendo, praticamente sem mudanças. Claro que o surgimento do Gmail e seu espaço de armazenamento praticamente ilimitado teve um bom impacto na imagem ferramenta de comunicação.

Em 2018, a maioria das empresas já se rendeu aos programas de mensagem eletrônica como ferramentas de trabalho. Há até gurus digitais que já decretaram a morte do e-mail (assim como muitos decretaram a morte do rádio, o que não canso de repetir), mas a verdade é que poucas vezes o e-mail esteve tão em alta. A possibilidade de anexar arquivos cada vez maiores, apresentações, filmes, músicas ou planilhas, por exemplo, unidos aos cada vez mais imprescindíveis dispositivos móveis, são uma combinação imbatível, principalmente para o e-commerce.

Não há dúvida que há desafios para tornar os e-mail atraentes e interessantes para as pequenas telas dos smartphones. É verdade que os cada vez mais poderosos filtros de spam (fica aqui o meu sincero agradecimento ao Monty Python – aguardem os próximos posts para entenderem a referência) precisam ser driblados pelas empresas que querem atingir o seu público-alvo.

Truques como o uso extensivo de elementos gráficos ou o envo de ofertas baseado na localização do usuário são algumas das táticas que podem definir o sucesso ou fracasso de um e-mail. Nem precisaria citar a importância de manter a sua base de endereços atualizada, mas sou da antiga e acho que a dica é sempre válida.

Para os que realmente têm a mente antiga e acham que e-mail é ultrapassado, alguns dados que valem uma reflexão.

– Levantamento da provedora de solução de dados Return Path constatou um aumento de 26% no uso de smartphones para a finalidade, comparado com 2012.

– A área de trabalho representa 17% de todos os e-mails abertos, webmail 36% e 47% móvel. – Litmus “The 2017 Email Money Market Share”.

– De acordo com o E-mail Client Monitor, a maior porcentagem de acessos a e-mails via dispositivos móveis acontece no fim de semana, 60% aos sábados e domingos.

– Cerca de 3 em cada 5 consumidores verificam seu e-mail em movimento (celular) e 75% dizem usar seus smartphones com mais frequência para verificar o e-mail

– 60% dos entrevistados verificam seus e-mails de trabalho em um smartphone e 14% em um tablet , enquanto 57% verificam seus e-mails de trabalho em laptop / desktop. – Fluente “O relatório da caixa de entrada, Percepções do consumidor sobre o email”.

– Depois de ver um e-mail de marketing, metade dos consumidores (50%) compraram através de sites móveis, 24% através de um aplicativo de smartphone, 35% comprados em um computador, 27% na loja.

– 83,8% usam seu smartphone para e-mail pessoal, 34,0% usam seus smartphones para e-mail comercial. – Adestra “Estudo de Adoção e Uso de Consumidores”.

– 34% dos consumidores marcaram e-mails promocionais como spam porque não funcionaram bem no seu smartphone.

Se isso não for o suficiente para deixar claro que um bom e-mail ainda pode ser mais eficiente que uma promoção em alguma rede social….melhor você nunca trabalhar com comunicação, vendas ou tecnologia.

Com dados do Dino

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.