O Cinema perde um pouco da Magia – Estúdios MGM recorrem à lei de falências

14/10/2010 0 Por Fernando de Oliveira

Essa eu jurava que nunca iria ler.

Os estúdios Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) apresentaram a seus credores um plano de quebra com o objetivo de reestruturar uma dívida de cerca de US$ 4 bilhões, informou hoje o jornal Los Angeles Times. Entre as dezenas de credores estão companhias como Anchorage Advisors LLC, Highland Capital Management LP e o investidor Carl Icahn.

A produtora Spyglass Entertainment contribuirá com ativos e fundirá duas entidades subsidiárias para controlar 4,69% da companhia, segundo o plano proposto. Segundo o jornal, a decisão ajudará a reestruturação dos estúdios MGM, que resultaria na eliminação do departamento de distribuição e na realocação da sede em instalações mais baratas.

A MGM planeja recorrer à lei de falência em 22 de outubro, data na qual a entidade deve obter o aval da metade dos 100 credores e donos de dois terços da dívida. A partir dessa data, os cofundadores da Spyglass, Gary Barber e Roger Birnbaum, atuarão como copresidentes e codiretores executivos de MGM.

A origem desses problemas está em 2004, ano em que a Sony, a empresa de telecomunicações Comcast e as financeiras Providence Equity e TPG Capital lideraram uma operação para comprar a crédito a MGM por cerca de US$ 5 bilhões. Uma estimativa que posteriormente foi considerada supervalorizada como consequência da alta dos preços e da consequente queda nas vendas de DVDs.

Ao recorrer à lei de falências, a MGM recusa uma oferta de US$ 2 bilhões feita no mês passado pelo conglomerado indiano Sahara India Pariwar. Além disso, os estúdios rejeitaram uma proposta de US$ 1,5 bilhões da Time Warner.

A MGM tem um catálogo de cerca de 4 mil filmes, entre clássicos como O Mágico de Oz, E o Vento Levou e Ben-Hur.

As informações são da EFE