Wild Life e Red Rose Speedway serão relançados

Os dois primeiros discos dos Wings serão os próximos lançamentos da Paul McCartney Archive Collection e chegam recheados de vídeos raros

Desde 2010 que Paul McCartney vem, de maneira irregular, relançando seus discos da carreira solo e com os Wings, o grupo que formou nos anos 70. Já foram reeditados, sempre em edições luxuosas e cheias de raridades, os discos Band On The Run (1973), McCartney (1970), McCartney II (1980), Ram (1971), Venus and Mars(1975), Wings At Speed of Sound (1976), Wings Over America (1976), Tug Of War (1982),Pipes of Peace (1983) e Flowers in the Dirt (1989).

Agora, chegou a vez dos dois primeiros discos dos Wings — Wild Life (1971) e Red Rose Speedway (1973), além de uma caixa ainda mais limitada, chamada Paul McCartney and Wings 1971–73, que inclui todo o material das duas caixas anteriores, mais 20 canções gravadas ao vivo em vários shows da banda.

McCartney tomando tenência

A grande notícia para os fãs e colecionadores da música de McCartney é que parece que ele e sua equipe tomaram tenência depois da enxurrada de críticas na época do último (re)lançamento (Flowers in the Dirt), quando deram muito mais importância ao material gráfico do que ao que realmente interessa: a música.

Desta vez, nada de download only. Todo o material está espalhado fisicamente pelas várias versões das caixas.

Muito do material é conhecido dos colecionadores por década, embora normalmente com qualidade irregular. Afinal, bootlegs são bootlegs.

Mesmo assim, a quantidade de material inédito é mais do que atraente. Os dois aperitivos dados por Paul (ouça abaixo) já dão uma ideia do que está por vir.

Wild Life

No afã de conseguir uma respeitabilidade e ao mesmo tempo mostrar que era capaz de produzir algo com frescor e espontaneidade, Paul recrutou o guitarrista Denny Laine (ex-Moody Blues) e o baterista Denny Seiwell.

O grupo entrou em Abbey Road e gravou praticamente todas as canções entre julho e agosto de 1971.

Infelizmente, a pouca qualidade do material e o parco entrosamento da banda produziram um disco que para muitos é deliberadamente de segunda categoria.

Claro que, como em qualquer disco onde Paul McCartney esteja presente como protagonista, não importa sob qual nome, há composições que merecem destaque. No caso, Tomorrow, Some People Never Know e Dear Friend — esta, uma sobra do disco Ram — mas mesmo elas não são capazes de compensar Bip Bob, Mumbo ou I Am Your Singer.

Curiosamente, Love Is Strange, um sucesso de 1957, da dupla Mickey & Sylvia, agora em versão reggae, tornou-se a música mais conhecida e tocada nas rádios brasileiras. Agradável, mas nada memorável.

Os bônus em áudio trazem uma série de demos caseiras, mixagens preliminares e os dois lados do single Give Ireland Back To The Irish. São três CDs de música.

Red Rose Speedway

Depois do fracasso de Wild Life (chegou apenas ao 11º lugar na parada britânica) Paul e sua nova banda lançaram uma série de singles, entre eles o tema do filme de James Bond, Live and Let Die.

Os Wings também resolveram cair na estrada em uma turnê por universidades e outros pequenos espaços para shows na Inglaterra.

Neste clima de euforia, eles foram novamente para o estúdio apostando em um material de mais qualidade e no melhor entrosamento entre os músicos.

Nesta época, Paul já havia recrutado mais um músico — o guitarrista Henry McCullough — tornando os Wings um grupo de cinco músicos.

A ideia de Paul era lançar um álbum duplo, mas a EMI, preocupada com as baixas vendas do disco anterior (Wild Life) e a (falta de) qualidade do material, vetou o projeto, fazendo com que Paul lançasse um disco simples.

Segundo Glyn Johns, que havia sido convidado para produzir o álbum, mas abandonou o projeto depois de algumas semanas, ele ficava muito tempo lendo jornais na sala de controle enquanto Paul e a banda ficavam no estúdio fumando maconha e fazendo jam sessions sem qualidade.

Assim como em Wild Life, alguns dos melhores momentos do disco são sobras do disco Ram — Get On The Right Thing e Little Lamb Dragonfly.

Mas, o grande destaque do disco é mesmo a balada My Love, que chegou ao 1º lugar das paradas e ajudou o LP a ter a mesma performance.

Nos 3 CDs, 2 DVDs e 1 blu-ray, estão distribuídos outtakes, mixagens diferentes, algumas faixas ao vivo, uma mixagem 5.1 de todo o disco e todas as canções dos singles Live and Let Die, Hi Hi Hi e Mary Had a Little Lamb.

Finalmente Paul oferece aos fãs tudo o que eles querem de um lançamento de uma série chamada Archive Collection.

Paul McCartney and Wings 1971–73

Para os verdadeiros fãs e colecionadores, Paul ainda vai lançar — inicialmente apenas através do seu site oficial — uma caixa com mais material ainda.

Além de tudo que está contido nas caixas de Wild Life e Red Rose Speedway, há um CD extra com gravações ao vivo, um livro de fotos com 96 páginas e, uma réplica do tour book de 1972.

Vídeos raros

Musicalmente, os dois discos não estão entre os melhores de McCartney & Cia. Portanto, a enxurrada de demos e versões alternativas pode não ser tão atrativas para o fã casual — mesmo lembrando que nestas caixas iremos encontrar clássicos como My Love, Live and Let Die e Hi Hi Hi.

Mas o que deve mesmo atrair as atenções é o material audiovisual incluídos no pacote. Na nova versão de Wild Life estarão disponíveis vídeos caseiros onde Paul toca algumas versões embrionárias das canções para a família e vários ensaios da banda, nunca antes lançados na íntegra.

Já na caixa do Red Rose Speedway estarão os vídeos mais esperados pelos fãs: o especial de TV James Paul McCartney e o filme/animação The Bruce McMouse Show, uma produção que mistura animação com atuações dos Wings e que nunca foi exibido!

The Bruce McMouse Show conta a história de uma família de ratos que mora embaixo do palco onde os Wings ensaiam e se apresentam. Paul produziu tudo, viu a versão final e nunca permitiu a sua exibição (má qualidade?). Bem, poderemos conferir o porquê em dezembro.

Um McCartney ocupado

O início dos anos 70 foi uma época bastante produtiva para Paul. Mesmo que a qualidade de seus discos nem sempre tenha sido a desejada, ele praticamente lançou dois discos por anos, além de uma série de singles. E olha que ele queria mais ainda.

Entre 1970 e 1973 Macca lançou os LPs McCartney (1970); Ram e Wild Life (1971); e Red Rose Speedway e Band On The Run (1973). Como singles, tivemos Another Day (1971); Give Ireland Back to the Irish, Hi Hi Hi e Mary Had a Little Lamb (1972); e Live and Let Die (1973).

Se pensarmos que o disco Red Rose Speedway foi concebido como um álbum duplo — ideia barrada pela gravadora devido ao material apresentado, mas que agora será lançado em vinil — dá para notar que McCartney estava mesmo disposto a conquistar o seu lugar no mundo do pop/rock sem precisar lembrar da antiga banda.As novas caixas estarão disponíveis no dia 7 de dezembro, assim como as versões mais simples em CD e em vinil. Infelizmente, nada disso deve chegar ao Brasil (somente em streaming).

Os preços? Siga os links, veja e compre.

Abaixo o conteúdo de todas as versões

Wild Life – 3CD+DVD super deluxe edition

CD1 – Remastered Album
1. Mumbo (2018 Remaster)
2. Bip Bop (2018 Remaster)
3. Love Is Strange (2018 Remaster)
4. Wild Life (2018 Remaster)
5. Some People Never Know (2018 Remaster)
6. I Am Your Singer (2018 Remaster)
7. Bip Bop Link (2018 Remaster)
8. Tomorrow (2018 Remaster)
9. Dear Friend (2018 Remaster)
10. Mumbo Link (2018 Remaster)

CD2 – Rough Mixes
1. Mumbo [Rough Mix]
2. Bip Bop [Rough Mix]
3. Love Is Strange (Version) [Rough Mix]
4. Wild Life [Rough Mix]
5. Some People Never Know [Rough Mix]
6. I Am Your Singer [Rough Mix]
7. Tomorrow [Rough Mix]
8. Dear Friend [Rough Mix]

CD3 – Bonus Audio
1. Good Rockin’ Tonight [Home Recording]
2. Bip Bop [Home Recording]
3. Hey Diddle [Home Recording]
4. She Got It Good [Home Recording]
5. I Am Your Singer [Home Recording]
6. Outtake I
7. Dear Friend [Home Recording I]
8. Dear Friend [Home Recording II]
9. Outtake II
10. Indeed I Do
11. When The Wind Is Blowing
12. The Great Cock And Seagull Race [Rough Mix]
13. Outtake III
14. Give Ireland Back To The Irish
15. Give Ireland Back To The Irish (Version)
16. Love Is Strange [Single Edit]
17. African Yeah Yeah

DVD – Bonus Video
1. Scotland, 1971
2. The Ball
3. ICA Rehearsals
4. Give Ireland Back To The Irish (Rehearsal)

Red Rose Speedway 3CD+2DVD+blu-ray audio super deluxe

CD1 – Remastered Album
1. Big Barn Bed (2018 Remaster)
2. My Love (2018 Remaster)
3. Get On The Right Thing (2018 Remaster)
4. One More Kiss (2018 Remaster)
5. Little Lamb Dragonfly (2018 Remaster)
6. Single Pigeon (2018 Remaster)
7. When The Night (2018 Remaster)
8. Loup (1st Indian On The Moon) (2018 Remaster)
9. Medley (2018 Remaster)
* a) Hold Me Tight
* b) Lazy Dynamite
* c) Hands Of Love
* d) Power Cut

CD2 – “Double Album”
1. Night Out
2. Get On The Right Thing
3. Country Dreamer
4. Big Barn Bed
5. My Love
6. Single Pigeon
7. When The Night
8. Seaside Woman
9. I Lie Around
10. The Mess [Live At The Hague]
11. Best Friend [Live In Antwerp]
12. Loup (1st Indian On The Moon)
13. Medley
* a) Hold Me Tight
* b) Lazy Dynamite
* c) Hands Of Love
* d) Power Cut
14. Mama’s Little Girl
15. I Would Only Smile
16. One More Kiss
17. Tragedy
18. Little Lamb Dragonfly

CD3 – Bonus Audio
1. Mary Had A Little Lamb
2. Little Woman Love
3. Hi, Hi, Hi
4. C Moon
5. Live And Let Die
6. Get On The Right Thing [Early Mix]
7. Little Lamb Dragonfly [Early Mix]
8. Little Woman Love [Early Mix]
9. 1882 [Home Recording]
10. Big Barn Bed [Rough Mix]
11. The Mess
12. Thank You Darling
13. Mary Had A Little Lamb [Rough Mix]
14. 1882 [Live In Berlin]
15. 1882
16. Jazz Street
17. Live And Let Die [Group Only, Take 10]

DVD 1 – Bonus Video
1. Music Videos
2. James Paul McCartney TV Special
3. Live And Let Die [Live in Liverpool]
4. Newcastle Interview

DVD 2 – Bonus Film
1. The Bruce McMouse Show
5.1 Surround Dolby Digital, 16bit 48kHz /PCM Stereo

Blu-Ray – The Bruce McMouse Show
5.1 Surround DTS-HD Master Audio, 24bit 96kHz/PCM Stereo 24bit 96kHz

Wild Life – 2LP deluxe

Side A
1. Mumbo (2018 Remaster)
2. Bip Bop (2018 Remaster)
3. Love Is Strange (2018 Remaster)
4. Wild Life (2018 Remaster)

Side B
1. Some People Never Know (2018 Remaster)
2. I Am Your Singer (2018 Remaster)
3. Bip Bop (Link) (2018 Remaster)
4. Tomorrow (2018 Remaster)
5. Dear Friend (2018 Remaster)
6. Mumbo (Link) (2018 Remaster)

Side C
1. Good Rockin’ Tonight [Home Recording]
2. Bip Bop [Home Recording]
3. Hey Diddle [Home Recording]
4. She Got It Good [Home Recording]
5. I Am Your Singer [Home Recording]
6. Outtake I
7. Dear Friend [Home Recording I]
8. Dear Friend [Home Recording II]
9. Outtake II

Side D
1. Indeed I Do
2. When The Wind Is Blowing
3. The Great Cock And Seagull Race [Rough Mix]
4. Outtake III
5. Give Ireland Back To The Irish
6. Give Ireland Back To The Irish (Version)
7. Love Is Strange [Single Edit]
8. African Yeah Yeah

Red Rose Speedway – 2LP deluxe

Side a
1. Big Barn Ben (2018 Remaster)
2. My Love (2018 Remaster)
3. Get On The Right Thing (2018 Remaster)
4. One More Kiss (2018 Remaster)
5. Little Lamb Dragonfly (2018 Remaster)

Side b
1. Single Pigeon (2018 Remaster)
2. When The Night (2018 Remaster)
3. Loup (2018 Remaster)
4. Medley (2018 Remaster)
*(a) Hold Me Tight
*(b) Lazy Dynamite
*(c) Hands Of Love
*(d) Power Cut

Side c
1. Mary Had A Little Lamb
2. Little Woman Love
3. Hi, Hi, Hi
4. C Moon
5. Live And Let Die
6. I Lie Around

Side d
1. Thank You Darling
2. 1882 [Live In Berlin]
3. The Mess [Live At The Hague]
4. Jazz Street
5. Live And Let Die [Group Only, Take 10]

Red Rose Speedway – 2LP ‘Double Album’

Essa é o formato original de Paul para o álbum. O disco será prensado em vinil de 180 gramas e será acompanhado de um livro com 12 páginas. Esse lançamento terá uma edição limitada.

Side a
1. Night Out
2. Get On The Right Thing
3. Country Dreamer
4. Big Barn Bed
5. My Love

Side b
1. Single Pigeon
2. When The Night
3. Seaside Woman
4. I Lie Around
5. The Mess [Live At The Hague]

Side c
1. Best Friend [Live In Antwerp]
2. Loup (1st Indian On The Moon)
3. Medley:
* (a) Hold Me Tight
* (b) Lazy Dynamite
* (c) Hands Of Love
* (d) Power Cut

Side d
1. Mama’s Little Girl
2. I Would Only Smile
3. One More Kiss
4. Tragedy
5. Little Lamb Dragonfly

Wild Life 2CD digi-pak edition

CD1 – Remastered Album
1. Mumbo (2018 Remaster)
2. Bip Bop (2018 Remaster)
3. Love Is Strange (2018 Remaster)
4. Wild Life (2018 Remaster)
5. Some People Never Know (2018 Remaster)
6. I Am Your Singer (2018 Remaster)
7. Bip Bop (Link) (2018 Remaster)
8. Tomorrow (2018 Remaster)
9. Dear Friend (2018 Remaster)
10. Mumbo (Link) (2018 Remaster)

CD 2 – Bonus Audio
1. Good Rockin’ Tonight [Home Recording]
2. Bip Bop [Home Recording]
3. Hey Diddle [Home Recording]
4. She Got It Good [Home Recording]
5. I Am Your Singer [Home Recording]
6. Outtake I
7. Dear Friend [Home Recording I]
8. Dear Friend [Home Recording II]
9. Outtake II
10. Indeed I Do
11. When The Wind Is Blowing
12. The Great Cock And Seagull Race [Rough Mix]
13. Outtake III
14. Give Ireland Back To The Irish
15. Give Ireland Back To The Irish (Version)
16. Love Is Strange [Single Edit]
17. African Yeah Yeah

Red Rose Speedway 2CD digi-pak edition

CD 1 – Remastered Album
1. Big Barn Bed (2018 Remaster)
2. My Love (2018 Remaster)
3. Get On The Right Thing (2018 Remaster)
4. One More Kiss (2018 Remaster)
5. Little Lamb Dragonfly (2018 Remaster)
6. Single Pigeon (2018 Remaster)
7. When The Night (2018 Remaster)
8. Loup (1st Indian On The Moon) (2018 Remaster)
9. Medley (2018 Remaster)
*(a) Hold Me Tight
*(b) Lazy Dynamite
*(c) Hands Of Love
*(d) Power Cut

CD 2 – Bonus Audio
1. Mary Had A Little Lamb
2. Little Woman Love
3. Hi, Hi, Hi
4. C Moon
5. The Mess [Live At The Hague]
6. Live And Let Die
7. I Lie Around
8. Night Out
9. Country Dreamer
10. Seaside Woman
11. Best Friend [Live In Antwerp]
12. Mama’s Little Girl
13. I Would Only Smile
14. Tragedy
15. Thank You Darling
16. 1882 [Live In Berlin]
17. Jazz Street
18. Live And Let Die [Group Only, Take 10]

Paul McCartney and Wings: 1971-1973

Bonus CD track listing

CD 1
1. Big Barn Bed [Live In Newcastle/1973]
2. Eat At Home [Live At The Hague/1972]
3. Smile Away [Live In Berlin/1972]
4. Bip Bop (Link) [Live At The Hague/1972]
5. Mumbo (Link) [Live In Antwerp/1972]
6. Blue Moon Of Kentucky [Live At The Hague/1972]
7. 1882 [Live In Berlin/1972]
8. I Would Only Smile [Live In Antwerp/1972]
9. Give Ireland Back To The Irish [Live In Groningen/1972]
10. The Mess [Live In Berlin/1972]
11. Best Friend [Live In Antwerp/1972]
12. Soily [Live In Berlin/1972]
13. I Am Your Singer [Live At The Hague/1972]
14. Seaside Woman [Live In Groningen/1972]
15. Wild Life [Live At The Hague/1972]
16. My Love [Live At The Hague/1972]
17. Mary Had A Little Lamb [Live At The Hague/1972]
18. Maybe I’m Amazed [Live In Groningen/1972]
19. Hi, Hi, Hi [Live At The Hague/1972]
20. Long Tall Sally [Live In Groningen/1972]

Anúncios

Jennifer Garner é uma Justiceira com “desejo de matar”

Jennifer Garner volta aos filmes de ação em A Justiceira, longa que tenta reciclar muitos clichês do gênero

A bela e talentosa Jennifer Garner, que já encarnou bons (e maus) papéis em filmes e seriados de ação — Alias: Codinome Perigo, Demolidor, o Homem sem Medo e Elektra — volta, aos 46 anos e depois de protagonizar várias comédias românticas e filmes mais densos, ao gênero em A Justiceira (Peppermint, no original em inglês).

Infelizmente, o longa dirigido por Pierre Morel, responsável por séries e filmes como Taken, District 13, Busca Implacável e Invasão a Londres, é uma mistura de ingredientes utilizados há décadas por outros roteiristas e diretores.

Déja Vu

Todos os elementos que alguém que conheça o gênero de ação, não importa a idade, estão lá: a família feliz que é destruída, o traficante malvado, o policial bom, o policial corrupto, a defesa dos mais pobres e oprimidos, o desejo de vingança e a matança sem remorso.

O problema é que parece que tudo foi jogado em um liquidificador e transformado em um mingau não muito apetitoso. Há vários problemas no roteiro, personagens ralos e uma certa falta de ritmo.

As semelhanças com Desejo de Matar (o original ou o remake) não parecem ser meras coincidências. Na verdade, durante todo o filme as referências de outros títulos ficam pulando na nossa frente.

Tela Quente?

Juan Pablo Raba stars in PEPPERMINT

O filme não chega a ser um desastre completo — deve virar uma boa Tela Quente ou coisa parecida — mas a possibilidade de uma continuação assusta muito.

O elenco de apoio é bastante bom — John Ortiz (Kong), John Gallagher Jr. (10 Cloverfield Lane), Method Man (Keanu), Richard Cabral (Máquina Mortífera) e Tyson Ritter (Preacher) — mas não consegue tirar o filme do atoleiro da falta de criatividade.

Além disso, como acreditar que em uma sociedade onde celulares e câmeras de vigilância registram cada um dos nossos passos, uma pessoa possa roubar armas, entrar e sair de propriedades particulares, cometer assassinatos e explodir tudo sem ser encontrada.

Para os iniciantes

A Justiceira acaba sendo um filme que pode agradar os mais jovens e que não tenham tantas referências de clássicos dos filmes de ação. Pode ser que valha a pena a ida ao cinema, caso o ingresso esteja em promoção.

Cotação ** ½

Fotos: STXfilms/Tony Rivetti Jr

Uma versão deste texto foi publicada na Revista Ambrosia

Novo James Bond pode ser Robb Stark de Games of Thrones

Quem será o novo 007?

hqrock

O jornal britânico Daily Mail publicou hoje que o ator Richard Madden, mais conhecido como o Robb Stark de Games of Thrones, será o novo James Bond na franquia de 007 no cinema.

A informação é um pouco prematura, pois o atual titular do cargo, Daniel Craig, ainda fará o último filme de seu contrato, Bond 25, cujas filmagens iniciam no ano que vem e o lançamento será em 2020.

O Daily Mail diz que o ator irá assinar contrato nas próximas semanas. Mas uma ação dessas seria um grande tiro no pé, afinal, tiraria a atenção totalmente da atuação de Craig no novo filme.

Na última vez em que um novo ator foi contratado para viver 007, justamente Craig, foi a primeira vez que isso ocorreu em eras de internet, em 2004. A vez anterior a essa foi em 1993.

Em…

Ver o post original 88 mais palavras

Mais & Mais – um gol de placa de Ana Petkovic

Filha do ex-craque sérvio Dejan Petkovic lança o clipe de Na Fé, do ótimo CD Mais & Mais

Pode parecer estranho que a filha de um ex-esportista decida seguir pelo caminho da música, mas a escolha da jovem Ana Petkovic foi mais que acertada.

Nascida em Madri, a cantora, que se divide entre o Brasil e a Sérvia, onde mora e estuda, parece decidida a apostar na carreira.

— Como eu moro na Sérvia, durante o ano eu ficava um ou dois meses por aqui. Cada vez que eu vinha eu gravava três ou quatro músicas em uma semana.  Agora, eu passo cerca de sete meses no Brasil e estamos planejando fazer vários shows no Rio e em São Paulo — contou Ana.

Em família

O disco Mais & Mais, lançado no fim do ano passado, segue sendo divulgado, agora com o lançamento do clipe da canção Na Fé (Ana, Línox e Max Viana).

Dirigido por Dado Marietti, o clipe foi rodado no Rio e conta com a participação da irmã (Ines), do namorado (Dusan Zdravkovic), além do próprio Petkovic, tocando um… tromPETe (com direito a todos os trocadilhos possíveis).

— Meu pai é o meu empresário e meu maior fã. Sempre que ele chegava em casa, depois dos treinos ou jogos, ele me pedia para cantar algo novo que eu havia escrito. Ele ama música e sempre vai aos ensaios e shows, mas não interfere no processo criativo. É muito legal ter um pai que apoia tudo — contou Ana.

Gol de placa

Mais & Mais é um daqueles discos onde tudo funciona. A produção de Linux e Max Viana é certeira, dando destaque ao suingue das ótimas composições que fazem parte do repertório.

Navegando entre o soul, pop, blues e jazz, a bela voz de Ana (que em alguns momentos lembra o timbre de uma tal Amy Winehouse) se encaixa perfeitamente na pegada balançada e nas canções mais lentas. Ouça Unforgivable e tire suas conclusões.

— Como tenho um gosto bastante eclético eu sempre coloco dois ou três estilos nas minhas composições — explicou.

O soul e os metais de números como Pensa Bem (Línox/ Max Viana / Ana Petkovic) e Encurralado (Línox e Mauricio Oliveira) mostram uma produção de primeira e, se colocadas ao lado de números mais lentos como Cada Dia (Línox/ Max Viana/Ana Petkovic) e Suenos (Línox/ Max Viana / Ana Petkovic), confirmam o gol de placa da artista.

Jogando nas 11

Outro ponto alto de Mais & Mais é a desenvoltura com a qual Ana muda do português para o inglês ou espanhol, mostrando que é mesmo uma cidadã do mundo.

— Eu morei no Brasil 14 anos. Eu cresci aqui. Mesmo morando na Sérvia eu nunca esqueci a língua. Tenho muitos amigos aqui. É engraçado, que aqui em casa em uma frase nós misturamos três línguas — confidenciou a cantora.

Ídolos surpresa

Uma das revelações mais surpreendentes sobre a versatilidade de Ana Petkovic veio quando perguntada sobre quem são seus ídolos e com quem gostaria de trabalhar.

— Ana Carolina e Alcione são artistas que eu admiro e com as quais gostaria de trabalhar — disparou.

Pelo menos quando comparadas com as canções que fazem parte de Mais & Mais, esses são nomes bem pouco prováveis.

CD campeão

Não há como fugir dos clichês futebolísticos. Afinal, Dejan Petkovic foi craque e marcou belos e decisivos gols pelo Fluminense, Vasco, Real Madrid e outros times de menor expressão pelos quais passou. Sua filha segue o mesmo caminho.

Cotação: **** ½

Uma versão deste texto foi publicada na Revista Ambrosia

Brasil fecha setembro com 62,4 milhões de negativados

Dívidas bancárias crescem 8,5%, enquanto atrasos no crediário caem -6,1%. Inadimplência entre idosos avança 10,0%

Enquanto grande parte da mídia e da população voltam suas atenções para o pleito eleitoral do dia 30, os números da economia continuam mostrando o calvário do brasileiro.

Levantamento do Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) mostra que, em setembro, aumentou em 3,9% a quantidade de novos inadimplentes na comparação com o mesmo período do ano passado.

São 62,4 milhões de brasileiros com restrições ao crédito (mais de 40% da população adulta acima de 18 anos). E pensarmos apenas na população entre 50 e 64 anos, a alta foi de 6,2%.

A Região Norte é onde se encontra a maior proporção de pessoas com CPF restrito.

O estudo é amplo e pode ser visto na íntegra em http://www.spcbrasil.org.br/imprensa/indices-economicos

Fonte: SPC

Milton Nascimento volta acústico e afinadíssimo

Cantor lança EP acústico com regravações de canções icônicas e divulga clipe da canção Maria, Maria

Um dos maiores talentos e uma das vozes mais privilegiadas da MPB, Milton Nascimento está de volta com o lançamento do EP A Festa, que traz versões acústicas de alguns de seus sucessos.

— Uma das minhas maiores vontades na vida era um dia poder lançar um projeto que tivesse minhas canções num formato mais acústico. E esse momento finalmente chegou! É com muita alegria que agora a gente tá lançando esse EP , com alguns de meus maiores sucessos acompanhado apenas pelo violão do meu maestro, Wilson Lopes, que já toca comigo há muitos anos. Foi tudo feito com muito carinho! — disse Milton.

Para quem acompanhou as duas últimas turnês de Milton, ficava evidente uma certa fragilidade (física e vocal) do artista. A voz, sempre poderosa e afinada, andou dando umas escorregadas, que parece ficaram para trás nestes registros. Uma ótima notícia para os fãs da boa música brasileira.


As canções

O Cio da Terra — Parceria de Milton com Chico Buarque, que fez sua estreia no LP Geraes (1976), O Cio da Terra ganhou um registro onde o arranjo de Wilson Lopes se destaca e dá mais brilho ainda a bela interpretação de Milton.

A nova versão é de uma delicadeza que rivaliza com a qualidade do registro original.

A Festa — Gravada por Maria Rita no seu disco de estreia (2003), A Festa ganha, finalmente, uma versão na voz de seu autor (outra escolha certeira).

Todos que imaginavam como a canção deve ter sido criada vão ficar mais que satisfeitos. Um dos pontos altos do EP.

Pôr do sol e aurora
Norte sul leste oeste
Lua nuvens estrelas e a banda toca
Parece magia e é pura beleza
E essa música sente e parece que a gente
Se enrola corrente e tão de repente você
Tem a mim

Maria, Maria — Uma das mais conhecidas e icônicas composições de Bituca, Maria, Maria é daquelas músicas difíceis de estragar e não seria o seu autor o responsável por fazê-lo. Talvez a necessidade de fazer algo diferente tenha atrapalhado um pouco.

É uma boa versão, mas o formato acústico e as mudanças de clima não melhoraram algo que é mesmo difícil de melhorar.

A canção ganhou um clipe dirigido por Matheus Senra e estrelado pelas atrizes Simone Mazzer, Jéssica Ellen, Zezé Motta, Camila Pitanga, Sophie Charlotte, Georgiana Góes Arianne Botelho.

Beco do Mota — Provavelmente a menos feliz das gravações desse EP. Lançada no LP Milton Nascimento (1969), Beco do Mota não se beneficiou do formato acústico. Não chega a ser um mau registro, mas fica abaixo das demais canções do projeto.

Cuitelinho — Gravada pela primeira vez em 1983, no álbum Milton Nascimento ao Vivo, é o ponto alto do EP.

Composição tradicional, com origem no folclore do Pantanal de Mato Grosso do Sul, Cuitelinho é a prova definitiva de que uma boa música sempre pode ser melhorada. Bituca e Wilson Lopes mostram-se imbatíveis. É de ouvir sem parar.

Aí quando eu vim de minha terra
Despedi da parentaia
Eu entrei no Mato Grosso
Dei em terras paraguaia
Lá tinha revolução
Enfrentei fortes bataia, ai, ai, ai

A tua saudade corta
Como aço de navaia
O coração fica aflito
Bate uma, a outra faia
Os óio se enche d`água
Que até a vista se atrapaia, ai, ai, ai

Canção da América — Assim como Maria, Maria, Canção da América é uma das marcas registradas de Milton Nascimento. A parceria com Fernando Brant, imortalizada no disco Sentinela (1980), ganha nova vida.

Os backings de Milton (em substituição aos originais do Boca Livre) são lindos. Uma ótima maneira de terminar A Festa.

Cotação **** ½

Uma versão deste texto foi publicada na Revista Ambrosia

O “monstro fragmentado” já vai sair da jaula!

Sequência de  Fragmentado (Split), de 2016, e Corpo Fechado (Unbreakable), de 2000, Vidro (Glass) será lançado dia 17 de janeiro de 2019 no Brasil

Segue a alta a expectativa pela chegada do novo filme de M. Night Shyamalan aos cinemas. Vidro (Glass) é uma sequência das histórias de dois de seus filmes de grande destaque — Corpo Fechado (Unbreakable), de 2000, da Touchstone Pictures eFragmentado (Split), de 2016, da Universal — em um novo e explosivo suspense dos quadrinhos.

O novo longa da Buena Vista Brasil chegará aos cinemas em 17 de janeiro de 2019, e acaba de ganhar novo trailer. Aperte o play!

O trailer saiu quentinho do forno, e com legendas!

Bruce Willis retorna como David Dunne Samuel L. Jackson como Elijah Price, também conhecido pelo pseudônimo de Sr. Vidro, ambos do filme De Corpo Fechado (Unbreakable). Vindos de Fragmentado (Split) estão James McAvoy, no papel de Kevin Wendell Crumb e suas múltiplas personalidades, e Anya Taylor-Joy como Casey Cooke — a única sobrevivente de um encontro com a Fera.

Depois da conclusão de Fragmentado (Split)Vidro (Glass) mostra Dunn em uma série de encontros cada vez mais intensos com a figura super-humana conhecida como a Fera, uma das personalidades de Crumb. Enquanto isso, a presença sombria de Price surge como um articulador que guarda segredos críticos para os dois homens.

Completando o elenco estão Spencer Treat Clark e Charlayne Woodard, de Corpo Fechado (Unbreakable), que reprisam seus papéis como o filho de Dunn e a mãe de Price, além d a vencedora do Globo de Ouro, Sarah Paulson (série American Horror Story).

007 não terá versão feminina, diz produtora

Ainda bem! Esse papo de politicamente correto mataria o nosso 007.

hqrock

barbara broccoli Barbara Broccoli.

A principal produtora da franquia de James Bond, o agente secreto 007, deu uma entrevista ao The Guardian e sentenciou: não haverá versão feminina do personagem. Nos últimas dias, as casas de apostas em Londres haviam movimentado intensa especulação de que isso iria acontecer com o fim do contrato do ator Daniel Craig, que fará seu último filme no ano que vem.

Perguntada sobre a questão pelo jornal, a executiva da EON Production, que é dona da franquia, decidiu ser direta:

Bond é um homem. Ele é um personagem masculino. Foi escrito como um homem e acho que provavelmente continuará sendo um. E não há problema nisso! Não precisamos transformar todos os personagens em mulheres; vamos apenas criar mais personagens femininas e fazer com que a história comporte mais mulheres.

A ideia de uma troca de gênero de James Bond não é nova, mas ganhou força nos últimos…

Ver o post original 392 mais palavras

Furo causa encerramento do “Google+”

Não vai fazer falta!

Information Security

Porpaulo brito

O Google decidiu fechar o Google+. Era uma rede social lançada em 2011, que poucas gente usava. O anúncio foi feito hoje, exatamente o mesmo dia em que o Wall Street Journal publicou uma matéria sobre um bug no serviço. Esse bug permitia que desenvolvedores externos acessassem dados privados de usuários. A estimativa é que eles tenham acessado dados de 500 mil usuários. De acordo com o Wall Street Journal, o Google foi informado disso em Março deste ano, corrigiu o problema e não informou a ninguém, possivelmente por temer uma reação de autoridades regulatórias, especialmente na Europa.

Um total de 438 desenvolvedores externos tiveram acesso aos dados desde Março de 2015 até Março de 2018. Eram perfis de mais de 500.000 usuários do Google+. Os desenvolvedores teriam tido acesso aos nomes completos, endereços de e-mail, gênero, fotos de perfil, status do trabalho, local e data de nascimento…

Ver o post original 83 mais palavras

Os melhores cartões de crédito para acumular milhas e viajar

Levantamento do site Melhores Destinos aponta o Porto Seguro Visa Infinite como a melhor opção para os viajantes

Um dos grandes hábitos de quem gosta de viajar é acumular milhas nos seus cartões de crédito para trocar por passagens, seguros e outras vantagens. O site Melhores Destinos fez o seu ranking anual com os melhores cartões do mercado nesses quesitos.

O levantamento é bastante completo e elege os melhores 14 cartões, destacando suas diferenças, benefícios e o valor da anuidade de cada um deles.

Veja as diferenças aqui e leia o estudo completo neste link.

Porto Seguro Visa Infinite

O cartão Porto Seguro Visa Infinite foi considerado o mais vantajoso para quem gosta de viajar (infelizmente, não possuo um desses). Ele tomou a liderança do Santander Unlimited Mastercard Black (o antigo campeão), por ser mais acessível (você não precisa ser cliente na Porto) e por ter anuidade decrescente (quanto mais usa, menos paga).

Confira os dez primeiros do ranking.

Fonte: Melhores Destinos

Leia outros posts sobre viagens

Caras fecha redação no Rio de Janeiro e VIP vira seção da Exame

Mais um capítulo do esvaziamento do Rio e do fim do mercado jornalístico

Faz anos que os empresários falam da crise no mercado editorial. Claro que houve mudanças e que as tiragens físicas diminuíram, mas não faltam exemplos de como sobreviver e continuar ganhando dinheiro (leia sobre o New York Times).

A notícia abaixo — tirada do Comunique-se — é triste e mostra, mais uma vez, a falta de visão e capacidade de adaptação dos nossos empresários.

Caras fecha redação no Rio de Janeiro e VIP vira seção da Exame

Mais duas notícias negativas para a mídia impressa brasileira. Nesta semana, a revista Caras decidiu descontinuar a sua redação no Rio de Janeiro, conforme informou o site Metrópoles. No Grupo Abril, empresa que está em processo de recuperação judicial, a notícia gira em torno da VIP. A partir deste mês, a marca deixa de ser um título próprio para seguir como um simples caderno dentro da Exame.

O fim da redação da Caras no Rio de Janeiro foi divulgado em primeira mão pelo jornalista Leo Dias. Em seu perfil no Twitter, o profissional de SBT e O Dia lamentou o episódio. A estrutura fluminense do impresso já vinha operando de forma diminuta. De acordo com os dados atualizados no Workr, solução do Comunique-se que conta com mailing jornalístico, apenas quatro jornalistas atuavam no espaço: a editora Bianca Portugal, o repórter fotográfico Cadu Pilotto, a repórter Roberta Encansette e o diretor Pablo D’la Fuelte. A equipe deve, por ora, seguir em formato home office.

O fechamento do escritório carioca se dá no ano em que a Caras promoveu demissão em massa. Em março, reportagem assinada por Nathália Caravalho apontou que mais de 20 profissionais tinham sido demitidos da revista. Na ocasião, a empresa informou que iria investir cada vez mais no título voltado a falar de celebridades.

Fim da VIP

Além da sucursal carioca da Caras, quem chega ao fim é a VIP enquanto revista. Mantido desde a década de 1980 pela Editora Abril, o título masculino deixa de ter vida própria nas bancas. A edição de setembro foi a última da marca. A partir de agora, VIP volta às origens, compondo o conteúdo apresentado nas páginas da Exame. A agora ex-revista passa a ser uma seção dentro da publicação voltada à economia e aos negócios. No Facebook, rede social em que o título tem mais de 1,2 milhão de seguidores, o nome já foi alterado para Exame VIP.

“A VIP nasceu em 1981, como uma seção de lifestyle da Exame. Agora, volta às origens. Por aqui, continue acompanhando nossa curadoria do melhor do estilo de vida, para homens e mulheres – com ainda mais apuro e sofisticação”, avisou a equipe da Abril em comunicado divulgado no Facebook ainda em setembro. Nesta semana, o site Coletiva.net registra que, como caderno da Exame, VIP contará com oito páginas de conteúdo — a ser editado por Ivan Padilla.

Fonte: Comunique-se

Soprano espanhola Montserrat Caballé morre aos 85 anos — VEJA.com

 

Montserrat Caballé, diva mundial da ópera, faleceu neste sábado, 6, em Barcelona, ​​aos 85 anos. A soprano espanhola, que sofreu recentemente um acidente vascular cerebral, estava aposentada dos palcos há alguns anos. Segundo a imprensa local, sua internação no hospital de Sant Pau foi devido a problemas na vesícula. O motivo da morte não foi…

via Soprano espanhola Montserrat Caballé morre aos 85 anos — VEJA.com

Tim Maia, Jair Rodrigues e Wilson Simonal “revisitados”

Léo Maia, Jair Oliveira e Simoninha, Os Filhos dos Caras, anunciam novas gravações e a produção de um DVD

Tim Maia, Jair Rodrigues e Wilson Simonal são três nomes icônicos da nossa música. Seus herdeiros — Léo Maia, Jair Oliveira e Simoninha — se uniram para um projeto que pretende reler alguns clássicos das obras dos pais.

Chamado de Os Filhos dos Caras, o projeto terá, além das novas gravações, um registro em DVD, programado para 2019. O primeiro fruto dessa parceria já esta disponível nas plataformas digitais.

— Consideramos a possibilidade de ter no setlist músicas inéditas ou que tenham sido gravadas, mas nunca lançadas por nossos pais e também queremos contar com a participação de outros filhos de grandes músicos no nosso show — revelou Leo.

A canção Velho Camarada — originalmente interpretada por Fábio, Tim Maia e Hyldon — ganhou nova roupagem, com direito até a uma orquestra.

Confira o resultado.

Fotos: Divulgação

Goodbye Yellow Brick Road completa 45 anos

Álbum duplo de Elton John continua atual e moderno

No ano no qual o mundo celebra os 50 anos de outra obra-prima de quatro lados — o Álbum Branco, dos Beatles — uma outra obra faz um aniversário importante:
Goodbye Yellow Brick Road, de Elton John.

Lançado em 5 de outubro de 1973, o disco se tornou um marco na carreira do cantor e é, até hoje, um dos mais importantes álbuns duplos da história da música pop.

Já falei algumas vezes sobre esse disco e recomendo o link onde falo da caixa em comemoração aos 40 anos do álbum.

Encomende a sua cópia aqui.

Leia mais sobre Elton John

Chris Evans dá adeus ao Capitão América em mensagem no Twitter

O fim do herói?

hqrock

captain america movie costumesO ator Chris Evans postou uma mensagem no Twitter celebrando o término de suas filmagens em Vingadores 4e todo o tom serve como um adeus ao Capitão América, personagem que interpreta desde 2011.

Sua postagem diz:

Oficialmente terminado em Vingadores 4.Foi um dia emocionante para dizer o mínimo. Interpretar este papel nos últimos 8 anos tem sido uma honra. Para todo mundo na frente da câmera, atrás da câmera e na audiência, muito obrigado pelas lembranças! Ternamente grato!

A saída de Evans do Universo Marvel nos Cinemas é especulada há bastante tempo, pois seu contratose encerra com Vingadores 4 e ele já viveu o personagem em 7 filmes (contando o inédito) mais duas pequenas participações especiais em outros. Em diversas ocasiões o ator deixou claro que tinha intenções de se aposentar da profissão de ator e se dedicar à direção de filmes.

Na Marvel, Evans…

Ver o post original 82 mais palavras

R.I.P. Otis Rush, um dos maiores nomes do blues

Numa sequência de perdas na música, poucos falaram (no Brasil) sobre a morte de Otis Rush, autor de vários clássicos do blues

Um dos grandes nomes do blues, ídolo de músicos como John Mayall, Eric Clapton e Jimmy Page, e autor de clássicos como All Your Love e Double Trouble — gravadas, em vários momentos de sua carreira, por Clapton — Otis Rush morreu no último dia 29.

Com perdas no cenário musical como as de Ângela Maria, Tito Madi e Charles Aznavour, foi pouco o espaço dado pela grande mídia brasileira ao bluseiro, morto aos 84 anos (por complicações de um AVC sofrido em 2003).

Rush iniciou a carreira nos anos 50, inspirado por gente como Muddy Waters e Howlin ‘Wolf, levando uma verta modernidade ao som do blues de Chicago, principalmente com sua ótima técnica na guitarra.

Reconhecimento do outro lado do Atlântico

Otis Rush ganhou reconhecimento mundial nos anos 60, quando John Mayall & the Bluesbreakers (com Eric Clapton na guitarra) gravaram a sua versão de All Your Love (I Miss Loving), em 1966.

Outro momento de reconhecimento da importância e da qualidade da obra de Rush foi a inclusão da canção I Can’t Quit You, Baby no álbum de estreia do Led Zeppelin (1969). Vale lembrar que a mesma canção foi resgatada pelos Rolling Stones em seu álbum Blue and Lonesome (2016).

Prestígio em casa

Rush também influenciou muitos músicos americanos. Stevie Ray Vaughan, por exemplo, deu o nome de Double Trouble para a sua banda. Além disso, a revista Rolling Stone colocou o bluseiro na posição 53 na sua lista dos 100 Melhores Guitarristas de todos os tempos.

R.I.P. Otis Rush

Uma versão deste texto foi publicada na Revista Ambrosia

Cinco anos de Macca em Londres

Parece que foi ontem, mas já faz meia década da entrevista com Paul McCartney em Londres, por conta do lançamento do álbum NEW.

Conheço profissionais que se satisfazem sabendo todas as siglas das facções criminosas do Rio ou os partidos políticos brasileiros. Todos bem-sucedidos, mas quase nenhum que possa dizer que realizou seu sonho.

Londres é uma cidade mágica e McCartney o maior e mais vitorioso músico de todos os tempos.

Claro, nem tudo foram flores, mas hoje é dia de comemorar!

PS: A viagem também teve Liverpool, Escócia, Irlanda e mais. Mas isso é outra história.

Gol amplia serviço para pessoas com necessidades

Voe Junto, que monitora o viajante, agora está disponível para clientes de todas as idades

Nem só de serviços de utilidade questionável vive o mercado de viagens aéreas no Brasil. A Gol anunciou a ampliação do serviço Voe Junto, que permite o acompanhamento, em tempo real, das pessoas que estejam viajando sozinhas, mas precisem de um monitoramento pessoal, do check-in ao desembarque.

Crianças e adultos

O programa, que inicialmente estava disponível apenas para crianças de 5 a 11 anos, agora poderá também ser utilizado por qualquer passageiro, seja adolescente, adulto ou idoso, incluindo pessoas com dificuldades cognitivas para compreensão ou comunicação.

Esse monitoramento é feito por meio de uma pulseira de identificação com tecnologia de rastreamento sem fio. Com isso, uma pessoa determinada (pode ser parente ou amigo) recebe todas as informações do trajeto do passageiro em tempo real, através do aplicativo da companhia e/ou por e-mail.

Como Funciona

Após contratar o serviço, disponível para voos nacionais e internacionais da Gol (exceto Miami, Orlando, Quito e Suriname), o passageiro recebe a pulseira com um chip de identificação no momento do check-in e, a cada fase da viagem, colaboradores da companhia fazem a leitura eletrônica dos dados do aparelho para atualização do status de localização, além de acompanhar o passageiro durante todo o percurso. Entre as áreas responsáveis, estão as equipes dos aeroportos da origem, conexões/escalas e destino.


No momento do check-in, no aeroporto, é necessário informar para quem devem ser enviadas as informações sobre o voo e, a partir daí o amigo ou parente que não está junto com o Cliente durante a viagem, receberá as informações sobre cada etapa.

Caso haja alguma intervenção operacional, como o cancelamento ou atraso de voos que possam alterar a viagem do cliente, a GOL irá contatar a pessoa indicada no cadastro para verificar a melhor acomodação. Para crianças de 5 a 11 anos, o serviço permanece obrigatório.

Preço

Para jovens e adultos os preços variam entre R$ 149 e US$ 110 e o serviço pode ser contratado pelo telefone 0300 115 2121.

Boa pedida.

Outras dicas de viagem

Dicas de Viagem Parte I – Programação

Dicas de Viagem Parte II – Orçamento

Dicas de Viagem Parte III – Transportes

Dicas de Viagem IV(a): Cuidados para não ser barrado em um país estrangeiro (vistos)

Dicas de Viagem IV(b): Cuidados para não ser barrado em um país estrangeiro (seguro de viagem)

Dicas de Viagem IV(c): Minivisto para a Europa

Dicas de Viagem V: Tipos de tomadas pelo mundo

Dicas de Viagem VI: Não se aperte com comida

Não gosta de cães e gatos? Cuidado com os voos da Gol

Titãs: nova série da DC será exibida no Brasil pela Netflix

Lançamento no canal de streaming da DC será no dia 12 de outubro. Por aqui, data ainda é incerta

A live-action dos Jovens Titãs, série de animação criada por Sam Register e Glen Murakami e produzida pela Warner Bros. Pictures, vai, enfim, sair. O lançamento mundial acontecerá no dia 12 de outubro.

Nos Estados Unidos e em várias outras partes do mundo, Titãs será exibida pelo DC Universe, um serviço de streaming da companhia. Por aqui, os direitos de exibição são da Netflix. Por aqui, ainda não há data de lançamento.

Asa Noturna (Robin), Ciborg, Estelar, Ravena e Mutano, além de Columba e Rapina, formam os chamados Jovens Titãs. A série é protagonizada por Brenton Thwaites, Anna Diop, Teagan Croft, Ryan Potter, Alan Ritchson, Minka Kelly e Lindsey Gort.

Confira o trailer:

A produção é de de Greg Berlanti, o mesmo de ‘Arrow’, ‘The Flash’, ‘Supergirl’ e ‘Legends of Tomorrow’. O que promete cenários bem sombrios. A primeira temporada terá 12 episódios. A série gira em torno de Dick Grayson, um detetive da polícia de Detroit após Batman ter sido dado como morto em Gothan City.

RocketMan ganha trailer

Poucos dias após liberar a primeira imagem de Taron Egerton como Elton John, a Paramount Pictures divulgou o primeiro trailer de RocketMan.

Definido como “uma fantasia épica musical, sem censura”, a produção britânica tem direção de Dexter Fletcher (Hotel Babilônia) e será estrelado por Taron Egerton (Kingsman: The Secret Service e Kingsman: O Círculo Dourado).

O filme estreia em março de 2019, durante a turnê de despedida dos palcos de Elton John.

 

Filme que contará a história de Elton John libera a primeira imagem

Rocketman, que estreia no dia 30 de março de 2019, vai contar a história de um dos músicos mais talentosos e extravagantes da nossa época: Sir Elton John.

Definido como “uma fantasia épica musical, sem censura”, a produção britânica tem direção de Dexter Fletcher (Hotel Babilônia) e será estrelado por Taron Egerton (Kingsman: The Secret Service e Kingsman: O Círculo Dourado).

O filme chegará aos cinemas de todo o mundo enquanto Sir Elton faz a sua turnê de despedida dos palcos.

 

Grupo de “Space Rock” lança disco com a participação de Eric Clapton

O Hawkwind, formado em 1969 na Inglaterra, lançou Road To Utopia , o seu 31° disco de estúdio. Tendo passado por diversas vertentes como hard rock, progressivo e rock psicodélico, a banda decidiu recriar várias de suas canções com a participação de uma orquestra.

Com arranjos criados pelo maestro Mike Batt e vários solos de ninguém menos que Eric Clapton (na faixa The Watcher), o Hawkwind consegue reoxigenar algumas canções que ainda mantêm sua força nas versões originais.

Para os que não conhecem a banda, vale uma pesquisada. Para os que já estão familiares com a sua obra, Road To Utopia é um disco interessante e desafiador.

Cotação *** ½

Livro revela o banquete que marcou o fim da Era Cabral

Obra, do jornalista Sílvio Barsetti, é uma leitura envolvente e traz detalhes assustadores da festa que marcou o início do fim de uma dinastia no Rio de Janeiro

Definitivamente, Cultura não está restrita as áreas que normalmente são lembradas pela maioria das pessoas — música, teatro, cinema, poesia, prosa, romance, etc. Uma boa pesquisa pode render uma obra primordial, mesmo que seja sobre política ou quase isso.

Leitura envolvente

A Farra dos Guardanapos – O último baile da Era Cabral, é um livro envolvente e ao mesmo tempo assustador. O jornalista Silvio Barsetti apurou detalhes que deixam qualquer leitor boquiaberto, principalmente às vésperas de uma eleição.

As pouco mais de 150 páginas de texto podem ser devoradas em poucas horas e revelam momentos que não podem ser repetidos. Não importa qual a tendência dos eleitores, é deles a responsabilidade em evitar um déja vu.

O Rio era Paris

Para quem ainda não ligou os pontos, A Farra dos Guardanapos foi o nome dado a festa promovida por Sérgio Cabral Filho, então governador do Rio de Janeiro, promoveu em uma mansão na Avenida Champs-Elysées, em Paris, em 2009.

O trem da alegria promovido por Cabral & Cia é dissecado minunciosamente. Os convidados, o cardápio, os diálogos, os assessores que ajudaram na preparação do evento e até mesmo os que ficaram encarregados de encobrir tudo, são revelados.

Afinal, saber que foram gastos R$ 1,5 milhão na festa e que foram consumidas 300 garrafas de vinhos e espumantes (franceses, é claro), são dados tão relevantes quanto saber quem as bebeu.

Inimigo perigoso

Hoje, fica fácil lembrar que essa festa foi um dos estopins para a prisão do ex-governador e vários de seus colaboradores, mas será que as pessoas lembram quem acendeu o estopim disso tudo?

Acreditem, foi o também ex-governador e ex-aliado Anthony Garotinho, figura pra lá de controversa.

Foram três anos entre a festa e a divulgação das primeiras fotos, mas, como dizem, a vingança é um prato que se come frio.

Dentro do salão

Provavelmente, os dois maiores trunfos do livro são ter uma narrativa que coloca o leitor praticamente dentro do salão onde a festa acontecia e não se deixar levar pela tentação de falar sobre as inúmeras falcatruas da gangue.

Tão importante quanto saber os detalhes dos bastidores dos filmes da saga Guerra nas Estrelas ou ler a biografia de um grande astro do rock, é saber como a história aconteceu e o que fazer para impedir que ela se repita.

Cotação *****

Serviço

A Farra dos Guardanapos – O último baile da Era Cabral
Autor: Sílvio Barsetti
Editora: Máquina de Livros
Páginas: 176
Preço: R$ 39,90

Televisão: Os apartamentos de Jorge Bispo

Fotógrafo estreia no Canal Brasil “502”,  programa que aborda a nudez masculina

Neste post, faço um mea culpa, conto uma historinha rápida e aproveito para jogar umanovidade no colo de vocês. Não necessariamente nessa ordem, é claro.

Outro dia mesmo estava na lavanderia e a moça que ocupava uma das máquinas puxou papo. Aquela espera tipo fila. Nem adiantou o fato de eu estar com a cara enfiada no meu livro.

Conversamos amenidades por dois minutos.

Voltei para a leitura, mas ela disparou:

— Quando você terminar de ler, tenho uma pergunta para fazer. Uma curiosidade…

O livro na minha mão, bojudo, nem tinha chegado à metade de suas páginas. Respirei fundo e prestei atenção na companheira de roupa suja. Ela queria saber, antes de mais nada, se eu assistia ao Canal Brasil. E aqui vem o mea culpa.

Parei e pensei. Não lembrava a última vez que sintonizei na emissora. Inclusive, preciso frisar que, tirando futebol, não ligo mais canal de TV aberta e, com a facilidade do streaming, abandonei até a TV a cabo, que me prende a horários. Respondi que não, não tinha o costume.

Foi aí que ela introduziu seu desconforto com um programa com o qual se deparou, um belo dia, zapeando. Era o “302”. Desde 2014, o fotógrafo Jorge Bispo trabalha seu projeto, concebido para a internet — o “Apartamento 302” —, como programa televisivo.

Já foram ao ar quatro temporadas. Nele, mulheres comuns se despem, no sentido mais amplo da palavra, para a lente de Bispo. E as câmeras do Canal Brasil. O questionamento da companheira de lavanderia:

— O que leva essas mulheres a fazer isso? E por que mulheres, e não homens?

O que acontece em 10 minutos no 302

Curiosa, fui conferir.

Cada episódio tem duração de cerca de 10 minutos. A convidada, uma mulher “comum”, conta sua própria história diante das câmeras. O tratamento é típico de documentário.

Mulheres reais em seus próprios ambientes onde, teoricamente, se sentem mais confortáveis. Elas narram suas histórias, conversam com um interlocutor que nunca aparece. Não interessa; ela está falando com você, espectador.

No início, a nudez é metafórica. O assunto abordado deve ter o máximo de honestidade possível. A câmera é sua terapia, naquele momento. Depois de enfrentar seus fantasmas, é preciso se reencontrar. E, segundo Bispo, nenhuma maneira é melhor de fazê-lo, a não ser totalmente despida.

No fim, uma foto. E, talvez para muitas mulheres, a paz interior.

Para minha melhor amiga da lavanderia, a satisfação de tentar entender, agora, o universo masculino.

Nudez masculina dois andares acima: 502

A partir de 28 de setembro, o fotógrafo trará novidades para as telas: o “502”, programa que explora a nudez masculina. A série será dirigida por Helena de Castro. Matheus VK assina a trilha original da abertura.

Assim como no “302”, a relação com corpo será um tema bastante presente no “502”. Mas assuntos como racismo, masculinidade, virilidade, sexualidade e, claro, tamanho do pênis, também entram em questão quando homens tiram a roupa.

O programa ainda contará com a participação de um personagem trans que deixa bem clara sua motivação para estar ali: se reconhecer e se afirmar como homem. Quanto ao ato de despir-se, Bispo afirmou que os caras o fazem de forma bastante semelhante às mulheres.

“Venho me surpreendendo com como não faz muita diferença. Mesmo com o tabu do tamanho do pênis, masculinidade e etc. Vi que existem homens com perfis variados assim como acontecia com as mulheres. Não consigo identificar uma característica própria dos homens nesse aspecto”

Jorge Bispo

Enquanto nas mulheres fotografadas para o  “302”, liberdade e autoconhecimento apareciam entre os principais motivos para embarcar  no projeto, para os homens os motivos são mais variados: o desafio, vaidade, afirmação perante a sociedade de sua sexualidade.

Bateu curiosidade? Zapeia!

502 
Estreia: Sexta, dia 28, à 0h
Quando: Sextas, meia-noite
Classificação: 14 anos
Direção: Helena de Castro

Ilações inúteis, reflexões sobre o nada e coisas mais sérias

%d blogueiros gostam disto: