R.I.P. George Martin

George Martin IIIMorreu, na madrugada desta quinta-feira (9/3), aos 90 anos, o maestro, produtor e arranjador dos Beatles, Sir George Martin. Martin, considerado por muitos o Quinto Beatle, foi o responsável por assinar o primeiro contrato de gravação da banda, além de produzir e arranjar praticamente todas as canções do grupo.

Tive o prazer de conhecê-lo e estar com ele em duas oportunidades – uma entrevista e durante o ensaio para o concerto do Projeto Aquarius que ele regeu, em 1993. Ele era um gentleman até mesmo quando reclamava, com razão, de algo (como a falta de vontade da OSB durante o ensaio). Não há como expressar o pesar pela sua morte. Como amante da musica, fico triste em pensar que um dos maiores responsáveis pela melhor música produzida no Século XX (e talvez em todos os séculos) não está mais entre nós. O mundo, e não só a música, fica muito mais pobre.

De 1962 até 1969, Martin foi o responsável por traduzir as ideias do Quarteto de Liverpool em sons. São dele as orquestrações de clássicos como Yesterday, A Day in the Life, Strawberry Fields Forever e I Am the Walrus, além de participar, como músico, de várias gravações da banda. A única orquestração que não foi escrita por ele (She´s Leaving Home, do disco Sgt. Pepper’s), sempre foi citada por ele com uma pontinha de mágoa. Pelo jeito, até mesmo os gentleman podem ser possessivos.

George Martin and The BeatlesDiscos como Revolver (1966) e Sgt. Pepper Lonely Hearts Club Band (1967) não teriam existido sem o talento de Martin. Na verdade, nada que ouvimos hoje existiria. Se Love Me Do e as canções da primeira fase dos Beatles podem soar ingênuas, a maestria com a qual navegou durante a fase psicodélica e cheia de drogas da banda é prova de que ele tinha um talento gigantesco. O próprio John Lennon dizia que sem George Martin, muitos dos sons que imaginou jamais teriam sido traduzidos corretamente.

Além da parceria com John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr, o produtor trabalhou com nomes como Peter Sellers, America, Jeff Beck, Cheap Trick, Ella Fitzgerald, Stan Getz, Kenny Rogers, Neil Sedaka, Jimmy Webb, Dire Straits, Earth, Wind and Fire, Peter Gabriel, Elton John e Sting, entre muitos outros, sendo condecorado pela rainha Elizabeth com o título de Sir em 1996, um ano antes que Paul McCartney recebesse a mesma honraria.

Desde a década de 1990 o produtor diminuiu o seu ritmo de trabalho, principalmente por conta de uma perda na audição, passando muito das suas tarefas ao filho, Giles, que, entre outras coisas, trabalhou em vários projetos dos Beatles, inclusive a remasterização do catálogo da banda.

George Martin nasceu no dia 3 de janeiro de 1926, em Highbury, Londres. A causa da morte ainda não foi divulgada.

George Martin no Brasil

Pouca gente pode lembrar, mas em 1993 George Martin esteve no Rio de Janeiro para participar de uma edição especial do Projeto Aquarius, em comemoração aos 30 anos do primeiro single dos Beatles (Love me Do). O concerto, que aconteceu debaixo de muita chuva na Quinta da Boa Vista, acabou por deixar uma marca permanente em Martin. Uma das atrações do show, o coral das Meninas Cantoras de Petrópolis, impressionou tanto o maestro que ele fez com o coral uma versão da música Ticket To Ride, lançada em seu CD In My Life, que também contou com participações de artistas como Celine Dion, Phil Collins e Sean Connery. Em 1997, ele voltou ao Brasil para gravar cenas para um documentário sobre música.

Martin também aproveitou a passagem pelo Rio para conhecer um de seus ídolos, o também maestro Tom Jobim.

Repercussão

Produced by George MartinVárias personalidades do mundo musical escreveram depoimentos sobre a morte o produtor.  Em seu site oficial, Paul McCarney escreveu: “Estou muito triste em ouvir a notícia da morte do querido George Martin. Tenho tantas lembranças maravilhosas desse grande homem e elas vão ficar comigo para sempre. Ele era um verdadeiro cavalheiro e era como um segundo pai para mim.  Ele guiou a carreira dos Beatles com tanta habilidade e bom humor que se tornou um grande amigo meu e da minha família. Se alguém mereceu o título de quinto Beatles, esse foi George. Do dia no qual ele deu aos Beatles o nosso primeiro contrato de gravação, até a última vez que o vi, ele foi a pessoa mais generosa, inteligente e musical que eu tive o prazer de conhecer….O mundo perdeu um verdadeiro cavalheiro que deixou uma marca permanente na minha alma e na história da música britânica“.

Ringo Starr, o outro sobrevivente da banda também comentou a morte do amigo através do seu Twitter: ” George fará falta. Obrigado por todo seu amor e gentileza, George. Paz e amor.

Biografia em vídeo

Quem tiver a curiosidade em conhecer um pouco mais sobre a carreira e o talento de Martin pode procurar o DVD Produced by George Matin. É uma história sobre uma importante parte da música pop do Século XX.

Anúncios

Mais de 12 milhões de brasileiros acessam ferramentas de educação pela internet

Infelizmente, com o atual estágio de degradação do sistema público educacional brasileiro, o jeito é investir na educação online. É uma saída mais rápida, barata e confiável do que a oferecida por estados e municípios.

Educação a distânciaMais de 12 milhões de pessoas no Brasil acessam ferramentas de educação pela internet. São exercícios, simulados, videoaulas, dicas e jogos, muitas vezes gratuitos, que podem contribuir com o aprendizado. Os dados são do aprenda.online, plataforma criada pela Fundação Lemann, que reúne sites voltados para educação.

Estão na lista tanto sites voltados para a alfabetização, como aqueles voltados para preparar estudantes para o vestibular, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e especializações. “O ponto principal dessas ferramentas online é que muitas delas são totalmente gratuitas e qualquer estudante pode acessar a qualquer momento, passar por todo o conteúdo sem gastar nada e com muita facilidade. Basta acessar o computador, a internet e começar a estudar”, diz o gerente de projetos da Fundação Lemann, Guilherme Antunes.

O portal reúne links para sites como a Khan Academy, o maior site de matemática do mundo; YouTube Edu, que reúne as menores videoaulas selecionadas pelo YouTube; e o Coursera, plataforma aberta que oferece gratuitamente cursos das mais renomadas universidades do mundo. “A tecnologia ajuda a diminuir um pouco a lacuna grande entre acesso e oportunidades que alunos lá fora têm, principalmente nos Estados Unidos e Europa”, defende Antunes.

As aulas podem ser acessadas pelos estudantes, individualmente, ou podem ser usadas em sala de aula, com a assistência do professor. “Ao invés do aluno ter uma aula tradicional, com lousa e giz, a aula é com os alunos no computador. Muitos professores gostam desse papel de ajudar o aluno a estudar sozinho por meio da plataforma, dessa junção do tradicional da sala de aula com a tecnologia”, diz o gerente de projetos.

A escola municipal Professora Maria Aparecida de Faria, em Moji das Cruzes (SP), é uma das que usa a Khan Academy no ensino da matemática. Os alunos do 4º ano acessam o portal no laboratório de informática. “É um recurso a mais que o professor tem nas aulas. Ele acompanha, nos relatório que o site fornece, os avanços dos estudantes. O programa trabalha com habilidades, na sala de informática, o professor identifica habilidades que foram alcançadas e aqueles que precisam de um trabalho maior”, explica a diretora da escola, Aliane Pontes Rodrigues.

Acesso

Para acessar as ferramentas é necessário acesso à internet. Aliane conta que, em Moji das Cruzes, outras escolas também utilizam as plataformas online no ensino. “Muitos estudantes acessam os conteúdos nas próprias casas, para complementar o aprendizado, mas isso em comunidades que têm acesso à internet. No município, tem escolas que participam do projeto, mas estão em bairros em que o único acesso à internet é na própria escola”, diz.

Programas do governo tem levado o acesso à internet para escolas da rede pública. É o caso do Programa Banda Larga nas Escolas (PBLE) – uma iniciativa do governo federal com empresas de telefonia para conectar as escolas com banda larga. Apesar disso, no Brasil, 32.434 escolas públicas ainda não contam com qualquer tipo de conexão à internet, segundo levantamento feito pelo Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS), divulgado no final do ano passado. O número corresponde a 22% do total de escolas públicas. A maioria das escolas sem acesso à internet está no campo, onde apenas 13% estão conectadas à rede.

Fonte: Agência Brasil

Marcas de refrigerante abandonam publicidade direcionada às crianças

Crianças e refrigerante IILi sobre essa decisão faz alguns dias e fiquei surpreso que, em tempos de crise econômica, algum empresário capitalista pudesse colocar os interesses da saúde da população a frente dos seus ganhos. Acho que essa medida terá uma eficácia muito maior do que a de proibir que apareça gente bebendo cerveja em comerciais da bebida. As crianças são um público muito mais vulnerável e influenciável.

Parabéns (de verdade) aos envolvidos!
A indústria de marcas de refrigerantes está suspendendo a veiculação de publicidade direcionada ao público infantil. De acordo com a Associação Brasileira de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (Abir), as empresas do segmento reduziram consideravelmente o volume de publicidade e de promoções voltadas para crianças menores de 12 anos ao longo dos últimos anos.

 

Crianças e refrigerante IAbir orienta a suspensão de veiculação de publicidade direcionada ao público infantil (Imagem: Divulgação)

Segundo a entidade, muitas marcas de bebidas não-alcoólicas fabricadas no Brasil já adotaram totalmente o compromisso relacionado ao marketing direcionado ao público infantil. Assim, suas experiências internacionais e nacionais serão utilizadas como base para a nova estratégia de publicidade do segmento no país.

“A indústria tem estudado nova autorregulação já há algum tempo e no último ano a Abir criou grupo de trabalho cujas conclusões são no sentido de aderirmos às práticas e diretrizes já existentes em outros países”, afirmou o presidente da associação, Alexandre Jobim.

Jobim declarou que a entidade trabalha no sentido de implementar a orientação, respeitando os calendários próprios de cada marca associada. “Estamos em fase de ajustes de texto e buscando como seria o monitoramento deste compromisso, de modo a termos eficácia na decisão”, finaliza o executivo.

Fonte: Comunique-se